Está aqui

Autárquicas: Bloco recusa coligações com a direita

Catarina Martins afirmou que o Bloco assume e lamenta os maus resultados obtidos nestas eleições, assinalando, ainda assim, resultados positivos em alguns concelhos do país, como é o caso do Porto, Oeiras e Almada. Mesa Nacional do Bloco reúne no próximo sábado.
Foto de Manuel de Almeida, agência Lusa.

“O Bloco de Esquerda nestas eleições autárquicas teve um mau resultado. Não aumentámos o número de votos e nem de eleitos”, começou por afirmar Catarina Martins.

Ao manter quatro em cada cinco votos, o Bloco perdeu vereadores “em cenários de polarização em disputas autárquicas”, frisou.

A coordenadora bloquista apontou que “houve também uma má noticia nesta noite eleitoral, que foi o facto de a direita ter ganho a Câmara de Lisboa”: “O Bloco conseguiu eleger Beatriz Gomes Dias e manteve um lugar na vereação, mas o PS perdeu milhares de votos para a direita”.

De acordo com Catarina, “a esta perda não serão indiferentes os problemas próprios do PS em Lisboa nos últimos meses”. Contudo, “é também de considerar que a instrumentalização dos fundos e políticas públicas” na campanha autárquica “tenha tido resultados opostos aos que o Partido Socialista nacional esperava”.

Assumindo e lamentando os maus resultados obtidos, o Bloco teve, ainda assim, resultados positivos a assinalar.

“Saudamos a eleição da Joana Mortágua em Almada, uma eleição muito difícil, num cenário de polarização”, frisou a dirigente do Bloco.

“O PS em Almada terá agora de escolher se quer governar à direita ou à esquerda. O Bloco de Esquerda terá a disponibilidade que sempre disse que teria, mas também a mesma determinação, e a eleição da Joana Mortágua é a possibilidade de um fio à esquerda para a Câmara de Almada”, acrescentou Catarina.

A coordenadora bloquista saudou ainda a eleição de Carla Castelo, independente, do movimento “Evoluir Oeiras”, uma coligação que o Bloco de Esquerda integrou: “Vamos ter em Oeiras uma vereadora pelo ambiente e pela transparência que é bem necessária para fazer oposição a Isaltino Morais”.

Finalmente, Catarina saudou a eleição de Sérgio Aires no Porto: “É a primeira vez que o Bloco elege no Porto, e a eleição de Sérgio Aires determinou a perda de maioria absoluta de Rui Moreira. Rui Moreira vai finalmente ter oposição na Câmara Municipal do Porto, que já estava a faltar há muito tempo”.

No próximo sábado, o Bloco de Esquerda vai reunir a sua Mesa Nacional e analisar estes resultados.

Desde já, Catarina deixou a garantia de que os cerca de 270 eleitos e eleitas do Bloco de Esquerda em todo o país, nas Câmaras Municipais, nas Assembleias Municipais, nas Assembleias de Freguesia, “vão manter da campanha as prioridades que determinámos: habitação, transportes, ambiente e igualdade”.

Ficou também a garantia de que “o Bloco de Esquerda não faz coligações à direita”.

Termos relacionados Autárquicas 2021, Política
(...)