Está aqui

Violeta Parra nasceu há 100 anos

A mais relevante e amada cantautora da cultura chilena nasceu no dia 4 de outubro de 1917. No Chile, multiplicam-se as iniciativas para comemorar o centenário do seu nascimento. Artigo de Sofia Roque.
Violeta Parra no La Scala, em Paris, 1953. Foto de www.fundacionvioletaparra.org.
Violeta Parra no La Scala, em Paris, 1953. Foto de www.fundacionvioletaparra.org.

“Violeta Parra está gravada na memória de um país que reconhece na sua obra um universo no qual convivem, com a mesma força, o lamento mapuche e o silêncio do deserto de Atacama, a raiva contra a injustiça e a gratidão da existência, a mais profunda saudade e a plenitude do amor”. É assim que a Presidente do Chile, Michelle Bachelet, inicia o anúncio de um ano de comemorações e eventos, para a “celebração nacional” do centenário do nascimento da mais relevante e amada cantautora da cultura chilena.

Seguindo a hashtag #VioletaParra100, por exemplo, ou o site oficial das comemorações, percebe-se que o Chile tem vindo a festejar o legado artístico e incontornavelmente político de Violeta Parra, a propósito deste centenário. Com concertos e múltiplas homenagens, claro, mas também com debates, documentários, teatro, dança e até a elaboração de uma grande tapeçaria por mais de 30 bordadeiras, oriundas de sete regiões do país.

Não é por acaso que o Dia Nacional da Música Chilena passou a comemorar-se no dia 4 de outubro e, este ano, pela primeira vez, as varandas do Palácio La Moneda servirão de palco para um concerto gratuito, em honra de Violeta Parra e promovido pelo Conselho Nacional de Cultura e Artes chileno.

No site da Fundação Violeta Parra, encontra-se a sua biografia detalhada, que inclui muita informação sobre o seu percurso artístico (como cantautora e também como artista plástica). O Museu Violeta Parra, inaugurado em outubro de 2015, em Santiago do Chile, tem também um site que reúne informação sobre a sua obra e percurso, bem como sobre as comemorações do centenário do seu nascimento.

Violeta compilou três mil canções populares e revitalizou o folclore chileno, que difundiu na Europa e no resto da América Latina, e fixou em livro, para que nunca mais estivesse oculto. Nos anos 1950, viveu em Paris e foi a primeira artista latino-americana a expor individualmente no Museu de Artes Decorativas do Palácio do Louvre. Este ano, assinalam-se também os 50 anos da sua morte, por suicídio (fevereiro de 1967), pouco depois de editar um disco que fez questão de intitular “As última composições de Violeta Parra”, cuja subtileza premonitória ninguém percebeu.

Esta quarta-feira, em Lisboa, A Voz do Operário recebe um concerto de homenagem, pelos El Sur, onde cantará também Vitorino, entre muitos outros. Ver evento.

Sensível, forte, luminosa e criadora

No passado mês de Setembro, Isabel e Tita Parra, respetivamente, filha e neta de Violeta, trouxeram ao CCB, em Lisboa, "Yo Soy La Feliz Violeta", um espetáculo integrado na programação de Lisboa 2017 – Capital Ibero-americana de Cultura. Para além de revisitarem o reportório de Violeta Parra, Tita e Isabel cantaram também músicas da sua autoria.

“Violeta contribuiu muito para o nascimento da canção popular chilena e latino-americana, abordando conteúdos nunca antes abordados”, contou ao Público a neta, Tita. “Foi a primeira a compor músicas com conteúdo social e revolucionárias, que falavam da guerra, da injustiça, da pobreza, da exploração, da dor da mulher, da do trabalhador”, disse ainda.

Serapilheira bordada por Violeta Parra. Foto de www.fundacionvioletaparra.org.

“Cantar Violeta faz parte da nossa vida”, disse Isabel Parra, que utilizou quatro palavras para descrever a mãe: “sensível, forte, luminosa e criadora”. Contou ainda que desde muito cedo começou a cantá-la, com o seu irmão Ángel Parra, que morreu em Março deste ano. “E com a minha filha [Tita] sucedeu o mesmo: cantava com a sua avó, acompanhava-a”.

Porém, Violeta Parra não foi apenas cantora ou compositora, lembrou ainda a filha Isabel: foi também pesquisadora, folclorista, radialista, escritora, pintora, escultora, serapilheirista. “O importante do legado de Violeta está na magnitude da sua obra, que não é somente musical; tem uma obra visual, poética; é uma artista absolutamente multifacetada”, concluiu.

“Doce vizinha da selva verde/ Anfitriã eterna do abril florido”, são os dois primeiros versos do longo poema “Defensa de Violeta Parra”, escrito e dito pelo seu irmão, Nicanor Parra, um reconhecido poeta chileno.

O som contagioso da revolta

Num artigo publicado na Revista Vírus, em 2008, intitulado "O Tempo das Cerejas - Algumas Anotações sobre Música e Revolução”, os musicólogos Manuel Deniz Silva e Pedro Rodrigues escreveram sobre Violeta Parra, exemplo do "som contagioso da revolta":

A música pode vir antes da revolução. Porque pode ser ferramenta da revolta futura. Violeta Parra, cantora, compositora, pintora, ligou a sua música à revolução de uma forma particular - com a sua voz e a sua guitarra mergulhou a canção-testemunho e a canção popular da América do Sul num caldo de revolta. Em 1973, ela já se tinha suicidado, mas as suas canções participaram (pela voz de outros) na denúncia do terror do golpe de estado e da ditadura de Pinochet no Chile. Inspirou muitos músicos e combatentes da América Latina, deu ânimo a outras vozes para se exprimirem em liberdade e se revoltarem também, gritarem a urgência de outra sociedade. A canção-revolta é contagiante. E Violeta Parra contagiou directa ou indirectamente a música de Milton Nascimento, Chico Buarque, José Mário Branco, José Afonso. E até a de um Tino Flores, quando este canta "um rio de revolta", que nunca secou ao longo da história, na sua canção Coração Vermelho. Estes contagiaram bandas como os Peste e Sida, os Censurados ou o hip hop político de Chullage. E por aí fora... Todos partilharam, nalgum momento, a urgência presente numa das últimas canções de Zeca Afonso: "a revolução é p'ra já!".

Artigo de Sofia Roque, para esquerda.net

Resto dossier

Violeta Parra

Violeta Parra

No centenário do nascimento de Violeta Parra, o Esquerda.net procura dar a conhecer a vida e a obra musical daquela que é um símbolo maior da música popular do Chile. Dossier organizado por Ana Cansado.

Entre 18 de abril e 11 de maio de 1964, esteve no Museu do Louvre uma exposição das suas pinturas, óleos, serapilheiras e esculturas em arame, tendo sido a primeira artista latino-americana a ter uma exposição individual nesse espaço

Violeta Parra, referência da música e da arte chilena

A sua irreverência, a sua liberdade, a sua defesa apaixonada dos direitos dos setores mais negligenciados tornaram-na uma referência no Chile e no Mundo. Artigo de Ana Cansado.

“Frequentemente comparo o que significou Violeta Parra na sociedade chilena com José Afonso na sociedade portuguesa”

Violeta: um grito musical de insubmissão e rebeldia universal

Violeta com a sua militância por vezes crítica e autónoma em relação ao seu partido, o Partido Comunista do Chile, foi uma lutadora incessante ao longo da sua vida contra todo o tipo de injustiças. Artigo de Roberto Santandreu

Violeta Parra em ato político da revista El Siglo, 1948 – Foto de fundacionvioletaparra.org

Gracias Violeta Parra que nos has dado tanto!

Violeta Parra artista universal também foi uma poderosa inspiradora das pessoas feministas. Artigo de Manuela Góis

Dada a extensa produção artística de Violeta Parra apresentamos apenas albúns gravados em estúdio e editados em vida da autora

Discografía de Violeta Parra

Dada a extensa produção artística de Violeta Parra apresentamos apenas albúns gravados em estúdio e editados em vida da autora: Cantos de Chile, El folklore de Chile, Violeta Parra en Argentina, Los Parra de Chile, Recordando a Chile, Las últimas composiciones.

Mercedes Sosa cantou "Gracias a la vida"

Gracias a la vida

Proibida durante a ditadura chilena “Gracias a la vida” tornou-se um hino, uma canção entoada em marchas e lutas de diversos movimentos, no mundo inteiro.

Violeta Parra no La Scala, em Paris, 1953. Foto de www.fundacionvioletaparra.org.

Violeta Parra nasceu há 100 anos

A mais relevante e amada cantautora da cultura chilena nasceu no dia 4 de outubro de 1917. No Chile, multiplicam-se as iniciativas para comemorar o centenário do seu nascimento. Artigo de Sofia Roque.

Adicionar novo comentário