Está aqui

Greve dos enfermeiros: adesão média de 95% no terceiro dia

A adesão à greve dos enfermeiros conta com “uma média de 95%”. Nos três dias de duração, não tem contado com grandes oscilações.
Os enfermeiros querem que seja criada uma carreira especial de enfermagem e que a carreira seja descongelada e as tabelas remuneratórias revistas.
Os enfermeiros querem que seja criada uma carreira especial de enfermagem e que a carreira seja descongelada e as tabelas remuneratórias revistas.

A informação é do o presidente Federação Nacional dos Sindicatos de Enfermeiros (FENSE), José Correia Azevedo, citado pela agência Lusa.

“Não há grandes alterações. Mantêm-se os números de ontem [terça-feira]. Há um caso ou outro em que baixaram um ponto, mas a média dos 95% mantém-se e o que está em causa também se mantém, que são as pessoas entusiasmadas, fazendo perguntas e pedindo orientações”, afirmou.

A greve, iniciada esta segunda-feira, é um protesto contra o impasse na negociação do acordo coletivo de trabalho, que começou há um ano.

Um ano depois, os enfermeiros em greve consideram não ter havido grandes progressos.

“O governo dá a impressão que está a tentar ganhar tempo, não sabemos muito bem porquê nem para quê, para nos empatar e nós estamos dispostos a começar esta greve, à qual se podem seguir outras, para obrigar o governo a dizer ou não quer negociar, e assume a responsabilidade política, ou quer negociar e tem que terminar os trabalhos porque um ano já é demais”, terá dito José Correia Azevedo à agência Lusa.

Os enfermeiros querem que seja criada uma carreira especial de enfermagem e que a carreira seja descongelada e as tabelas remuneratórias revistas.

Termos relacionados Sociedade
(...)