Está aqui

Catarina Martins diz que há demasiadas insolvências mal explicadas que têm de acabar

Catarina Martins esteve hoje em Famalicão com as trabalhadoras da Ricon. Bloco de Esquerda irá apresentar um projeto de resolução sobre necessidade de acionar planos de recuperação combinados entre Ministério do Trabalho e da Economia para a Ricon e Triumph.

A Ricon, com sede em Vila Nova de Famalicão, distrito de Braga, avançou recentemente com o despedimento de cerca de 800 trabalhadores da empresa. O grupo do têxtil, composto por oito empresas e proprietário das lojas Gant em Portugal, apresentou insolvência no final de 2017. Porém, de acordo com Catarina Martins, em declarações feitas numa deslocação à empresa, este é um “processo de insolvência muito mal explicado porque não houve sequer tentativa de fazer um programa de recuperação da empresa com os instrumentos legais que existem”. O grupo Ricon continua a apresentar lucros e encomendas.

“Tudo indica que houve um administrador que decidiu descapitalizar a empresa para investir em negócios ruinosos. Desistiu de fábricas com 800 trabalhadoras para investir em Porsches, aviões e outros negócios que não deram lucro. Há, no mínimo, razões para investigar”, afirmou a coordenadora do Bloco de Esquerda.

Ricon: “É fundamental para a economia do país que se mantenha a laboração da empresa”
Ricon: “É fundamental para a economia do país que se mantenha a laboração da empresa”

“Nós não sabemos se a insolvência é fraudulenta ou não, mas que parece, parece. E portanto não se compreenderia se não fosse investigada. Eu diria mais: há em Portugal um registo permanente de insolvências mal explicadas que tem de acabar. Precisa, seguramente, que a justiça faça o seu papel. Acho que o país compreende que questões como estas devem ser investigadas”, afirmou ainda.

O grupo continua a apresentar lucros e mantêm-se as encomendas de vários grupos internacionais. Catarina Martins defende uma “ação combinada” entre o Ministério da Trabalho e da Economia para “conseguir duas coisas muito importantes”: assegurar os direitos das trabalhadoras e manter a capacidade produtiva no país. “Era bom aproveitar a capacidade produtiva destes trabalhadores, não desperdiçar o seu conhecimento e a sua especialização”, mantendo a empresa em laboração.

O Bloco de Esquerda apresentará esta semana na Assembleia da República um projeto de resolução sobre a necessidade de o governo criar uma solução combinada entre Ministério do Trabalho e Ministério da Economia, tanto para a Ricon como para a Triumph, que assegure os direitos e o investimento necessário para manter a capacidade industrial do país.

Artigos relacionados: 

Termos relacionados Política
(...)