Está aqui

100 personalidades apelam a uma “maioria plural de esquerda”

“A reedição, formal ou informal, do bloco central só pode ser evitada se as esquerdas parlamentares saírem reforçadas”, diz o apelo publicado esta terça-feira.
Foto de Ana Candeias.

Um grupo de 100 personalidades das mais diversas áreas divulgou esta terça-feira no Público um apelo a uma “maioria plural de esquerda” que proteja o SNS público e universal, reverta as leis laborais da troika, recuse uma economia de baixos salários e precariedade, promova uma política de habitação que responda à especulação, defenda a escola e universidade públicas, respeite os trabalhadores da Cultura e responda à urgência climática. Para que estas políticas sejam postas em prática, isso “só é possível se garantirmos e reforçarmos a diversidade e pluralidade do campo da esquerda”, defendem.

“Apesar de não termos militância partidária, entendemos que os progressos políticos verificados desde 2015, mesmo quando insuficientes, não teriam sido possíveis sem o empenho do BE, do PCP e do PEV, no quadro de uma maioria parlamentar de esquerda com o PS. Sem prejuízo do balanço diferenciado que fazemos das razões que levaram à interrupção da legislatura, sabemos que a concretização de uma agenda socioeconómica mais ambiciosa é uma tarefa que o PS, sozinho, não poderá cumprir”, apontam os subscritores.

Os promotores deste apelo entendem que “a devolução do voto aos cidadãos, no atual contexto, não tem de ser um drama. Pode e deve ser uma oportunidade de clarificação sobre o projeto de desenvolvimento para o país”. Por outro lado, “sabemos, porque 2015 nos ensinou, que todos os deputados que elegemos contam e que o próximo governo será formado pela conjugação da vontade das diversas forças parlamentares, independentemente de qual venha a ser o partido mais votado. E sabemos que a reedição, formal ou informal, do bloco central só pode ser evitada se as esquerdas parlamentares saírem reforçadas”, sublinham.

Na conclusão do texto do apelo, pode ler-se que só com a mesma pluralidade “que impediu o aprofundamento do retrocesso social que a troika e o Governo de direita quiseram impor” se poderá “construir o diálogo, a alternativa e a resistência”. E que com essa pluralidade “a agenda de esquerda para um desenvolvimento mais justo e sustentável de Portugal sairá reforçada”.

O apelo é subscrito por Abílio Hernandez (professor universitário); Alberto Melo (professor); Álvaro Siza Vieira (arquiteto); Américo Monteiro Oliveira (membro da CE CGTP-IN); Ana Benavente (socióloga); Ana Cordeiro Santos (investigadora); Ana Costa (professora universitária); Ana Drago (socióloga); Ana Ferreira (investigadora); Ana Luísa Amaral (poetisa); Ana Petronilho (investigadora); André Carmo (professor universitário e sindicalista); António Pinho Vargas (compositor); Artur Cristóvão (professor universitário); Bárbara Bulhosa (editora); Bernardino Aranda (livreiro); Boaventura Sousa Santos (professor universitário); Carlos Seixas (programador); Carlos Vargas (jornalista); Carmo Afonso (advogada); Constança Cunha e Sá (jornalista); Cláudio Torres (arqueólogo); Daniel Oliveira (jornalista); Diogo Martins (economista); Domingos Lopes (advogado); Elisabete Moreira (professora); Fátima Sá (professora universitária); Fernanda Rodrigues (assistente social); Fernando Nunes da Silva (professor universitário); Fernando Paulouro das Neves (jornalista e escritor); Francisco Bethencourt (professor universitário); Gabriela Moita (psicóloga); Gonçalo Leite Velho (professor ensino superior); Guadalupe Simões (enfermeira e sindicalista); Henrique Barros (médico de saúde pública); Henrique Sousa (investigador social); Isabel do Carmo (médica); Isabel Lindim (jornalista); Ivan Dias (produtor); Joana Craveiro (encenadora e dramaturga); João Fazenda (ilustrador); João Leal (professor universitário); João Leal Amado (professor universitário); João M. Almeida (quadro superior); João Rodrigues (professor universitário); José António Bandeirinha (professor universitário); José Aranda da Silva (ex-bastonário da Ordem dos Farmacêuticos); José Carlos Martins (enfermeiro e membro da CE CGTP-IN); José Feliciano Costa (professor e sindicalista); José Luís Peixoto (escritor); José Maria Silva (dirigente associativo); José Neves (professor universitário); José Reis (professor universitário); José Vítor Malheiros (consultor); Lúcia Amante (professora universitária); Luís Miguel Correia (realizador); Magda Henriques (programadora cultural e professora); Manuel Correia Fernandes (arquiteto); Manuel João Ramos (professor universitário); Manuel Lisboa (sociólogo); Manuel Morais (agente principal unidade especial de polícia e antropólogo); Manuel San-Payo (artista plástico); Manuela Barreto Nunes (bibliotecária); Manuela Mendonça (professora e sindicalista); Manuela Ribeiro Sanches (professora universitária); Manuela Silva (médica); Margarida Santos (investigadora social); Maria Augusta Sousa (enfermeira); Maria Irene Ramalho (professora universitária); Maria José Espinheira (administrativa ); Mário de Carvalho (escritor); Mário Laginha (músico); Marta Delgado Martins (advogada); Marta Lança (jornalista e tradutora); Miguel Gonçalves Mendes (realizador); Miguel Real (escritor); Nuno Serra (geógrafo); Nuno Teles (professor universitário); Patrícia Bastos (professora universitária); Paula Cabeçadas (ativista política); Paulo Pedroso (sociólogo); Pedro Abrunhosa (músico); Pedro Estêvão (sindicalista e investigador); Pedro Messias (sindicalista e bancário); Pedro Vieira (escritor); Pilar del Rio (jornalista); Ricardo Paes Mamede (professor universitário); Rogério Moreira (gestor); Rui Bebiano (professor universitário); Rui Graça Feijó (investigador); Sérgio Antunes (arquiteto); Sérgio Tréfaut (realizador); Tatiana Salem Levy (escritora); Teresa Beleza (professora universitária); Teresa Dias Coelho (artista plástica); Teresa Villaverde (cineasta); Tiago Rodrigues (encenador); Ulisses Garrido (sindicalista); Victor Louro (engenheiro silvicultor); Vitorino Salomé (músico).

Termos relacionados Legislativas 2022, Política
(...)