Está aqui

Chile: Incerteza e expetativas em vésperas do referendo à Constituição

Com as sondagens a darem a vitória à rejeição da proposta aprovada na Convenção Constitucional, os chilenos debatem o texto e procuram resistir às notícias falsas propagadas sobre o seu conteúdo nas redes sociais. Por Orlando Milesi, da IPS News.
Apoiantes da aprovação no arranque da campanha em julho. Foto Alberto Valdes/EPA

O Chile mergulhou num clima de incerteza e expetativas um mês antes do plebiscito para aprovar ou rejeitar uma Constituição que estabeleceria um rumo diferente e que foi elaborada ao longo de um ano por 154 membros da convenção eleitos pelo voto popular e democrático.

A inédita Convenção Constitucional era composta por igual número de homens e mulheres, incluindo os povos indígenas, e a maioria dos seus membros eram independentes, sem militância política.

A Convenção entregou a sua proposta a 4 de Julho com definições votadas por pelo menos dois terços e que serão aprovadas ou rejeitadas pelo povo chileno a 4 de Setembro num plebiscito com votação obrigatória pela primeira vez desde 2012. Quinze dos 19,5 milhões de chilenos poderão votar e expressar a sua "aprovação" ou "rejeição" do texto.

O início formal da campanha para o plebiscito tem lugar na quinta-feira 4 de agosto, quando, por exemplo, começa uma faixa horária diária de 30 minutos na televisão em sinal aberto, destinada a discutir as razões da rejeição e aprovação, dividida em metades.

A proposta constitucional traça novos caminhos, aborda os direitos sociais, incorpora os povos indígenas, dá direitos às mulheres, às minorias sexuais e respeita a natureza. Mas também ameaça os interesses daqueles que controlam a água, as reservas mineiras, os terrenos na região da Araucanía e as instituições de segurança social.

Por esta razão, causa fricção, polariza politicamente e determinará o futuro do Chile e do seu atual presidente de esquerda, Gabriel Boric.

Diamela Eltit, professora espanhola, licenciada em literatura e vencedora do Prémio Ibero-americano de Literatura José Donoso 2010, acredita que esta proposta aborda o conjunto de questões que marcam e marcarão o curso do século XXI para este país sul-americano.

"É abrangente porque reúne as extensas lutas sociais tradicionais tais como os direitos à saúde, habitação, trabalho, educação, mas também a necessidade urgente de preservar o ambiente e cuidar dos animais", disse ela à IPS.

"Em termos identitários, propõe a paridade entre homens e mulheres, o reconhecimento de identidades diversas e, sobretudo, a plurinacionalidade, o que realça as culturas dos povos indígenas. Este texto modifica as estruturas políticas e, em matéria económica, coloca um limite ao neoliberalismo selvagem que nos governa", disse.

Eltit acredita que a proposta será aprovada, mas adverte que esta aprovação "gerará tensões, campos de força serão deflagrados, porque as elites resistirão à sua implementação, mas, no final, haverá um caminho inamovível para erodir as desigualdades que tanto têm prejudicado milhões de vidas".

Em contraste, o ex-convencionista Cristián Monckeberg, ex-presidente do Partido da Renovação Nacional, uma confluência de forças de direita, criticou severamente a proposta constitucional. "Hoje temos um país dividido por uma proposta que deveria ter sido mais unida", disse ele à IPS.

Na sua opinião, "criámos um país dividido, aconteça o que acontecer, e com consequências complexas que exigirão delicadeza política para poder geri-los e encontrar uma solução.

"Quer ganhe a rejeição ou a aprovação, precisamos de um Presidente da República que seja respeitado por todos, e o Presidente Boric está a cometer um erro ao tornar-se um líder de campanha. Isto vai complicar enormemente o seu papel de chefe de Estado para que no dia seguinte, a 5 de Setembro, procure uma solução de qualquer tipo", argumentou.

Boric, em funções desde março, apoia a aprovação, mas reiterou que ambas as opções de plebiscito são legítimas. Defende o seu papel de liderança, argumentando que é seu dever informar os cidadãos para que possam votar com conhecimento.

De acordo com Monckeberg, "vai ser necessária muita habilidade e agilidade para construir cenários de implementação no caso de uma vitória da aprovação, porque não creio que nada mude se esta opção ganhar. E se a rejeição ganhar, será mais possível construir uma Constituição um pouco mais unificada, mais consensual", disse ele.

Conhecer para decidir

Há enormes expetativas. Milhares de pessoas fazem fila para obter uma cópia gratuita da proposta e muitos utilizam-na para discutir com os seus amigos e colegas.

A nutricionista Estefanía Pizarro, 36 anos, foi buscar a sua cópia a um escritório da Divisão de Organizações Sociais em Villavicencio, no centro de Santiago. Em sete dias, foram aí distribuídos 20.000 exemplares. Cerca de 900.000 exemplares serão distribuídos por todo o Chile antes do plebiscito.

"Temos de decidir com mais informação porque a ignorância é irresponsável. O vazio pode espalhar informação falsa", disse Pizarro à IPS.

O líder social Andrés Orellana, 47 anos, membro da Associação Cultural de Monterrey, em Conchalí, na periferia norte de Santiago, recebeu 30 exemplares. "Vamos debater no domingo, com a Constituição na mão", disse ele à IPS.

Desigualdade que atravessa tudo

Esta Constituição chega a um país extremamente desigual. O economista Damián Vergara, doutorando na Universidade de Berkeley nos Estados Unidos, liderou uma investigação que servirá de contributo para a reforma fiscal que está a ser promovida pela Boric.

Utilizando dados da administração fiscal, ele corroborou a desigualdade durante uma teleconferência com o IPS. Depois de analisar 99% dos contribuintes, estabeleceu que 0,01% deles, ou seja, 1.300 chilenos, declaram ganhar 1 bilião de pesos (um milhão e oitenta mil euros) por mês. O salário mínimo mensal no Chile é equivalente a 410 euros.

Se a aprovação ganhar, os capítulos referentes aos princípios, regras transitórias, quóruns legislativos, organização do Congresso legislativo e eleição das autoridades regionais entrarão imediatamente em vigor, mas as regras de funcionamento do Estado terão de esperar pela aprovação das leis regulamentadoras.

A transição exigirá cerca de 60 novas leis que demorarão pelo menos três anos e exigirão acordos num parlamento atualmente dividido ao meio entre a oposição e o governo.

Se a opção de rejeição ganhar, a Constituição de 1980, elaborada por peritos nomeados pela ditadura militar de Augusto Pinochet (1973-1990), permanecerá em vigor.

Alterações ao texto, apoio maioritário

Hoje o debate centra-se nas regras que devem ser alteradas para melhorar a proposta constitucional.

Isto porque as sondagens indicam que as opções "rejeitar para reformar" ou "aprovar para melhorar", reúnem quase 70% das opiniões favoráveis.

Carolina Tohá, ex-ministra da presidente socialista Michelle Bachelet (2006-2010 e 2014-2018) apoia a aprovação, mas acredita que ainda é tempo de se chegar a um consenso. Ela propõe um acordo político e antecipa as alterações que serão feitas se a Constituição for aprovada.

"Existe uma base cidadã e política para fazer reformas. O tipo de ajustamentos necessários têm uma maioria no actual Congresso", disse ele.

Acrescentou que "aqueles de nós que propõem reformas para melhorar após a aprovação prometem algo que seremos capazes de realizar". Em contraste, aqueles que propõem reformas se a rejeição ganhar, confiam que a direita terá uma espécie de reconversão e agora quererá coisas que nunca quis".

Segundo Tohá, o maior benefício do texto proposto "é que ele cria a base da nossa coexistência na sociedade, onde estamos empenhados numa distribuição de poder que coloca o conceito de igualdade substantiva no centro". E o outro grande ganho é que esta proposta foi feita com os zangados sentados à mesa".

Claudia Heiss, da faculdade de governo da Universidade do Chile, disse à IPS que, se for aprovada, "estaremos a caminho de resolver os problemas que geraram a explosão social" de Outubro de 2019, com mobilizações maciças e incidentes que abalaram o segundo governo do presidente de direita Sebastián Piñera (2018-2022).

Segundo Heiss, se a rejeição ganhar, muito provavelmente haverá também algumas reformas porque o plebiscito nacional de 25 de Outubro de 2020 apoiou uma nova lei fundamental com uma percentagem muito forte de 78% a favor de enterrar a constituição de Pinochet.

"Mas a natureza dessas reformas será deixada ao veto da ala direita, que tem sido o problema para reformar a Constituição de 1980", avisou.

Muitos estão a ler a proposta constitucional num processo de aprendizagem política sem precedentes. Mas trata-se de um texto complexo e é por isso que as redes sociais são uma fonte de informação relevante que, segundo os especialistas, ultrapassam o impacto dos meios de comunicação tradicionais, e onde se concentram as maiores falsidades sobre a proposta.

Heiss acredita que "o impacto das notícias falsas tem sido bastante grande". É uma campanha suja com muitos recursos que sem dúvida permeia a população e sobretudo os menos instruídos e mais suscetíveis de serem enganados".

O académico salienta que "há estudos que mostram como os cidadãos chilenos são hoje suscetíveis a notícias falsas". Muitos informam-se nas redes sociais, sem um filtro editorial. Facebook, Twitter, Instagram, Tic toc e Whatsapp tornaram-se ferramentas de informação política".

"Não há dúvida de que o campo da rejeição investiu muito dinheiro numa campanha de desinformação que terá efeito", acrescentou.

O horário de tempos de antena televisivos desde 4 de Agosto, com 30 minutos por dia para a rejeição e a aprovação, divididos em metades, tem o problema de a televisão em sinal aberto hoje em dia ter uma audiência menor e menos impacto na sociedade chilena.

Várias sondagens continuam a mostrar a rejeição como vencedora, com uma diferença de até 10 pontos, mas o mês de campanha ainda por vir torna imprevisível o resultado de uma votação pelo conteúdo e não pelos candidatos.

O escritor de 72 anos Raúl Zurita, vencedor do Prémio Rainha Sofia 2020 de poesia ibero-americana, acredita que a aprovação ganhará e espera "que o dia 5 de Setembro seja uma grande celebração e uma grande alegria porque a ditadura termina finalmente com uma nova Constituição". "Abre-se outro Chile mais saudável, outro futuro para os jovens", disse à IPS.

"Já estamos a carregar os nossos mortos, os nossos desaparecidos, os nossos fuzilados". É por causa deles e graças a eles que também estamos aqui. Mas serão os jovens a levar isto a cabo", sublinhou.


Artigo de Orlando Milesi, publicado a 3 de agosto na IPS News. Traduzido por Luís Branco para o Esquerda.net.

Termos relacionados Internacional
(...)