Está aqui

Despedimentos na Galp vão "puxar economia de Portugal para baixo”

Galp vai fechar refinaria de Matosinhos, que conta com cerca de 400 trabalhadores. Catarina Martins critica desresponsabilização do Governo e lembra que esta “é uma empresa que distribuiu milhões de euros aos seus acionistas e está a despedir trabalhadores”, o que “é o pior da economia”.
Refinaria de Matosinhos. Foto da Galp.
Refinaria de Matosinhos. Foto da Galp.

À margem de uma reunião com a APRE, Associação de Reformados, Pensionistas e Idosos, realizada na manhã desta segunda-feira, a coordenadora do Bloco reagiu ao anúncio da Galp, defendendo que “é um exemplo do que não deve acontecer”. Isto porque, por um lado, “é uma empresa em que o Estado tem uma participação e que não usa o seu direito de voto nas assembleias gerais”. Ou seja, o Estado está a “desresponsabilizar-se de uma empresa onde pode ter uma palavra”. E, por outro, “é uma empresa que distribuiu milhões de euros aos seus acionistas e está a despedir trabalhadores”, o que “é o pior da economia”.

Para Catarina Martins “há alterações a fazer do ponto de vista dos combustíveis, da energia em Portugal em nome das alterações climáticas”. Mas isso deve ser feito através da reconversão dos setores, “o que significa também a reconversão do emprego”. E isso “nunca se fará com este tipo de despedimentos que o que fará é puxar a economia de Portugal para baixo”.

 
Dividendos da Galp entre 2007 e 2019.

2021 será o último ano de vida da refinaria da Galp em Matosinhos

A refinaria da Galp em Matosinhos fez 50 anos. Não vai chegar aos 51 porque 2021 será o seu último ano de vida. A empresa comunicou esta segunda-feira à Comissão do Mercado de Valores Mobiliários que vai concentrar a atividade de refinação em Sines.

A Galp estima que terá assim uma poupança de 90 milhões por ano. Não se conhece ainda o destino dos entre 350 a 400 trabalhadores do complexo já que a empresa apenas refere estar a “desenvolver soluções adequadas para a necessária redução da força laboral e a avaliar alternativas de utilização para o complexo”. Entretanto, em Matosinhos, manter-se-á uma infraestrutura logística, assegurando a empresa que “continuará a abastecer o mercado regional mantendo a operação das principais instalações de importação, armazenamento e expedição de produtos existentes em Matosinhos”.

A justificação para o encerramento, segundo o comunicado tornado público, são as “alterações estruturais dos padrões de consumo de produtos petrolíferos motivados pelo contexto regulatório e pelo contexto covid-19”, que “originaram um impacto significativo nas atividades industriais de ‘downstreaming’ da Galp”.

Com esta decisão, promete-se, por outro lado, aumentar a “resiliência e competitividade do complexo industrial de Sines” e alega-se estarem “em análise iniciativas com vista ao aumento da sua eficiência processual e energética, bem como a integração da produção de biocombustíveis avançados e de outros produtos com baixo teor de carbono e maior valor acrescentado”.

Como resposta a esta situação, o ministério do Ambiente mostrou, em comunicado, disponibilidade para “reunir com a Galp e com as estruturas representativas dos trabalhadores” e preocupações sobre o “destino dos trabalhadores”. Contudo, enquadra as "medidas agora anunciadas” num “processo de transformação nacional e internacional do setor energético, visando, de forma geral, a sua descarbonização."

O Sindicato dos Trabalhadores das Indústrias Transformadoras, Energia e Atividades do Ambiente (Site-Norte), já no passado dia 11, alertava para a “incerteza” e “vulnerabilidade” da situação desta refinaria, na qual a produção de combustíveis se encontrava suspensa “indeterminadamente”, destacando que estaria em causa a “continuidade de um dos maiores polos industriais existentes no norte do país”. Então, o sindicato exigia a "retoma plena da atividade da fábrica de combustíveis" dados "os avultados investimentos que aí foram realizados” e que seriam “o garante do emprego, da criação de riqueza e do desenvolvimento da economia regional e do país”.

Termos relacionados Sociedade
Comentários (1)