Está aqui

Homofobia em Lisboa: Casal de lésbicas interpelado por nove agentes da PSP

O casal namorava no jardim do Arco Cego em Lisboa, quando foi interpelado por um homem com um discurso homofóbico e posteriormente por nove agentes da PSP, que terão dito que receberam queixas. A denúncia chegou às redes sociais e o Bloco de Esquerda questionou o Governo.
Bandeira LGBTI na 20ª Marcha do Orgulho em Lisboa, 2020 – Fotogaleria do esquerda.net com fotos de Hugo Raimundo e Inês Ferreira
Bandeira LGBTI na 20ª Marcha do Orgulho em Lisboa, 2020 – Fotogaleria do esquerda.net com fotos de Hugo Raimundo e Inês Ferreira

Na passada segunda-feira, 24 de maio, o casal de lésbicas namorava no jardim do Arco do Cego, em Lisboa, quando um homem as interpelou “com o típico discurso de ‘acham bem o que estão a fazer, há aqui crianças’”, denunciou um post no twitter. Uns minutos depois, pelo menos, nove guardas da PSP dirige-se ao casal, “a alegar que receberam muitas queixas de que elas estavam ali a ter comportamentos impróprios”.

Em pergunta, ao Ministro da Administração Interna e à Secretaria de Estado para a Cidadania e Igualdade, o Bloco de Esquerda pergunta se têm conhecimento da situação, que ações vão tomar para que seja apurada a veracidade dos factos e para que situações como a ocorrida não se repitam.

No documento, o Bloco de Esquerda salienta que “o respaldo a denúncias homofóbicas perpetua preconceitos e atos de violência contra casais homossexuais, assumindo este comportamento uma maior gravidade quando praticado por agentes cujo papel é defender o cidadão e a lei”.

O Bloco considera que “a PSP deveria ter-se limitado a esclarecer os alegados denunciantes que neste país não se discrimina atos de namoro, sejam eles praticados por heterossexuais ou por homossexuais”.

“A igualdade entre cidadãos, apesar de se encontrar prevista e protegida na nossa lei, deve concretizar-se todos os dias, atentando contra a mesma os atos alegadamente praticados, devendo assim apurar-se a sua veracidade”, refere ainda a pergunta do Bloco.

Denúncia publicada no twitter:

 

Termos relacionados Política
(...)