Está aqui

José. M. Pureza: "Como é que se pode relegar a criminalidade financeira para um lugar subalterno?"