Está aqui

Comissário da “proteção do modo de vida europeu” é “vitória ideológica”, reclama Le Pen

Marine Le Pen afirmou no passado domingo que a criação de um comissário para a “proteção do modo de vida europeu”, proposto por Ursula von der Leyen, é uma “vitória ideológica” da extrema-direita. Marisa Matias já tinha denunciado que a proposta “recupera a linguagem da extrema-direita”.
Marine Le Pen afirmou no passado fim de semana que o título "comissário de proteção do modo de vida europeu" é uma "vitória ideológica" da extrema-direita
Marine Le Pen afirmou no passado fim de semana que o título "comissário de proteção do modo de vida europeu" é uma "vitória ideológica" da extrema-direita

Para a nova Comissão Europeia foi proposta pela presidente, Ursula von der Leyen, a criação do Comissário para a “Proteção do Modo de Vida Europeu”. Para este cargo está indicado o nome de Margaritis Schinas, membro do partido da Nova Democracia da Grécia.

Neste domingo, num comício em Frejus na Riviera Francesa, Marine Le Pen considerou que essa proposta é uma “vitória ideológica” da extrema-direita.

Marine Le Pen é atualmente líder do partido da extrema-direita “Reunião Nacional”, antiga Frente Nacional, e prepara já a sua candidatura às eleições presidenciais francesas de 2022.

No seu discurso, Marine Le Pen afirmou que o título de “comissário para a proteção do modo de vida dos Europeus”, é resultado da pressão [da extrema-direita] e que “os europeístas” acabam por aceitar que a “imigração cria dúvidas sobre o futuro do modo de vida dos europeus”.

Uma ofensa e uma provocação”

Marisa Matias, no seu artigo “Palavras”, tinha chamado a atenção, em relação ao conteúdo político da Comissão Europeia, que não se pode “ignorar as palavras escolhidas, seja no discurso ou para as diferentes pastas”.

Palavras

Marisa Matias

Referindo-se à pasta “Protecção do nosso modo de vida europeu”, a eurodeputada lembra que a expressão “foi o mote da campanha de Manfred Weber, a quem Ursula von der Leyen veio 'retirar' a presidência da Comissão”.

“Ao escolher as palavras do seu companheiro de partido, a nova presidente da Comissão parece querer agradar à sua família política, o problema é que com isso recupera a linguagem da extrema-direita que defende uma Europa com mais ou menos o mesmo grau de diversidade da actual Comissão e, de preferência, sem imigrantes”, aponta Marisa Matias.

E frisa: “colocar nas competências desta pasta as questões da imigração é mesmo um dos sinais políticos mais fortes e mais preocupantes. É uma ofensa e uma provocação. Seguramente que von der Leyen sabia disso”.

Termos relacionados Internacional
(...)