Está aqui

CGD sobe custo de contas mais baratas e dá desconto a rendimentos mais altos

A partir de janeiro de 2020 a CGD aumentará em quase 5€ a anuidade das contas Caixa S. Também as transferências MB Way passarão a ser cobradas. Bloco considera esta situação “inaceitável”.
CGD sobre custo de contas mais baratas e dá desconto a rendimentos mais altos
Foto de Paulete Matos.

A Caixa Geral de Depósitos informou hoje os seus clientes de que irá atualizar o preçário de comissões e passará a taxar as transferências MB Way a partir de 25 de janeiro de 2020.

As transferências feitas no popular serviço MB Way passarão a ser taxadas em 85 cêntimos. A este valor acresce 4% de imposto de selo, ficando assim o custo total em 88,4 cêntimos.

Em declarações à Lusa, fonte oficial da Caixa Geral de Depósitos esclareceu que há “2,5 milhões de clientes que vão continuar isentos”. As isenções aplicam-se aos clientes com Conta Caixa, aos jovens com idades até 26 anos e aos utilizadores do serviço MB Way através das aplicações do banco (Caixadirecta, DABOX e Caixa Easy).

Entre as atualizações consta também um bónus de 30% para “clientes especiais”: tratam-se de clientes com domiciliação de ordenado superior a 2 250 euros mensais ou que possuam um património financeiro superior a 50 mil euros. Estes clientes passarão a pagar cinco euros mensais (60 euros por ano) ao invés dos sete euros (84 anuais) que pagam atualmente.

O serviço MB Way foi desenvolvido pela SIBS, a mesma empresa que gere a rede multibanco. Trata-se de uma aplicação para telemóveis através da qual é possível efetuar compras, pagamentos e transferências de dinheiro. Conta atualmente com mais de um milhão de utilizadores.

Gratuito desde que foi criado, este ano alguns bancos começaram a cobrar pelas transferências, nomeadamente o BPI, BCP e Santander Totta.

A Caixa Geral de Depósitos irá também deixar de ser uma das cinco instituições financeiras que disponibilizam gratuitamente a conta dos serviços mínimos bancários. Os clientes vão passar a pagar uma comissão de 4,80 euros, a que acresce 4% de imposto de selo.

Entre os outros serviços que irão sofrer um aumento dos valores cobrados aos depositantes está a Conta Caixa “S” com bonificação, cuja anuidade passará a ser de 38,40€ (um aumento de quase cinco euros), as carteiras de cheques passarão a custar 20€ e o levantamento de dinheiro ao balcão que passará a custar 3 euros (atualmente custa 2,75).

Mariana Mortágua, deputada do Bloco de Esquerda, afirma que estas práticas são “inaceitáveis”.

“Os bancos estão a cobrar comissões de forma abusiva para aumentarem os seus lucros”, disse a deputada em declarações ao esquerda.net.

“Avançou-se no parlamento com a conta de serviços mínimos bancários, mas não é suficiente. O Bloco de Esquerda voltará a este tema com projetos para limitar a cobrança de comissões”.

Em declarações à Lusa, também a Deco – Associação Portuguesa para a Defesa do Consumidor considera estes aumentos nas comissões incompreensíveis e avisa que vai denunciar a situação junto do Banco de Portugal. Segundo a associação, receberam até ao momento 24 mil reclamações contra as as comissões sobre transferências na aplicação móvel MB Way.

Termos relacionados Sociedade
(...)