Está aqui

CGTP vai lutar na justiça pela trabalhadora corticeira vítima de assédio moral

Arménio Carlos anunciou a abertura da “segunda fase do confronto” com a empresa Fernando Couto Cortiças, após a empresa corticeira multada por assédio ter alegado "difamação" para voltar a despedir Cristina Tavares.
Cristina Tavares, trabalhadora corticeira vítima de perseguição patronal. Foto CGTP-IN

“Abriu-se uma segunda fase do confronto com esta corticeira e tudo faremos para que situações desta natureza sejam combatidas e penalizadas pela Justiça", afirmou Arménio Carlos em conferência de imprensa este sábado, citado pela agência Lusa.

O segundo despedimento de Cristina Tavares, que viu a ACT condenar a empresa Fernando Couto Cortiças a pagar 31 mil euros de multa por assédio moral, foi justificado pela empresa por uma suposta “difamação” da operária corticeira, que se limitou a descrever as situações de assédio confirmadas pela inspeção de trabalho.

Para o líder da CGTP, o segundo despedimento ”está eivado de um conjunto de ilegalidades, falsidades e mentiras”, uma vez que "não foi a Cristina que difamou a empresa - foi a ACT que confirmou na fábrica a que a trabalhadora estava a ser assediada, sujeita a trabalho improdutivo e humilhada" desde que o tribunal impôs a sua reintegração, negando à empresa o seu despedimento.

Na próxima segunda-feira, o Sindicato dos Operários Corticeiros do Norte tem uma audiência agendada com Departamento de Investigação e Ação Penal de Santa Maria da Feira a propósito do assédio moral sobre Cristina Tavares. E para sábado está marcada uma caminhada de solidariedade com Cristina Tavares e outros trabalhadores vítimas de assédio e despedimento ilícito.

O sindicato prepara ainda a impugnação do despedimento de Cristina Tavares "para, no momento oportuno, avançar com um processo contra a empresa por danos morais e reclamar uma indemnização face ao que a trabalhadora está a sofrer".

“Enquanto a Cristina não for reintegrada, a estrutura sindical não vai deixar de lutar”, prometeu Arménio Carlos, lançando um apelo "quer ao Ministério Público, quer aos tribunais: que deem a este processo a justiça e a celeridade que merece".

Termos relacionados Sociedade
(...)