Está aqui

Almada: "Expansão do metro é uma exigência que nunca esquecemos"

Numa iniciativa de campanha em Almada, a candidata bloquista Joana Mortágua defendeu que "não é possível anunciar novos paradigmas de mobilidade sem garantir que as pessoas tem um transporte coletivo como o metro até à Costa da Caparica”
Bloco quer metro até à Costa da Caparica. Fotografia: Andreia Quartau

A coordenadora bloquista Catarina Martins acompanhou os candidatos e candidatas do Bloco de Esquerda a Almada, numa iniciativa sobre a expansão da rede de metro. A Costa da Caparica “é a segunda cidade do concelho de Almada, recebe milhares de turistas todos os verões e durante o ano também e precisa de um acesso por via do metro de superfície” afirma Joana Mortágua, eleita vereadora do Bloco na Câmara Municipal de Almada e que se candidata novamente como cabeça de lista à autarquia. 

“Neste dia europeu sem carros viemos dizer que não é possível um combate às  alterações climáticas, não é possível anunciar novos paradigmas de mobilidade sem garantir que as pessoas tem um transporte coletivo como o metro até à Costa da Caparica” afirmou a vereadora do Bloco. 

A promessa de alargamento da linha “já vem desde a inauguração do metro” refere Joana Mortágua, considerando que “é por isso que dizemos que este metro circula com tantos anos de atraso. Desde os tempos do ministro Mário Lino que esta promessa”.

Joana Mortágua recorda que o Plano de Recuperação e Resiliência (PRR) não prevê qualquer investimento para expansão do metro até à Costa da Caparica. No entanto, “a candidata do Partido Socialista disse que tinha garantias do Primeiro-Ministro de que a expansão até à Costa da Caparica era para avançar. Nós fizemos um desafio: queremos saber que garantias são essas. Até hoje essas garantias não apareceram”. 

“Para o Bloco de Esquerda a expansão do metro é mais do que uma promessa em tempos de eleições: é uma exigência que nunca esquecemos. Queremos saber que garantias são essas. Queremos saber se o Governo dá ou não dá garantias à presidente da Câmara de Almada sobre este investimento. Investimentos como este não podem ser decididos na sede do Rato, entre camaradas. Ou há uma garantia pública do Governo do PS à Câmara do PS sobre este investimento ou então tudo não passou de uma manobra eleitoral. O que nós queremos é saber quando é onde é que está previsto o investimento. Daqui até à concretização da expansão do metro até à Costa da Caparica não deixaremos de exigir todos os dias que essa promessa seja cumprida”, conclui Joana Mortágua.

Também presente nesta iniciativa de campanha, Catarina Martins afirmou que “o Bloco precisa de ter mais força”  para que seja possível “consolidar uma solução de governo de Almada que resolva pela primeira vez o que não foi resolvido até agora”. 

A coordenadora do Bloco destacou como áreas de intervenção prioritárias a habitação, os transportes e qualidade de vida. Almada é “uma cidade que tem tudo para se viver bem mas que tem estado entregue à especulação imobiliária, às parcerias público privadas dos transportes e portanto tem tornado a vida tão difícil a quem aqui mora”. 

Nas eleições autárquicas de 2017, o Bloco de Esquerda elegeu Joana Mortágua para a vereação na Câmara Municipal. Nestas eleições, Joana Mortágua encabeça novamente a lista à Câmara Municipal enquanto José António Rocha lidera a lista à Assembleia Municipal. 

Termos relacionados Autárquicas 2021, Política
(...)