Está aqui

Administração da Plural recua e aceita regressar à mesa negocial

Trabalhadores da Plural tinham anunciado nova greve após administração da produtora da TVI ter abandonado a mesa negocial.
Fotografia retirada de pluralportugal.pt/empresa/.

“Foi possível chegar a um entendimento para se reatarem negociações. Há esse compromisso da empresa, de que querem reatar negociações, e nosso também. E, portanto, demos passos nesse sentido”, afirmou o dirigente do Sindicato dos Trabalhadores do Espetáculo, do Audiovisual e dos Músicos (CENA-STE), André Albuquerque, em declarações à Lusa no final de uma reunião, em que participou, da administração do Grupo Plural Entertainment com o secretário-geral da CGTP, Arménio Carlos.

Na segunda-feira à tarde, o CENA-STE anunciou que os trabalhadores do Grupo Plural Entertainment decidiram avançar com uma nova greve, entre os dias 18 e 31 deste mês, depois de a administração daquela empresa de criação de conteúdos televisivos ter abandonado as negociações.

De acordo com Arménio Carlos ficou decidido que o sindicato irá “agendar plenários com os trabalhadores para lhes dar conta das últimas informações desta reunião e posteriormente prosseguir, com a posição dos trabalhadores, nova reunião esta semana”.

A reunião de segunda-feira à noite, serviu para “encontrar pontos que ajudassem a retomar as negociações e pela via do diálogo e da negociação chegar a uma plataforma de aproximação”, disse Arménio Carlos.

“Neste caso em concreto, isso para já está assumido pela administração da Plural, disponibilidade para retomar a proposta que tinha apresentado anteriormente e simultaneamente reiniciar as negociações”, acrescentou.

Para André Albuquerque, a reunião foi “um passo importante no reatar de negociações”.

Os trabalhadores do Grupo Plural Entertainment (GPE), que integra o Grupo Media Capital, terminaram na segunda-feira uma greve parcial que se iniciou em 3 de dezembro.

A Lusa tentou contactar a administração da empresa, mas até ao momento não foi possível.

No final do primeiro dia de greve, quando questionada sobre se esta greve poderia afetar as produções em curso, a diretora de comunicação do Grupo Media Capital, Helena Forjaz, respondeu que “afetará, mas de forma controlada e pensada”.

A Plural é responsável pelas telenovelas da TVI, estando neste momento duas em curso: “Valor da Vida” e “A Teia”.

Uma das reivindicações dos trabalhadores “é a redução do Período Normal de Trabalho (PNT), que atualmente atinge as 11 horas de trabalho, durante a maioria dos dias da semana, do mês e do ano”.

“Estes horários de trabalho são justificados pela empresa com o pagamento de um subsídio de Isenção de Horário de Trabalho [IHT], na modalidade que vulgarmente se identifica como IHT total. Ou seja, entende a empresa que a única coisa a respeitar são as 11 horas de descanso entre dois dias de trabalho - o que ainda assim nem sempre é cumprido, porque por vezes se passam as 11 horas de trabalho diário no período das gravações, e, para além disso, existem as deslocações e o trabalho de muitos trabalhadores que não termina com o fim do dia de gravações”, lê-se num comunicado divulgado pelo CENA-STE aquando da marcação da primeira greve.

Por isso, “esta greve assume a forma de greve às horas que excedam as oito horas de trabalho em cada um dos turnos e equipas”, isto “porque a estes trabalhadores não pode ser aplicado este tipo de IHT, porque as suas funções não requerem disponibilidade total para a empresa e porque o seu PNT devem ser as 8 horas diárias”.

De acordo com André Albuquerque, o Grupo Plural Entertainment integra “cerca de 130 trabalhadores nos quadros, aos quais acrescem os que são contratados por projeto e os que trabalham a recibos verdes”.

“Há dias em que chegam a ser 400 trabalhadores”, afirmou.

Esta greve abrange todos os trabalhadores, entre técnicos, atores, pessoal da pré e da pós-produção, cabeleireiros e maquilhadores.

Durante os dias de greve, os trabalhadores reuniram-se em frente aos estúdios do GPE em Bucelas, Loures. Em dois dias diferentes receberam a visita de Arménio Carlos, e da coordenadora do Bloco Catarina Martins e da deputada Mariana Mortágua, que se solidarizaram com os trabalhadores.

Recentemente, a atriz Ana Sofia Martins, que tem trabalhado em várias produções da Plural, e faz parte do elenco da novela “O Valor da Vida”, criticou as condições de trabalho da empresa, no seguimento da distinção internacional da novela da TVI “Ouro Verde” com um Emmy Internacional de Melhor Novela.

Termos relacionados Sociedade
(...)