Está aqui

Campanha de denúncia de fake news avança no Brasil

Uma semana após o seu lançamento, a campanha organizada pelo perfil do Twitter “Sleeping Giants Brasil” para cortar o financiamento a sites que difundem notícias falsas, já obteve a cooperação de dezenas de empresas.

Menos de uma semana após ter sido lançada, no Brasil, uma campanha organizada pelo perfil do Twitter “Sleeping Giants Brasil”, esta já tinha recebido o apoio de mais de 279 mil seguidores e obtido a cooperação de mais de 35 empresas. O anúncio foi feito pela conta oficial da Sleeping Giants, um perfil de denúncia de sites que difundem notícias falsas criado nos Estados Unidos em 2016, e que atingiu o mesmo número de seguidores em 4 anos.

“Após quase quatro anos de longos dias, trabalho duro, noites sem dormir, ataques constantes de trolls, vitórias duras de ganhar, perdas importantes e stress infindável e… a Sleeping Giants Brasil ultrapassa-nos, em número de seguidores, em menos de uma semana. Parabéns, Sleeping Giants Brasil!”

Esta iniciativa foi lançada em 2016, através de uma conta no twitter, com uma missão, explica o El País Brasil: “informar e alertar as empresas de que a publicidade dos seus produtos aparecia em sites de extrema direita. O administrador anexava capturas de tela, que depois compartilhava nas redes das marcas afetadas. Em poucos meses, 4.500 anunciantes removeram a sua publicidade do Breitbart News”.

Além deste conhecido site de extrema direita e fake news, dirigido por Steve Bannon, várias organizações perderam a sua capacidade de financiamento após as empresas terem retirado a sua publicidade destas páginas.

O movimento chegou ao Brasil a 17 de maio, data da publicação de uma notícia no El País Brasil sobre o fenómeno americano e que inspirou um estudante que desenvolve pesquisas sobre fake news. Aplicando a mesma estratégia da sua congénere americana, o estudante abriu uma conta em português para “alertar empresas de que seus anúncios aparecem em conteúdos pouco confiáveis, associados a notícias falsas e desinformação, e alimentam o financiamento de páginas extremistas”, diz o jornal.

O administrador do perfil Sleeping Giants Brasil diz ao jornal brasileiro que pensou em várias formas de combater notícias falsas, “mas nunca tinha encontrado uma eficiente”, até que descobriu esta maneira de cortar o financiamento aos sites. O perfil brasileiro, que em dois dias ganhou mais de 20.000 seguidores, define-se como “Uma luta coletiva de cidadãos contra o financiamento do discurso de ódio e das fake news”.

Após o lançamento da iniciativa no Brasil, várias grandes empresas como a Telecine, a Dell, o Banco do Brasil, ou a Seara Brasil já manifestaram publicamente a sua intenção de retirar a sua publicidade de sites associados à difusão de notícias falsas.  

Termos relacionados Sociedade
(...)