Está aqui

Alex Tsipras: "A Grécia hoje pode ser Portugal amanhã"

Alex Tsipras, líder da coligação radical da esquerda grega Syriza, alertou que a "Grécia hoje pode ser Portugal amanhã", caso o país continue a seguir as medidas de austeridade impostas pela troika. Tsipras adiantou ainda que o seu país “neste momento enfrenta uma crise humanitária”.
Foto retirada da página de Alex Tsipras.

"A Grécia está um ano, um ano e meio à frente de Portugal na recessão. Os países têm a mesma experiência, os mesmos inimigos e o mesmo tratamento da 'troika'", frisou Alex Tsipras esta terça-feria em declarações à agência Lusa em São Paulo, no Brasil.

Para o líder da Syriza, 2013 será "o pior ano da recessão" na Grécia, com consequências humanitárias dramáticas, dado a alarmante taxa de desemprego e o aumento exponencial do número de suicídios.

"Não temos que lutar somente contra os inimigos políticos, mas também contra o desastre social. Temos de criar ações solidárias neste momento", defendeu Tsipras.

A Grécia “neste momento enfrenta uma crise humanitária”

Durante uma reunião com o ex presidente brasileiro Lula da Silva, o representante da Syriza afirmou que a Grécia foi eleita “como cobaia da crise europeia” e salientou que “ povo [grego] está a ser barbaramente atingido por esta crise”.

“O rendimento médio sofreu uma redução de aproximadamente 40%, o PIB caiu 25 pontos nos últimos quatro anos e a taxa oficial de desemprego já é de 26%. Entre os jovens, passa de 50%”, lembrou Alex Tsipras.

“Não seria exagero dizer que a Grécia, um país no coração da Europa, em desenvolvimento, com rendimento per capita de país desenvolvido, neste momento enfrenta uma crise humanitária”, lamentou.

As políticas de austeridade condenam-nos a uma recessão perpétua

“Nos últimos três anos, recebemos 140 mil milhões de euros em empréstimos. Desse valor, só 19 mil milhões foram para a economia real. Esses empréstimos estão a condenar-nos a uma recessão perpétua, porque não temos a menor possibilidade de pagar essa dívida”, alertou Alex Tsipras, defendendo que, caso as medidas de austeridade prossigam, a situação só irá piorar.

Para Tsipras, o próximo ano será "crucial" em toda a Europa, e o recuo da crise dependerá de fatores como as decisões do FMI (Fundo Monetário Internacional) e o resultado das eleições na Alemanha.

Sobre esta última questão, o dirigente da coligação radical da esquerda grega adiantou que não acredita que "haja uma possibilidade de que Merkel perca as eleições”. “Steinbrück terá posições parecidas e os eleitores vão preferir ficar com a original", declarou.

Durante a sua visita ao Brasil, Alexis Tsipras voltou a defender uma conferência europeia sobre a dívida soberana, organizada nos mesmos moldes que a Conferência de Londres de 1953 que perdoou quase 63% da dívida da Alemanha no pós-guerra.

“A Europa tem que trilhar o crescimento para superar a crise, precisamos de um plano Marshall de investimentos, uma mudança na política de impostos, que recaem fortemente sobre os trabalhadores e a classe média, e um programa de investimento na infraestrutura do país”, defendeu.

Segundo avançou ainda o líder grego, a crise não é europeia, mas "mundial", e só será vencida com o fim da austeridade e com a aposta dos governos em investimentos públicos, na criação de emprego e no desenvolvimento social.


 

Termos relacionados Internacional
(...)