Está aqui

Bancos recebem dez milhões por dia em comissões

Em 2019, os clientes pagaram 3,7 mil milhões de euros em comissões e serviços. Foram mais 65 milhões do que no ano anterior, revela o Banco de Portugal.
Caixa Multibanco. Foto de Paulete Matos.
Caixa Multibanco. Foto de Paulete Matos.

A atualização das séries longas do Banco de Portugal, divulgada na passada sexta-feira pelo Jornal de Notícias, revela os milhares de milhões que os bancos portugueses faturam permanentemente.

Em 2019, foram pagos dez milhões de euros por dia em comissões e serviços. Ao todo foram 3,7 mil milhões. Mais 65 milhões do que 2018 e o valor mais alto desde 2015. Se só tomarmos só o valor das comissões líquidas foram 2,9 mil milhões. Mais 50 mil milhões do que no ano anterior.

As comissões líquidas representam mesmo, de acordo com a mesma fonte, 31% do produto bancário, ou seja do resultado operacional líquido. Entre 2018 e 2019, os seus lucros aumentaram em 63%, alcançando os 1,7 mil milhões. O aumento percentual foi de 15%.

A Associação Portuguesa de Bancos justifica os valores, dizendo que “o nível de comissionamento por serviços fornecidos, como em qualquer outro setor de atividade, reflete o valor que lhe é atribuído, incluindo os custos direta e indiretamente associados, designadamente custos com pessoal, informáticos e de regulação e supervisão. Importa ainda salientar que o peso relativo das comissões líquidas no produto bancário tem-se mantido relativamente estável ao longo da última década (em torno dos 30%) e não difere do que se observa na Área do Euro".

Para além disso, dizem que o próximo ano será difícil, com quedas de 76,8% no primeiro semestre do ano, e queixam-se dos impostos, o Adicional à Contribuição do Setor Bancário e a Contribuição sobre o Setor Bancário, pretendendo que “a saúde financeira da Banca seja preservada”, face ao “momento extremamente desafiante que vivemos” depois de “uma década de prejuízos e com os lucros atuais ainda significativamente abaixo do custo do capital e muito pressionados”.

O Jornal de Notícias junta outros dados importantes para se conhecer o setor: numa década, entre 2009 e 2019, os bancos cortaram 13 mil postos de trabalho, encerrando mais de 2.000 balcões. O ano passado registava o menor número de trabalhadores bancários desde o início da série em 1990. Já as 4.013 agências em funcionamento em 2019 são o valor mais baixo desde 1994.

Termos relacionados Sociedade
(...)