Está aqui

Bloco propõe o fim das portagens nas ex-SCUT do interior

O Bloco de Esquerda quer acabar com as portagens na A23, na A24 e na A25. Catarina Martins lembrou que “estas autoestradas foram feitas para ligar o interior e ser um esforço de coesão territorial” e considerou que “este é o momento ideal também para rever as PPP rodoviárias”.
Contra as portagens nas A25, A23 e A24 – Foto de André Ferreira, Lusa (arquivo)
Contra as portagens nas A25, A23 e A24 – Foto de André Ferreira, Lusa (arquivo)

O grupo parlamentar do Bloco de Esquerda apresentou nesta segunda-feira, 18 de novembro, na Assembleia da República projetos de resolução que recomendam a eliminação das portagens nas três autoestradas: A23, A24 e A25.

Nos projetos, o Bloco destaca a promoção da coesão territorial nos distritos de Santarém, Portalegre, Castelo Branco e Guarda (A23); nos distritos de Viseu e Vila Real (A24); nos distritos de Aveiro, Viseu e Guarda (A25).

Em 31 de outubro passado, o partido também já tinha apresentado a proposta de fim das portagens na A22 – Via do Infante.

Ligar o interior e ser um esforço de coesão territorial”

Em declarações feitas no Porto, à margem de uma reunião com professores, a coordenadora do Bloco de Esquerda declarou, segundo a Lusa: “Estas autoestradas foram feitas para ligar o interior e ser um esforço de coesão territorial e, era por isso, que não tinham portagens. Passaram a ter portagens e passaram a fazer o contrário daquilo que faziam, que era apoiar quem vive no interior, quem tem menos acessos a transportes públicos coletivos, infelizmente”.

“Sendo o Bloco de Esquerda um grande defensor de transportes coletivos, não somos indiferentes à enorme injustiça de quem vive no interior estar a pagar portagens quando não tem outras alternativas de transporte”, acrescentou a deputada, esclarecendo que o que o partido propõe é “que se acabem com as portagens, voltar ao modelo que existia sem custos para o utilizador, protegendo assim as populações do interior fazendo um trabalho de coesão territorial”.

Momento ideal para rever as PPP rodoviárias”

Catarina Martins afirmou também:

“Ao mesmo tempo, achamos que este é o momento ideal também para rever as PPP rodoviárias que são absolutamente lesivas para os cofres públicos. A introdução de portagens não melhorou nada, apenas agravou a situação com as PPP rodoviárias”.

Nos projetos, o Bloco sublinha que estas autoestradas, mesmo com cobrança de portagens, continuarão a “apresentar um saldo bastante negativo”, pois “os encargos com as Parcerias Público-Privadas rodoviárias representam 70% do total dos encargos com todas as PPP’s - rodoviárias, ferroviárias, saúde e segurança” e, só nestas quatro áreas, as PPP's representarão “encargos líquidos de 1.682 milhões de euros (0,8% do PIB)” em 2019.

Termos relacionados Política
(...)