Está aqui

Herdeiros de Belmiro e Soares dos Santos são os portugueses em Davos

A lista confidencial dos 2.630 participantes no Fórum Económico Mundial de Davos, que liga a alta finança aos governantes, formadores de opinião e grandes grupos de media, foi divulgada esta semana. Paulo Azevedo, Pedro Soares dos Santos e José Soares dos Santos são os únicos convidados portugueses do evento.
Alexandre Soares dos Santos e Belmiro de Azevedo transmitiram a liderança dos seus grupos empresariais a Pedro e Paulo, respetivamente.

Os gestores que lideram a administração da SONAE SA e da Jerónimo Martins SGPS, que sucederam a seus pais à frente das empresas que dominam a distribuição em Portugal eram os portugueses que constavam da lista divulgada esta segunda-feira por um dos convidados ao site qz.com, apesar da organização proibir os delegados de divulgarem os nomes uns dos outros. O Fórum de Davos já respondeu à fuga de informação esta segunda-feira, com a publicação da lista de participantes na sua aplicação para iPhone e em pdf. Na lista "oficial" aparece outro português, José Soares dos Santos, o irmão de Pedro que preside à Unilever Jerónimo Martins Lda e já participou na edição do ano passado, onde também marcou presença Manuel Ferreira de Oliveira, da GALP.

A reunião de Davos irá decorrer entre 23 e 27 de janeiro, com o programa do encontro a incluir um almoço de abertura oferecido pelo governo do Peru e sessões à hora das refeições a decorrerem nos restaurantes dos luxuosos hotéis da região. As sessões mais madrugadoras arrancam às oito da manhã com o objetivo de proporcionar aos donos da economia mundial o acesso aos "benefícios da meditação de mente alerta", com especialistas desta técnica de tradição budista a ajudarem os delegados a "agirem de forma mais calma, concentrada e autêntica".

O perfil dos delegados segue a tradição de Davos: tal como os herdeiros de Belmiro de Azevedo e Alexandre Soares dos Santos, 680 dos participantes são apresentados com a sigla CEO (Chief Executive Office) de grandes empresas mundiais. Do lado dos banqueiros que dominam Wall Street, estão confirmados oito delegados do Citigroup, seis do JP Morgan Chase, Goldman Sachs e Deutsche Bank e cinco da UBS, Morgan Stanley, Bank of America e HSBC.

Apesar do programa dedicar várias sessões às regiões emergentes da economia mundial, dois terços dos participantes chegarão à Suíça vindos dos Estados Unidos e da Europa. Entre os delegados estão figuras influentes da política mundial e 37 presidentes e chefes de governo, como o russo Dimitri Medvedev, o italiano Mario Monti, o israelita Shimon Perez ou o grego Antonis Samaras. Dos Estados Unidos vêm três senadores - incluindo o ex-candidato presidencial John McCain -, três governadores e cinco membros da Câmara dos Representantes, para além de responsáveis dos organismos de supervisão da bolsa, comunicações e alimentação. 

As Nações Unidas enviam o secretário-geral Ban Ki-Moon e outros catorze responsáveis por agências como a UNICEF, UNESCO ou do Programa Alimentar Mundial. A lista de ex-governantes é também extensa, e inclui figuras destacadas como Bill Clinton, Henry Kissinger, Tony Blair e Gordon Brown. Os trabalhistas britânicos enviam a Davos o atual líder, Ed Miliband, e os Verdes alemães têm o seu co-presidente, Cem Özdemir, na lista de participantes. A diretora do FMI Christine Lagarde e o presidente do Banco Mundial Jim Yong Kim são presença assídua em Davos, bem como a Comissão Europeia, desta vez representada por sete comissários, responsáveis pelas pastas da Concorrência (Joaquin Almunia), do Emprego e Assuntos Sociais (Lazlo Andor), do Mercado Interno (Michel Barnier), da Agenda Digital (Neelie Kroes), da Justiça (Viviane Reding), Ação Climática (Connie Hedegaard) e Energia (Gunther H. Oettinger). 

Termos relacionados Sociedade
(...)