Está aqui

EUA repetem fim dos combates no Iraque

Com duas semanas de avanço em relação ao prazo marcado, os EUA anunciaram a saída da "última brigada de combate" do Iraque. O movimento antiguerra fala numa segunda encenação da "Missão Cumprida" de Bush, já que mais de 50 mil soldados continuarão no país a partir de 31 de Agosto.
O movimento antiguerra diz que com a "retirada" agora anunciada, Obama tenta convencer os norte-americanos de que cumpriu pelo menos uma das promessas eleitorais. Foto USArmy/Flickr

Segundo o Washington Post, várias brigadas de combate continuam na prática dentro do país, tendo sido renomeadas como brigadas de aconselhamento e assistência. Outros 4500 elementos das tropas especiais permanecem igualmente no Iraque em missões de treino do exército iraquiano. Ao todo estão ainda cerca de 56 mil tropas dos EUA no país, diz o New York Times.

"Isto não é um fim, é uma transição para algo de diferente. Estamos comprometidos a longo prazo no Iraque", afirmou o porta-voz do Departamento de Estado, Phillip Crowley. "Investimos pesadamente no Iraque e vamos fazer o que estiver ao nosso alcance para preservar este investimento e que o Iraque e os países vizinhos se empenhem em criar uma situação muito mais pacífica que sirva os seus interesses e os nossos", declarou ainda o porta-voz do governo dos EUA na MSNBC.

Para Jason Ditz, do site antiwar.com, este anúncio é "um segundo falso final para a guerra no Iraque", feito para render "ganhos políticos a um presidente cada vez mais impopular e que tenta agora parecer que cumpriu pelo menos uma das promessas eleitorais".

"O mês de julho foi o mais violento dos últimos dous anos e vai ser difícil à administração Obama manter esta guerra em segredo por muito tempo", conclui o colunista.

"Nos últimos 18 meses, mais de 90 mil soldados deixaram o Iraque", disse  Barack Obama em comunicado. "Tal como acordámos com o governo iraquiano, todas as tropas estarão fora do Iraque no fim do próximo ano", acrescentou o presidente dos EUA.

A invasão do Iraque ocorreu em Março de 2003 e as tropas norte-americanas sofreram mais de 4400 baixas nestes sete anos. Quanto ao número das mortes de civis iraquianos, as estimativas diferem muito, dos 106 mil do projecto Iraq Body Count, que usa sobretudo a imprensa como fonte, ao milhão de mortes só até 2007, estimados por uma sondagem do Opinion Research Business.

Artigos relacionados: 

Termos relacionados Internacional
(...)