Está aqui

Fernando Pinto suspeito de gestão danosa na TAP

Fernando Pinto, presidente da TAP durante cerca de 18 anos, foi constituído arguido numa investigação levada a cabo pela Polícia Judiciária. O caso refere-se à compra da Varig Engenharia e Manutenção (VEM), processo decorrido entre 2005 e 2007. Suspeita-se de gestão danosa.
Fotografia: flytap.com
Fotografia: flytap.com

Há outros gestores do conselho de administração da empresa que foram constituídos arguidos pelo mesmo motivo: Luís Ribeiro Vaz, Fernando Alves Sobral, Michael Conolly, Luiz da Gama Mór e um outro responsável entretanto falecido. O inquérito teve origem devido a uma denúncia anónima feita em 2010 e está a cargo do Departamento Central de Investigação e Acção Penal, repartição do Ministério Público que investiga a criminalidade mais complexa.

Em abril de 2016, altura em que foram feitas buscas na sede da TAP e na da Parpública (onde a transportadora está incluída), suspeitava-se, para além da gestão danosa, de lucros obtidos de forma ilícita com o negócio. Contudo, não foram encontrados indícios de corrupção ou de branqueamento de capitais.

Foi a compra da VEM, entre 2005 e 2006, altura em que a TAP se aliou à Geocapital, que motivou a investigação. A Geocapital adquiriu 85% do capital e a TAP 15%. Em 2007, a Geocapital saiu da VEM e a TAP pagou um prémio de 20% para ficar com a posição do sócio.

Desde aí, a VEM mostrou-se um negócio ruinoso, resultado em perdas de centenas de milhões de euros. Foi este negócio que a PJ investigou.

Em 2009, Fernando Pinto e os referidos quatro outros gestores receberam um prémio de gestão relativo a 2007, que totalizou 447 mil euros. Esta questão também está a merecer a atenção do Ministério Público.

Termos relacionados Sociedade
(...)