Está aqui

Governo dos EUA envia munições a Israel apesar de se dizer “preocupado” com Gaza

Entre as munições, estão projéteis semelhantes aos que foram usados para bombardear escolas da ONU em Gaza e que motivaram manifestações de “preocupação” da Casa Branca.
Família palestiniana foge depois de mais um bombardeamento em Gaza. Foto de APA Images
Família palestiniana foge depois de mais um bombardeamento em Gaza. Foto de APA Images

O Pentágono acedeu a um pedido do governo israelita e enviou em caráter de urgência um carregamento de munições para o Exército de Israel. Entre as munições previstas no acordo bilateral entre os dois países, que permite estes fornecimentos de emergência, estão projéteis como os que usados para atingir uma escola-refúgio da ONU, provocando a morte de 19 pessoas.

“O Departamento de Defesa recebeu uma carta em 20 de julho a pedir uma venda normal de munição ao estrangeiro. A petição tramitou pelos canais normais e foi aceita em 23 de julho”, explicou o contra-almirante John Kirby, porta-voz do Pentágono.

Estamos muito preocupados”

O envio de munição traz uma nova luz à condenação feita pela Casa Branca ao segundo bombardeio consecutivo de uma escola da ONU em Gaza. "Estamos muito preocupados porque milhares de refugiados internos palestinianos que receberam ordens do Exército israelita para evacuar os seus lares não estão a salvo em refúgios designados pela ONU em Gaza”, disse a porta-voz do Conselho de Segurança Nacional da Casa Branca, Bernadette Meehan.

A venda de munição de urgência está prevista num acordo bilateral entre os dois países e permite que Israel disponha de fornecimentos de munições quase ilimitados. Com ele a funcionar em pleno, as advertências de porta-vozes do governo de Barack Obama não passam de meras palavras.

Israel mobiliza mais 16 mil reservistas

A prova disso é a decisão do governo de Israel desta quinta-feira de mobilizar 16.000 reservistas para reforçar a sua agressão à Faixa de Gaza, dias depois de o Conselho de Segurança da ONU e do próprio Barack Obama terem apelado a um cessar-fogo “imediato”.

Artigos relacionados: 

Termos relacionados Massacre em Gaza, Internacional
(...)