Está aqui

Brasil: uma morte por minuto de Covid-19

País atingiu o recorde de 1.473 óbitos em 24 horas e já ocupa o terceiro lugar em número total de mortes provocados pela pandemia. Política de Bolsonaro, contrária ao confinamento, torna previsível o agravamento desta contabilidade macabra. Por Luis Leiria.
Vala comum no cemitério do Tarumã, em Manaus. Fotos Públicas.
Vala comum no cemitério do Tarumã, em Manaus. Fotos Públicas.

A edição online do jornal Folha de S. Paulo apareceu esta sexta-feira com fundo preto, em sinal de luto pelas mortes provocadas pela pandemia de Covid-19 no Brasil. Na quinta-feira, dia 4 de junho, o país atingiu a cifra recorde de 1.473 óbitos nas 24 horas anteriores, elevando o total de mortes provocadas pelo novo coronavírus a 34.021. “Bastaram cem dias, completados nesta quinta-feira, para que a doença já descrita como ‘gripezinha’ passasse a matar um brasileiro por minuto”, assinalou o jornal.

Esta nova cifra já supera a da Itália, colocando o Brasil no 3º lugar em número de óbitos provocados pela pandemia, atrás apenas dos Estados Unidos e do Reino Unido. Assinale-se, porém, que o Brasil se destaca pelo baixo número de testes realizados e pela flagrante subnotificação, sendo admissível que os números oficiais apenas representem metade dos óbitos realmente provocados pela pandemia. Por outro lado, é consenso entre especialistas e admitido pelo próprio Ministério da Saúde que o pico da doença ainda não foi atingido, sendo de esperar que a contabilidade macabra continue a crescer nas próximas semanas.

Bolsonaro encolhe os ombros

O surto descontrolado da pandemia tem causas muito claras: a política das autoridades do país. O governo federal não tem qualquer plano para enfrentar a doença. O presidente Jair Bolsonaro limita-se a encolher os ombros e a garantir que nada se pode fazer para evitar que 70% da população seja infetada. A sua obsessão atual é dinamitar qualquer medida de distanciamento social e confinamento, argumentando que a paralisação da economia causará mais mortes que a doença que ele já apelidou de “gripezinha”, ou “resfriadinho”. Bolsonaro demitiu o seu ministro da Saúde Luiz Henrique Mandetta em 16 de abril, e o sucessor, Nelson Teich, não chegou a ficar no cargo um mês. Desde então, o posto ficou vago, tendo assumido interinamente um general especialista em logística, Eduardo Pazuello.

Por outro lado, os governadores dos principais estados, que decretaram um confinamento tímido e insuficiente para achatar a curva de progressão da doença, preparam-se para promover o desconfinamento, pressionados pela crise económica que já vinha de antes e que agora se agravou. Com este cenário, o rumo da pandemia é cada vez mais imprevisível. A crise política agrava-se e a única preocupação de Bolsonaro é a de impedir o seu afastamento (impeachment), comprando com verbas federais os votos suficientes para que este, se chegar ao plenário da Câmara dos Deputados, não seja aprovado. A outra preocupação é com as investigações do Supremo Tribunal Federal que podem, em teoria, abrir o caminho do seu afastamento. A arma favorita de Bolsonaro é a ameaça de um autogolpe, desferido pelos militares para impor uma intervenção no STF. Esta possibilidade tem sido insinuada também por militares do governo, como o vice-presidente general Hamilton Mourão ou o chefe do Gabinete de Segurança Interna, general Augusto Heleno.

A intervenção militar é pedida abertamente pelos fanáticos partidários do presidente, que vêm se manifestando todos os domingos, aproveitando o facto de a esquerda, alegando o respeito às normas sanitárias da Organização Mundial de Saúde, ter evitado aglomerações e por isso ter estado ausente das ruas. Essa situação, porém, começou a mudar com a irrupção na cena política das torcidas (claques) antifascistas de algumas das principais equipas de futebol. Há uma grande expectativa em torno das manifestações antifascistas convocadas por estas torcidas para S. Paulo, Rio de Janeiro, Belo Horizonte ou Porto Alegre, entre outras, para o próximo domingo, 7 de junho.

Sobre o/a autor(a)

Jornalista do Esquerda.net
Termos relacionados Governo Bolsonaro, Internacional
(...)