Está aqui

Centros de emprego estão a receber quatro mil inscrições por dia em abril

Os números do Ministério do Trabalho mostram que o desemprego já está a aumentar em Portugal. Juntamente com os possíveis impactos da interrupção da atividade económica no PIB, são fatores que acentuam a crise no país.
Foto Paulete Matos.

De acordo com o Jornal de Negócios, os dados do Ministério do Trabalho indicam que, desde o início de abril, se têm inscrito, em média, 4.098 desempregados todos os dias nos centros de emprego. Este ritmo é o dobro do registado no mesmo mês do ano passado, prova de que o mercado de trabalho está a sofrer um forte impacto resultante do combate à pandemia.

Neste momento, existem 339 mil desempregados, mais 18 mil do que no final de março. Houve 12.114 novos pedidos de subsídio de desemprego até 6 de abril, o que representa um aumento de 65% face ao mesmo período de 2019. Quanto a despedimentos coletivos, até 6 de abril registaram-se 35, abrangendo 345 trabalhadores. Em março, o número de despedimentos coletivos (59) já triplicara face ao ano anterior.

 

É preciso notar que estes dados não incluem as pessoas que não têm procurado trabalho, devido às medidas de distanciamento social ou ao facto de não terem direito a subsídio de desemprego, o que pode indicar uma subestimação significativa dos números do desemprego. Além disso, há cerca de 40 mil empresas que recorreram ao regime do lay-off, num total de 642 mil trabalhadores. Todos os trabalhadores afetados verão os seus rendimentos diminuir, o que agravará a tendência recessiva na economia portuguesa.

Entretanto, a matriz input-output publicada pelo INE mostra que os impactos do vírus na economia portuguesa podem ser significativos: uma quebra anual de 25% no turismo, por exemplo, levaria a uma contração de 2,9% do PIB. Nos serviços imobiliários, uma queda de 25% implicaria uma redução de 1,9% do PIB. Dadas as perspetivas de interrupção da atividade económica por um período longo, é certo que Portugal sofrerá um impacto profundo no crescimento e nas contas públicas.

Termos relacionados #CriseGlobal, Internacional
(...)