Está aqui

Consumo de eletricidade bateu recordes devido ao calor

O consumo diário de energia elétrica em Portugal aumentou 7,2% em julho, devido às elevadas temperaturas. A 13 de julho registou-se o consumo diário mais elevado de sempre, no verão. Governo vai decidir sobre limitação de gastos de energia, de acordo com recomendações da Comissão Europeia.
Consumo de eletricidade bateu recordes devido ao calor - foto da REN
Consumo de eletricidade bateu recordes devido ao calor - foto da REN

Segundo a informação divulgada pela REN – Redes Energéticas Nacionais, o "consumo de energia elétrica em Portugal aumentou 7,2% no mês de julho, face ao período homólogo, impulsionado pelas temperaturas acima dos valores normais que se fizeram sentir".

No dia 13 de julho de 2022, o dia mais quente de 2022 e o quinto mais elevado dos últimos 23 anos, registou-se o consumo diário mais elevado de sempre em Portugal no período de verão, 163,5 GWh [gigawatts-hora].

De acordo com a REN, citada pela Lusa, no mês de julho registou um crescimento homólogo mensal de 4,9% e, nos primeiros sete meses do ano, o consumo de eletricidade cresceu, face ao período homólogo de 2021, “3,3% com correção da temperatura e dias úteis".

“O regime hidrológico continua seco” com um ídice de produtibilidade de 0,30, refere a empresa, e "o regime eólico ficou também abaixo dos valores médios, registando 0,88 (média histórica de 1), enquanto nas fotovoltaicas foi mais favorável com 1,08 (média histórica de 1)".

A REN salienta que "a produção renovável abasteceu 36% do consumo, a produção não renovável 35%, enquanto os restantes 29% corresponderam a energia importada".

Quanto ao consumo de gás natural, manteve-se ao mesmo nível nos primeiros sete meses do ano em relação ao período homólogo, tendo caído 0,3% “resultado de uma quebra de 21% no segmento convencional e de um crescimento de 47% no segmento de produção de energia elétrica”.

Portugal vai limitar gastos de energia em edifícios públicos

Segundo o Público, o Governo está a preparar as medidas que irá tomar para reduzir o consumo de energia a partir de setembro próximo, de acordo com as recomendações da Comissão Europeia (CE). Neste sentido, o ministério do Ambiente e da Ação Climática pediu à empresa Adene-Agência para a Energia, informação sobre medidas tomadas por outros países da União Europeia.

O jornal avança que a limitação do consumo de energia nos edifícios públicos será uma das medidas a ser tomada. Outra medida será uma campanha de sensibilização da população para a redução consumo de famílias e empresas. A redução do consumo de energia deverá ser de 15% na União Europeia, em geral, com um nível inferior de 7% em Portugal e Espanha.

Outras medidas de redução do consumo de energia que estão a ser estudadas, segundo o jornal, são novas regras para as grandes superfícies na utilização do frio e no ar condicionado nos centros comerciais e hotéis.

Na passada segunda-feira, a Espanha decidiu limitar o uso de ar condicionado em edifícios administrativos, comerciais e culturais, definindo que no caso do seu uso as portas devem estar fechadas. Foram também estabelecidas limitações nos horários da iluminação das lojas.

O jornal refere ainda que já foram igualmente tomadas medidas em França e na Alemanha. Neste país, algumas cidades decidiram a suspensão do consumo de água em fontes e da iluminação externa de monumentos e edifícios públicos, assim como o encerramento de piscinas interiores. Outras cidades impuseram a suspensão do uso de água em edifícios públicos, piscinas e centros desportivos.

Termos relacionados Sociedade
(...)