Está aqui

Climáximo “visitou” sede do Bank of China em Lisboa

Com uma faixa onde se lia “Carvão = Extinção”, os ativistas pela justiça climática chamaram a atenção para o papel deste banco no financiamento da indústria do carvão.
Climáximo na entrada do Bank of China em Lisboa
Climáximo na entrada do Bank of China em Lisboa. Foto Climáximo

Na semana de mobilização internacional “Fracasso Económico Mundial”, que decorre em paralelo ao Fórum Económico Mundial em Davos, os ativistas pela justiça climática continuaram a apontar o dedo às instituições financeiras que lucram com a crise climática através dos seus investimentos nos combustíveis fósseis.

“Apesar de 1.250 governos locais e 25 países terem declarado emergência climática, as emissões de gases com efeito de estufa aumentaram 1.3% em 2019. Isto só é possível graças ao investimento de quantidades astronómicas de dinheiro na indústria dos combustíveis fósseis: só nos três anos que se seguiram à celebração do acordo de Paris em 2016, os bancos investiram 1.9 biliões de dólares nesta indústria”, denuncia a Climáximo em comunicado.

Desta vez, o alvo da denúncia foi o Bank of China, representado em Portugal com uma sede junto ao Marquês de Pombal, em Lisboa. Foi nessa sede que os ativistas entraram com balões negros e uma faixa onde se lia Carvão = Extinção”.

Carvão = Extinção

Só entre 2016 e 2018, o Bank of China investiu 16 mil milhões de dólares em geração de energia a partir de carvão, “mais do que qualquer outro banco”, apontam os ativistas. Outros 9 mil milhões de dólares foram destinados à mineração de carvão, um investimento apenas superado pelo China Construction Bank, acrescenta o comunicado da Climáximo.

“São estes milhões que alimentam os incêndios catastróficos em Portugal e na Austrália e fazem engrossar a chuva que submerge Jacarta. Quem controla o dinheiro, controla o rumo da humanidade, e quem investe em carvão empurra-nos para o colapso climático e a extinção”, concluem os ativistas que estiveram esta quinta-feira na sede do Bank of China em Lisboa.

Termos relacionados Ambiente
(...)