Está aqui

Conselho de Estado suspende proibição do burkini em cidade francesa

O Conselho de Estado francês suspendeu esta sexta-feira a proibição de burkinis na cidade de Villeneuve-sur-Loubet, considerando que esta "constitui uma infração grave e manifestamente ilegal das liberdades fundamentais". Esta decisão representa uma derrota para o governo e para a extrema-direita.
A comunidade muçulmana espera que a decisão faça jurisprudência. Foto do site Press Minho.

O Conselho, que é ao mesmo tempo um órgão de aconselhamento do Executivo e o Supremo Tribunal Administrativo, declarou a ausência de “riscos conhecidos” para a ordem pública, razão apresentada por alguns dos autarcas para justificar a proibição.

A decisão foi tomada na sequência de uma ação interposta por um grupo de defesa os direitos humanos, com o argumento de que a proibição no resort Riviera de Villeneuve-sur-Loubet violava as liberdades pessoais.

O Conselho de Estado decidiu, desta forma, que as autoridades locais francesas apenas poderão restringir as liberdades individuais se houver um "risco comprovado" para a ordem pública.

Jurisprudência

Para o advogado Patrice Spinosi, da Liga dos Direitos Humanos, a decisão de suspensão poderá aplicar-se às restantes 29 cidades que proibiram o uso de burkini.

A comunidade muçulmana residente em França já saudou esta decisão e manifestou a sua expetativa que se faça jurisprudência para suspender as proibições do burkini nos outros municípios da costa do Mediterrâneo, escreve a agência France Presse.

A decisão do Conselho de Estado é um desafio para as autoridades governamentais e também para a extrema-direita francesa, uma vez que a maioria dos municípios que interditaram o burkini são de direita ou de extrema-direita.

O primeiro-ministro francês, Manuel Valls apoiou inequivocamente as proibições tendo-se colocado várias vezes ao lado dos autarcas e afirmado que o burkini é um símbolo de “escravização da mulher”.

Artigos relacionados: 

Termos relacionados Internacional
(...)