Está aqui

Espanha: a Manada violou, o Supremo agravou a pena do grupo

O Supremo Tribunal espanhol reconheceu que o grupo conhecido como “A Manada” é culpado de “delito agravado de violação” e agravou para 15 anos a pena que tinha sido decidida pelo Tribunal Superior de Navarra.
Manifestação contra a sentença do caso La Manada. Abril de 2018. Foto de ProtoplasmaKid/wikicommons

A violação de uma jovem por cinco homens que se auto-proclamavam como “La Manada” nan madrugada de 7 de julho de 2016 nas festas de São Firmino, em Pamplona, gerou indignação na sociedade espanhola.

A indignação aumentou quando foi conhecida a sentença do Tribunal Superior de Justiça de Navarra que considerou que não tinha havido violação, apenas abuso sexual, condenando-os a nove anos de prisão e não às penas de entre 22 a 25 anos pedidas pelo Ministério Público. Nas considerações dos juízes lia-se que a vítima não se tinha debatido o suficiente. Um dos magistrados chegou mesmo a pedir a absolvição afirmando ter havido “excitação sexual” da vítima.

A vítima tinha explicado em tribunal que não se debateu porque estava em “estado de choque” e sem saber o que fazer.

Esta sexta-feira a decisão tomada em Navarra foi revertida. A decisão do Supremo é de que a Manada cometeu um “delito continuado de violação” com as agravantes de tratamento vexatório e de atuação combinada. A pena dos acusados foi aumentada para 15 anos de prisão. Um dos homens, Antonio Manuel Guerrero Escudero, foi condenado a mais dois anos por roubo com intimidação.

Termos relacionados Internacional
(...)