Está aqui

Comissão Europeia aprova venda da Brisa

A venda da participação do Grupo Mello e do fundo Arcus, anunciada em abril a um consórcio de investidores suíços, sul coreanos e holandeses, foi aprovada por Bruxelas. António Pires de Lima acumula mais um cargo executivo como presidente da Brisa.

A intenção de venda de 81,1% do capital social da empresa, anunciada pelo Grupo José de Mello e o fundo Arcus em outubro de 2019, resultou em abril deste ano na aquisição por parte de um consórcio formado por fundos holandeses, suíços e sul coreanos.

A empresa estará avaliada em três mil milhões. A Brisa Concessão Rodoviária, sucursal que gere as concessões rodoviárias em Portugal, foi a concessionária que mais receitas obteve em Portugal em 2019, com 625 milhões de euros, mais de metade das receitas de todas as concessões rodoviárias do país.

O consórcio que comprou a empresa é formado pela SLAM (gestora de ativos da Swiss Life, a maior seguradora do ramo vida na Suíça), a APG (gestora de ativos da ABP, o fundo de pensões dos funcionários públicos e do setor da educação dos Países Baixos) e o NPS (serviço nacional de pensões da República da Coreia).

Em comunicado, a Comissão Europeia diz que a operação “não levanta preocupações de concorrência tendo em conta o impacto limitado da transação na Área Económica Europeia”. A transação foi analisada no âmbito de um processo de revisão simplificado.

Ainda em julho, o consórcio anunciou a contratação de António Pires de Lima para presidente executivo da Brisa. O ex-ministro da Economia de Pedro Passos Coelho tem uma longa carreira de acumulação de cargos. Como deputado do CDS, defendeu o negócio cervejeiro na Assembleia da República enquanto era presidente da UNICER. Como ministro da Economia, defendeu a privatização da TAP. Já ex-ministro, desenvolveu esforços na defesa do novo aeroporto do Montijo (alterando a posição do seu partido em 180º), foi para administrador da Parfois e, simultaneamente, para um fundo de investimento dos Estados Unidos da América - a Advent International.

Em 2017, cria com Sérgio Monteiro - ex-secretário de estado das infraestruturas que privatizou a EDP, entre tantas outras - um fundo de investimento, de nome Horizon Equity, que, em 2018, se junta à Morgan Stanley num consórcio para comprar as torres da Altice em Portugal. Já em 2019, é contratado como assessor sénior do Bank of America em Portugal. Pelo meio foi não só administrador de Serralves como administrador não executivo da Media Capital (TVI).

Segundo o site noticioso Eco, o Grupo José de Mello vai manter uma posição de 17% e “participação ativa na gestão” da empresa, com Vasco de Mello como chairman da concessionária. O fundo Arcus, que entrou no capital da empresa em 2012, sai definitivamente da estrutura acionista.

Termos relacionados Sociedade
(...)