Está aqui

Doentes com covid longa “estão a aparecer em catadupa”, alertam médicos

Pneumologistas avisam que os hospitais têm de se preparar para seguir mais de cem mil utentes com sintomas além dos três meses da infeção.
hospital
Foto de Paulete Matos.

“Vemos doentes que nunca tínhamos visto, que desenvolvem patologia respiratória sem a terem antes e mantêm alguma inflamação pulmonar, detetável na função respiratória”, disse ao Expresso o diretor do serviço de pneumologia do Centro Hospitalar e Universitário de Coimbra. Carlos Robalo Cordeiro olha para os números que apontam que pelo menos 10% dos infetados desenvolvem sintomas da doença para além dos três meses da infeção.

No caso português, isso traduz-se em mais de cem mil pessoas. Mas um estudo da Universidade de Oxford, o maior feito até agora, indica que mais de um terço dos infetados continua com sintomas da doença entre os três e os seis meses após a infeção.

Para Filipe Froes, pneumologista e coordenador do gabinete de crise para a covid-19 da Ordem dos Médicos, isto resultará “numa sobrecarga muito grande” para o SNS, quem tem de manter a sua atividade normal e recuperar o atraso no seguimento de doentes interrompido durante as primeiras fazes da pandemia. Até porque estes doentes com a chamada covid longa “estão a aparecer em catadupa”, alerta o médico, mesmo em casos em que a infeção desenvolveu apenas sintomas ligeiros.

Ainda segundo o Expresso, no caso do Centro Hospitalar de Leiria, os utentes atendidos nas consultas pós-covid são maioritariamente pessoas que tiveram doença “moderada a grave” e com média de 70 anos de idade.

Entre os mais de 200 sinais e sintomas da covid longa, tem-se destacado a falta de ar, o que eleva a pressão sobre as consultas de pneumologia, refere Filipe Froes. Mas a fadiga, fraqueza muscular, tosse crónica, dor de cabeça, alterações da frequência cardíaca, depressão, ansiedade, perturbações do sono e falta de concentração são outros sintomas associados às sequelas da infeção. No estudo da Universidade de Oxford, as dores de cabeça e musculares afetam sobretudo as mulheres e os mais jovens, a depressão e ansiedade surgem mais associadas às mulheres e as dificuldades respiratórias e de concentração aos homens.

Carlos Robalo Cordeiro e Filipe Froes sugerem a criação de estruturas dedicadas ao acompanhamento deste doentes, encaminhando os mais graves através de “vias verdes” e que a Direção Geral de Saúde crie um grupo de trabalho para uniformizar as normas e recomendações para o seguimento destes doentes.

Termos relacionados Covid-19, Sociedade
(...)