Está aqui

Clientes da CGD rejeitam encerramento de mais balcões no distrito de Braga 

Os clientes da Caixa Geral de Depósitos já recolheram assinaturas para que a Administração não concretize a intenção de encerramento de mais quatro balcões do banco no distrito de Braga (três no concelho de Braga e um no de Barcelos). A nível nacional, a CGD pretende encerrar mais 75 balcões.
“Os custos que a CGD pretende reduzir serão diretamente imputados aos clientes, que terão de gastar mais tempo e dinheiro para obter os mesmos serviços”, afirmou Pedro Soares, deputado do Bloco.
“Os custos que a CGD pretende reduzir serão diretamente imputados aos clientes, que terão de gastar mais tempo e dinheiro para obter os mesmos serviços”, afirmou Pedro Soares, deputado do Bloco.

De acordo com os peticionários, esta intenção “contraria a missão, os valores e os pilares de funcionamento desta entidade financeira pública” e “lesa os seus interesses, cria discriminação entre os clientes, penaliza os que têm menor mobilidade e afasta do único banco público português, em tudo não servindo os propósitos desta entidade”.

Através de conferência de imprensa, o Bloco de Esquerda manifestou-se contra este encerramento. De acordo com Pedro Soares, deputado do Bloco, “depois de no ano passado se ter verificado o encerramento de vários balcões no distrito, a Administração da CGD fez saber, através de nota informativa interna, que pretende encerrar os balcões de Nogueira, Celeirós e S. Vicente, em Braga, e o balcão de Arcozelo, em Barcelos".

Para o deputado bloquista, “esta política de concentração dos serviços da CGD desprotege os clientes”, pelo que se exige “que a CGD, enquanto banco público, deva ter uma resposta próxima das populações e das atividades económicas”. “Os custos que a CGD pretende reduzir serão diretamente imputados aos clientes, que terão de gastar mais tempo e dinheiro para obter os mesmos serviços”, conclui.

Termos relacionados Sociedade
(...)