Está aqui

Furacão Lorenzo: mais de 30 realojados e 100 evacuados nos Açores

Furacão Lorenzo fustigou ilhas do grupo central e ocidental dos Açores com chuva e rajadas de vento superiores a 100km/h. Há 36 pessoas realojadas, mais de 100 evacuadas, e diversos danos em portos e outras infraestruturas.
Costa ocidental da ilha das Flores, com a Fajã Grande ao fundo, maio de 2017. Foto: btvarusko/Wikimedia Commons.
Costa ocidental da ilha das Flores, com a Fajã Grande ao fundo, maio de 2017. Foto: btvarusko/Wikimedia Commons.

O furacão Lorenzo deixou nos Açores muitos estragos, mais de três dezenas de desalojados e uma centena de pessoas retiradas de casa pela manhã desta quarta-feira. Chuva e violentas rajadas de vento, a mais forte das quais atingiu os 163km/h às 8:25 da manhã no Corvo, provocaram danos nas ilhas dos grupos central e ocidental do arquipélago, felizmente sem feridos nem vítimas a apontar.

Pelas 10 da manhã desta quarta-feira, passado o período crítico do furacão, os maiores estragos registavam-se no Faial, Pico e Flores. Na cidade da Horta, foi necessário proceder ao realojamento de 19 pessoas devido a um "galgamento do mar na zona da Avenida 25 de Abril", adiantou Carlos Neves, presidente do Serviço Regional de Proteção Civil e Bombeiros dos Açores, citado pela Agência Lusa. Nas ilhas das Flores (grupo ocidental) e São Jorge (central), houve também realojamentos devido a situações de "infiltração de água nas habitações, com levantamento das telhas". À medida que as pessoas acordavam pela manhã, multiplicavam-se as notificações de árvores caídas e caminhos interrompidos.

Ao todo, a proteção civil registava pelas 10 da manhã 36 pessoas realojadas no arquipélago e 93 ocorrências, a maior parte (43) na ilha do Faial, que foi "bastante afetada" segundo Carlos Neves. No Pico, acrescentou, 100 habitantes do concelho das Lajes foram retirados das suas habitações por precaução. Nas Flores, o mar engoliu parte do molhe do porto das Lajes, ponto de atracagem dos navios que abastecem a ilha, provocando "graves danos", assim como danos menores a edifícios de apoio à atividade portuária e a contentores.

Entre tantos estragos, um ponto positivo: "Há que frisar, no meio deste número considerável de ocorrências, que não se registou nenhum ferido, nenhuma vítima, e isso é o que nos deixa mais descansados", comentou Carlos Neves.

O centro do furacão Lorenzo passou pela madrugada a oeste das Flores e seguiu para norte/noroeste, afastando-se da ilha, segundo dados do Instituto Português do Mar e da Atmosfera (IPMA). A proteção civil mantém por enquanto alerta vermelho, e conta que as rajadas de vento violento continuem pelo menos até ao início da tarde. Durante a tarde o vento deverá abrandar, diminuindo o alerta para amarelo.

Termos relacionados Sociedade
(...)