Está aqui

Gigante imobiliária da China tenta evitar colapso

O risco de incumprimento das obrigações financeiras por parte da Evergrande agitou as bolsas asiáticas e ameaçou contagiar os mercados financeiros do resto do mundo.
Foto publicada no site da Evergrande.

Chamam-lhe gigante com pés de barro ou empresa mais endividada do planeta. E foi justamente o risco de incumprimento no pagamento de juros de parte dessa dívida total avaliada em mais de 250 mil milhões de euros, que vencem esta quinta-feira, a afundar os índices bolsistas da Ásia na última semana.

Os mais pessimistas comparam a situação da Evergrande à do Lehman Brothers, que despoletou a crise financeira de 2008. Mas no caso do gigante imobiliário chinês o endividamento foi feito junto de centenas de instituições financeiras e não através de complexos instrumentos financeiros montados sobre hipotecas. Além disso, o controlo do Estado chinês sobre o sistema financeiro permite-lhe intervir para evitar o alastramento de um eventual colapso ao resto da economia. Mas é precisamente o silêncio do Governo sobre a situação da Evergrande que está a assustar os mercados e a pressionar o valor das ações dos bancos que detêm dívida da empresa e dos fundos de investimento com posição na Evergrande.

A empresa detida por Xu Jiayin, que chegou a ser o homem mais rico da China, aproveitou o período de crescimento da economia do país e a subida do rendimento da população chinesa para se tornar num gigante da construção civil e o segundo maior promotor imobiliário do país. Em seguida, sempre alavancada por endividamento, diversificou os seus investimentos, que passaram pelos automóveis elétricos, saúde, parques temáticos, água engarrafada e até um clube de futebol.

O problema chegou quando os reguladores criaram “linhas vermelhas” sobre o endividamento do setor, para tentarem travar o surgimento de uma bolha imobiliária. O primeiro alvo foi a Evergrande, que começou a vender ramos de negócio para reduzir as suas dívidas.

Esta semana, a empresa anunciou ter chegado a um acordo para evitar o incumprimento no pagamento de juros que vencem agora, mas seguem-se outras datas limite para pagamento de juros nos próximos meses. Um dos maiores acionistas do grupo, a Chinese Estates, anunciou aos reguladores da Bolsa de Hong Kong que irá vender a sua participação na empresa num prazo de 12 meses, por causa das preocupações quanto à sua liquidez, assumindo um prejuízo de mais de mil milhões de euros no seu investimento, uma vez que o valor das ações da Evergrande caiu mais de 80% este ano.

Também esta semana, o presidente da Evergrande escreveu aos mais de 123 mil funcionários a pedir unidade no momento difícil que a empresa atravessa. “Eu acredito firmemente que os funcionários da Evergrande nunca baixam os braços, nunca são derrotados e só ficam mais fortes nas adversidades. Esta é a grande fonte de poder que temos para ultrapassar todas as dificuldades e vencer esta guerra”, escreve Xu Jiayin na carta em que também desejava um bom feriado por ocasião do Festival de meio de outono que se celebrou no início da semana.

Termos relacionados Internacional
(...)