Está aqui

Acampamento Liberdade 2019 arranca já esta quarta-feira

Serão cinco dias para imaginar, preparar e ensaiar um mundo diferente. Racismo, alterações climáticas ou pobreza no século XXI são alguns dos temas em debate. O 16º Liberdade, organizado pela Coordenadora Nacional de Jovens do Bloco, será “um acampamento muito rejuvenescido do ponto de vista da participação”.

No Acampamento Liberdade 2019 “ficam à porta todas as opressões - não entra o machismo, não entra o racismo, não entra a LGBTfobia, não entra a exploração”.

A partir de quarta-feira, 31 de julho, à noite, mais de duas centenas de jovens reunem-se em Castelo de Bode, distrito de Santarém, para o 16.º acampamento Liberdade. Serão cinco dias de debates, ‘workshops’ e festas a decorrerem entre quinta-feira e domingo. Segunda-feira está reservada para a “limpeza coletiva” do espaço.

Em declarações à agência Lusa, Mafalda Escada, da Coordenadora Nacional de Jovens do Bloco, assinalou que “grande parte da participação são pessoas novas, são pessoas muito jovens e pessoas que até agora não tiveram o contacto com o Bloco neste tipo de iniciativas”.

“Ou seja, vai ser um acampamento muito rejuvenescido do ponto de vista da participação”, destacou.

Catarina Martins marcará presença num “momento de acolhimento a esses novos participantes”, que está marcado para domingo ao final da tarde, o último dia com debates, e intitula-se “Cinco dias de luta toda, e agora?”

“O objetivo é que o acampamento seja o mais democrático possível e, portanto, que toda a gente, sendo militante do Bloco, sendo simpatizante, tendo chegado agora, tenha a possibilidade de discutir coletivamente, com a presença da Catarina Martins, o que é que se fez no acampamento, que pontos são os mais importantes, o que é que as pessoas aprenderam, mas também o que é que as pessoas querem fazer no futuro e como é que querem participar politicamente para atingir esse objetivos que fomos aferindo ao longo do acampamento”, explicou Mafalda Escada.

O Liberdade 2019 contará com duas dezenas de debates, sendo que o programa “é variado porque espelha as lutas que fazem parte do ADN do Bloco”.

O primeiro debate, “Bloco: de onde vimos, para onde vamos”, será apresentado pelo líder parlamentar bloquista, Pedro Filipe Soares, e a segunda candidata do partido pelo círculo de Coimbra às próximas legislativas, Mariana Garrido.

Mafalda Escada sinalizou “três temas que se desdobram nalguns debates”, sendo o primeiro o racismo, com o mote “Portugal não é branco” para “combater a ideia de que o país tem uma população homogénea”. As oradoras serão Beatriz Dias, “número três” por Lisboa nas próximas eleições, e Anabela Rodrigues, candidata nas listas do Bloco nas últimas europeias.

As alterações climáticas também pautar o debate com dois painéis distintos: “Não há planeta B! Emergência climática”, no sábado, e “Apita o comboio antes que apite o planeta”, no domingo.

Contra a ideia de que “se combate a pobreza com caridade”, o acampamento debate já na sexta-feira a “Pobreza no Século XXI”. Mafalda Escada e o “número três” nas últimas eleições europeias, Sérgio Aires, falarão sobre a temática.

“Ainda do ponto de vista das desigualdades, [há] um debate sobre feminismo, ‘Feminismo para os 99%’, que tem como objetivo não nos concentrarmos numa ideia de que a igualdade de género se atinge combatendo apenas a violência na sua forma mais banal, mas que a igualdade de género se atinge também através de políticas sociais, políticas laborais, garantindo uma situação plena de igualdade”, avançou ainda a representante da Coordenadora Nacional de Jovens do Bloco.

O fundador e ex coordenador do Bloco Francisco Louçã vai falar sobre "Dividadura". Já Marisa Matias e José Gusmão responderão à pergunta se "É possível uma União Europeia socialista".

No Liberdade 2019 será ainda possível discutir e procurar soluções para assegurar os direitos dos animais com a PATAV - Plataforma Anti-Transporte de Animais Vivos e com o Santarém Sem Touradas - Pelos animais, bem como debater a situação internacional com o Rød Ungdom, da Noruega, e com a Arran Països Catalans, da Catalunha. Ninguém fica para trás e, por isso, o Coletivo Andorinha - Frente Democrática Brasileira de Lisboa debaterá com os jovens do Bloco a situação da América Latina. Haverá ainda tempo para um workshop sobre media alternativos com o Mídia Ninja, do Brasil.

Podes inscrever-te no Liberdade 2019 aqui.

Termos relacionados Política
(...)