Está aqui

Bloco propõe que teatros e cineteatros funcionem em rede

Esta quinta-feira, o Bloco entregou no parlamento um projeto de lei que prevê que o Ministério da Cultura assegure o funcionamento em rede do conjunto de teatros e cineteatros municipais.
Fotografia de Paulete Matos
Fotografia de Paulete Matos

O objetivo é criar uma “rede de teatros e cineteatros portugueses” que contribua para que os equipamentos culturais que foram construídos no país nos anos 90 e no início da década seguinte tenham uma programação cultural. Muitos destes equipamentos, principalmente fora dos grandes centros urbanos, encontram-se reduzidos a serviços mínimos.

O objetivo é que as autarquias invistam nos seus teatros e cineteatros, mas que o Ministério da Cultura assegure “apoios financeiros necessários para implementar os mecanismos” necessários ao funcionamento em rede desses espaços. Dessa forma, financiamento do Estado aos equipamentos culturais obecederia a “uma estratégia concertada a nível nacional, que permitia racionalização de recursos, garantindo simultaneamente financiamento de impacto local e disseminação e circulação da produção artística”.

De acordo com esta proposta, será responsabilidade do Ministério da Cultura e das autarquias proprietárias dos teatros o estabelecimento de um diálogo capaz de permitir ao projeto arrancar com “um número ambicioso de equipamentos, distribuídos de forma equilibrada por todo o território” e que “respondam às necessidades das populações”, afirmando-se “como equipamentos estruturantes das políticas públicas para a concretização do direito à cultura e à fruição cultural das populações”.

O documento do Bloco recomenda que o governo e as autarquias colaborem “na criação de novos equipamentos onde existam lacunas evidentes”, afirmando ainda que esta rede não “substitui nem se confunde com as responsabilidades do Estado no apoio directo à criação artística”.

Termos relacionados Política
(...)