Está aqui

Caixa Geral de Depósitos vai encerrar mais 23 balcões

O Sindicato dos Trabalhadores das Empresas do Grupo CGD (STEC) revelou que a administração da Caixa Geral de Depósitos decidiu encerrar mais 23 balcões durante este mês de agosto. Nos últimos dez anos, o banco público já encerrou 300 balcões.
A CGD vai encerrar mais 23 balcões, durante o mês de agosto de 2022 - Foto Paulete Matos
A CGD vai encerrar mais 23 balcões, durante o mês de agosto de 2022 - Foto Paulete Matos

O STEC divulgou um comunicado onde denuncia que a administração da CGD “decidiu cortar ainda mais nos custos e encerrar mais 23 balcões, no decorrer do corrente mês de agosto”. O fecho de balcões terá maior incidência nas regiões de Lisboa e do Porto.

O sindicato destaca que a administração de Paulo Macedo toma esta medida após o “vultuoso lucro” de 486 milhões de euros, no primeiro semestre de 2022, que representa uma subida de 65% em comparação com os 294 milhões de lucros registados no período homólogo de 2021.

O STEC sublinha ainda que, nos últimos dez anos, a CGD encerrou 300 balcões e que houve um significativo decréscimo do seu pessoal já que saíram do banco 3.300 trabalhadores.

O comunicado assinala que se desconhecem outros motivos para o encerramento de balcões que não seja a intenção de reduzir despesas, o que gerará uma “desvalorização da capacidade” da CGD e provocará um “inevitável congestionamento” dos restantes balcões.

O STEC lembra que a CGD é o “único banco público” existente em Portugal, frisa que há “abandono de vastas zonas do país” pelo banco público e defende que “o Governo não se pode demitir da sua responsabilidade”, nomeadamente em relação à coesão territorial.

“É fundamental que o Estado defina as orientações estratégicas que o banco deve assumir, nomeadamente as suas responsabilidades quanto ao interesse público e às necessidades das populações, assegurando-lhes um serviço de proximidade e de qualidade”, realça o comunicado.

Termos relacionados Sociedade
(...)