Está aqui

Açores: Bloco apresenta queixa ao provedor do utente da Saúde

António Lima entregou a queixa em nome das 12 mil pessoas que estão à espera de uma cirurgia no Serviço Regional de Saúde. O deputado e candidato do Bloco de Esquerda às eleições de 25 de outubro apresentou propostas para atrair e fixar médicos na região.
António Lima apresentou a queixa ao provedor do utente da Saúde - Foto acores.bloco.org
António Lima apresentou a queixa ao provedor do utente da Saúde - Foto acores.bloco.org

O Bloco de Esquerda Açores alertou para o aumento das dificuldades de acesso a cuidados médicos e à falta de recursos humanos em todas as ilhas da Região.

“Um acesso de saúde que está muito dificultado nos Açores e que com a pandemia tem ficado ainda mais dificultado. É óbvio que a pandemia tem uma influência e um impacto negativo, mas é verdade que muito antes disso, fruto da falta de investimento no Serviço Regional de Saúde (SRS), o acesso já estava dificultado”, declarou à Lusa António Lima, cabeça de lista do Bloco pelos círculos de São Miguel e de compensação nas eleições regionais de 25 de outubro.

O Bloco destaca que o último relatório (junho) do Sistema Integrado de Gestão de Inscritos para Cirurgia da Região Autónoma dos Açores (SIGICA) indica que há 12.809 açorianos a aguardar por uma cirurgia no SRS e que cada utente espera 532 dias por uma cirurgia.

O Bloco aponta que as dificuldades no SRS são devidas à falta de recursos humanos, nomeadamente médicos, e apresenta uma proposta para atrair e fixar profissionais de saúde na Região, através da garantia de planos de formação, aumento dos dias de férias e atribuição de incentivos financeiros.

“O objetivo é atrair médicos para os Açores e fixar os que já cá se encontram”, explica António Lima, acrescentando “dependerá sempre da vontade deles, mas esses incentivos têm que existir”. “Não podemos ficar de braços cruzados”, frisa o deputado regional, que diz também que atualmente há um “enorme recurso a horas extraordinárias”, que representam “custos muito elevados”.

A contratação de mais médicos reduzirá o número de horas extraordinárias, refere o Bloco, salientando que o facto de existirem listas de espera enormes é um sintoma da suborçamentação de que o SRS tem sido alvo durante muitos anos, e que se traduz na falta de investimento em equipamentos, mas também na falta de recursos humanos.

Na queixa apresentada, o Bloco de Esquerda apela ao provedor do utente da Saúde que intervenha junto do governo e dos hospitais da região para que se encontrem soluções imediatas para garantir uma resposta atempada aos milhares de açorianos que aguardam por uma cirurgia ou por uma consulta.

O Bloco manifesta também a sua incompreensão pela falta de dados sobre a suspensão de consultas, exames complementares e cirurgias. Não é possível uma avaliação do impacto da pandemia e muito menos o desenvolvimento de um plano de retoma eficaz e transparente sem que esses números sejam divulgados publicamente, salienta o Bloco, que exige: “a elaboração e divulgação de um plano de recuperação da atividade assistencial não realizada, que deve apontar metas calendarizadas, assim como medidas a implementar para a concretização dos objetivos propostos”.

Termos relacionados #SomosTodosSNS, Política
(...)