Está aqui

Díaz-Canel é o novo presidente de Cuba

Depois de seis décadas sob a presidência de um Castro, Díaz-Canel torna-se presidente de Cuba. O novo presidente defende a continuidade do regime e destaca a luta contra o imperialismo.
Fotografia: Presidencia el Salvador/Flickr
Fotografia: Presidencia el Salvador/Flickr

Esta quinta-feira, a Assembleia Nacional de Cuba aprovou a eleição de Miguel Mario Díaz-Canel Bermúdez como presidente do Conselho de Estado e de Ministros de Cuba. Com 57 anos, o cubano substitui Raúl Castro. Trata-se da primeira vez em 60 anos em que não será um Castro a presidir ao país. Para mais, este será o primeiro presidente que não combateu na revolução que derrubou o regime de Fulgêncio Batista em 1959.

Em declarações recentes, Díaz-Canel deixou claro que pertence ao regime de Castro e que lhe dará continuidade, dando ainda destaque à luta contra o imperialismo.

Contudo, no passado, defendeu uma maior liberdade de crítica ao regime e um acesso mais alargado à internet.

Díaz-Canal é engenheiro e foi professor universitário, prestou serviço nas Forças Armadas Revolucionárias e iniciou a militância política na Universidade Marta Abreu. Em 1997, chegou ao Bureau Político do PCC e dirigiu o partido na província de Villa Clara.

Nasceu já depois da revolução de 1959, que conduziu Fidel Castro ao poder. A ideia de uma maior abertura da sua parte leva muitos cubanos a crer que Díaz-Canel promoverá uma reforma económica que apazigue as carências que existem em Cuba. Contudo, a mudança, a existir, contará com a proximidade do PPC, que até 2021 continuará a ser liderado por Raúl Castro e por José Ramón Ventura. Assim, Díaz-Canel liderará o Conselho de Estado e de Ministros, mas ão será o primeiro-secretário do partido único.

Diaz-Canel não viveu de perto os grandes momentos da história de Cuba, mas assimilou o pensamento dos heróis da revolução. Nos últimos anos, foi preparado para assumir esta função e chegou a representar Raúl Castro em deslocações ao estrangeiro.

Termos relacionados Internacional
(...)