Está aqui

Venezuela: Os riscos da violência e da guerra civil

As próximas semanas na Venezuela serão o tempo de todos os perigos e a situação poderá continuar ainda a agravar-se. O país não tem Orçamento do Estado conhecido, a inflação foi de 200% no primeiro semestre, faltam alimentos e medicamentos. O Presidente e o governo não reconhecem o parlamento e querem submeter todos os poderes ao executivo – a Constituinte é para ser a última peça nesse processo. Por Carlos Santos

Votações em simultâneo

Para dia 31 de julho, o presidente Nicolás Maduro convocou uma Assembleia Nacional Constituinte, sem convocar qualquer referendo para antes da sua realização, para ouvir o povo sobre se quer ou não a Constituinte, como aconteceu em 1999. Nem convocou nenhum referendo para depois da Constituinte, como ocorreu em 1999, para aprovar ou não a Constituição em definitivo. Em 1999, o presidente era Hugo Chávez e o seu projeto era progressista, transformador e de defesa da democracia. Em 2017, o presidente é Maduro, o seu projeto é manter o poder a qualquer preço. Contra a convocação da Constituinte neste momento, estão a oposição da MUD, mas também muitos outros setores, como os chavistas críticos, e boa parte da população venezuelana. Tal não é de admirar, pois todas as sondagens apontam que a maioria da população está contra o governo, variando os números entre mais de 50% e bem mais de 70%.

Desta forma, Maduro e o PSUV violam e tentam destruir a Constituição chavista de 1999, pretendendo resolver a situação de duplo poder, que se criou com a humilhante derrota que sofreram nas eleições legislativas de dezembro de 2015. Desde então, a ação do executivo centra-se na tentativa de manter o poder a qualquer preço. Primeiro, não reconheceram completamente a Assembleia Nacional eleita em dezembro de 2015 (em que a MUD elegeu mais de 2/3 dos deputados e o PSUV não chegou a um terço)1 e depois acusaram-na de estar em “desacato”. Posteriormente, alteraram a composição do Supremo Tribunal, para garantir nele uma maioria fiel ao governo e, desde abril passado, passaram ao ataque à Procuradora-Geral da República, que não se submeteu aos ditames de Maduro e do PSUV, e tentam passar a controlar totalmente o Ministério Público venezuelano, destruindo-o.

Desde abril passado, há protestos todos os dias. Em mais de cem dias já morreram quase cem pessoas
Desde abril passado, há protestos todos os dias. Em mais de cem dias já morreram quase cem pessoas

Desde abril passado, a oposição da MUD passou a convocar protestos todos os dias. Em mais de cem dias já morreram, nesses protestos, quase cem pessoas, havendo centenas de feridos e centenas de detidos. Alguns dos presos, estão a ser julgados por tribunais militares, contra a lei e a Constituição de 1999. A maioria das pessoas mortas e feridas nos protestos foram vítimas da violência da GNB (Guarda Nacional Bolivariana), havendo também vítimas da violência de grupos de manifestantes. Tanto no lado governamental, como no da oposição da MUD há violentos grupos paramilitares.

A confrontação diária sobe de tom. PSUV e governo usam e abusam da repressão policial, militar e paramilitar, enquanto a MUD apoia-se externamente na direita e na social-democracia da América Latina e dos EUA para tentar reconquistar o poder, após 18 anos de afastamento.

Para PSUV e MUD, apenas contam os seus projetos de poder, não respeitando a Constituição de 1999, nem defendendo a democracia.

Não admira, por isso, que estejam convocados para o próximo domingo, 16 de julho de 2017, dois processos de votação: A Assembleia Nacional, dominada pela MUD, convocou um plebiscito. O Governo e o Presidente convocaram, através do Conselho Nacional Eleitoral (CNE) que controlam, um “teste” para preparar a votação para a Constituinte.

No quadro atual a defesa da democracia e da Constituição de 99 é uma questão chave. Se Maduro e o PSUV prosseguissem o caminho de Chávez seriam, obviamente, os melhores defensores da Constituição de 99.

A austeridade na origem da atual crise

Nas eleições de abril de 2013, Nicolás Maduro foi eleito Presidente da Venezuela por 1,5% a mais que Henrique Capriles, da MUD. É certo que a diferença é muito mais estreita do que no tempo de Chávez (em 2012, Chávez venceu Capriles com mais de 10 pontos de diferença), mas talvez a grande questão seja: porque é que tendo Maduro vencido em abril de 2013, dois anos depois, em dezembro de 2015, o PSUV não consegue eleger sequer um terço dos deputados?

Escassez, falta de alimentos e medicamentos, destruição de serviços públicos, inflação galopante, foi essa a política de Maduro e o resultado foi a justa revolta da população contra o governo
Escassez, falta de alimentos e medicamentos, destruição de serviços públicos, inflação galopante, foi essa a política de Maduro e o resultado foi a justa revolta da população contra o governo

O artigo Escassez e falta de alimentos e medicamentos na Venezuela, publicado neste dossier, traça uma análise importante e apresenta excelentes indicadores para entender a grande derrota.

A queda do preço do petróleo provocou uma grande queda nas receitas da Venezuela, a fuga de capitais, a fraude e o pagamento da dívida externa provocaram o colapso, a política decidida pelo governo de Maduro foi a de uma brutal austeridade sobre a população. Escassez, falta de alimentos e medicamentos, destruição de serviços públicos, inflação galopante, foi essa a política de Maduro e o resultado foi a justa revolta da população contra o governo.

Maduro não só não seguiu a política de Chávez, como perante a dificuldade da situação assumiu uma política oposta ao chavismo
Maduro não só não seguiu a política de Chávez, como perante a dificuldade da situação assumiu uma política oposta ao chavismo

Maduro não só não seguiu a política de Chávez, como perante a dificuldade da situação assumiu uma política oposta ao chavismo. Alguma esquerda (ler o artigo publicado neste dossier Venezuela: Quem acusará os acusadores?) em vez de combater e denunciar a política seguida por Maduro e pelo PSUV, considera-a, lamentavelmente, como antiimperialista. De facto, a política seguida por Maduro é uma política austeritária e submissa aos poderes financeiros. Os interesses do povo venezuelano e a defesa da soberania do país nada contaram quando se tratou de pagar a dívida externa. O Governo venezuelano chega até ao ponto de vender títulos da petrolífera estatal com 69% de desconto, aos abutres da finança internacional.

Depois de 2015, os interesses clientelares passaram a contar até mais no governo e o autoritarismo governamental aumentou com a luta implacável pela manutenção no poder a qualquer preço.

Os riscos

Perante a difícil situação económica, social e política da Venezuela, há até alguns riscos de certas saídas agravarem ainda mais a situação do país e da maioria da população venezuelana .

Um primeiro risco, visível para toda a gente, menos para Maduro, aparentemente, é o risco de a crescente violência degenerar numa guerra civil. Esse é um risco real, perante o nível de forças em confronto e os interesses dominantes quer no governo, quer na MUD.

A ultrapassagem deste risco passa naturalmente por um diálogo político e social. Este processo é aparentemente inexistente, mas a libertação inesperada de Leopoldo López, a presença de José Luís Zapatero no país (e a sua visita a Leopoldo López) e a posição dos países caribenhos na OEA (ver notícia da AVN), parecem mostrar o contrário. Num quadro de “diálogo”, surge um segundo risco: o da possibilidade de um acordo contra o povo venezuelano e a soberania do país. O caso do decreto sobre o Arco Mineiro do Orinoco (ler A implosão da Venezuela rentista – III), demonstra a realidade deste risco e o processo constituinte agrava-o.

A Venezuela tem o segundo maior exército da América Latina e o maior tendo em conta o tamanho do país. As forças armadas controlam ainda a Guarda (GNB) e as milícias
A Venezuela tem o segundo maior exército da América Latina e o maior tendo em conta o tamanho do país. As forças armadas controlam ainda a Guarda (GNB) e as milícias

Este risco pode ainda complementar-se com um terceiro, que é o do papel que as forças armadas podem vir a assumir. A Venezuela tem o segundo maior exército da América Latina (mais de 365 mil, menos mil que o do Brasil) e o maior tendo em conta o tamanho do país (tem uma média de 118 militares por cada cem mil habitantes) – ver notícia no esquerda.net. As forças armadas (FANB) da Venezuela controlam ainda a Guarda (GNB) e as milícias. As FANB têm, no governo, um peso decisivo que tem vindo a aumentar e os seus privilégios são grandes. O decreto do Arco Mineiro do Orinoco e os privilégios que atribui às FANB mostra o papel que os militares podem vir a ter na situação. Um tal peso e papel tem sempre de ser visto como um risco para o país e para a maioria da população.

As próximas semanas são muito importantes para a Venezuela e o seu povo, mas a situação vai continuar a ser muito difícil e complexa. Nem a oposição da MUD, nem Maduro (o seu partido e o seu governo) dão qualquer esperança de continuidade do que, apesar das debilidades, sempre foi exemplo durante a presidência de Chávez. Com o ataque de Maduro e do PSUV à Constituição de 99, a presença do falecido presidente Hugo Chávez poderá vir a reduzir-se apenas aos símbolos e ao chavismo crítico (de que a Plataforma cidadã em defesa da Constituição é um bom exemplo), que não capitulou e continua a lutar em condições bem difíceis.


1 O PSUV não reconheceu os deputados eleitos pelo estado do Amazonas, para não reconhecer que a MUD tinha uma maioria de mais de 2/3 dos deputados.

Resto dossier

Protesto contra o governo de Maduro e repressão da GNB, Caracas, 2017

Venezuela, um país esfacelado

A Venezuela atravessa uma situação muito complexa, com a sua população sofrendo uma brutal austeridade. Há mais de cem dias que os protestos são diários, tendo já morrido neles quase cem pessoas. Nas próximas semanas os riscos são ainda maiores. Dossier organizado por Carlos Santos.

Com o falecimento de Hugo Chávez em março de 2013 e a seguir com o colapso dos preços do petróleo, acelera-se a profunda crise económica, política e ética que hoje a sociedade venezuelana vive

Venezuela: um barril de pólvora

A convocação de Nicolás Maduro de uma Assembleia Constituinte é uma arriscada resposta governamental à última escalada da crise política, económica e social, num contexto de esgotamento de um modelo rentista e de uma gestão caótica do Estado. Por Edgardo Lander e Santiago Arconada.

Fila para a compra de alimentos na Venezuela - A redução das importações de alimentos, medicamentos e produtos médicos e o desmantelamento progressivo de programas sociais gerou uma crescente crise social

Escassez e falta de alimentos e medicamentos na Venezuela de 2016

Este artigo analisa as causas reais da escassez e falta de alimentos e medicamentos na Venezuela, considerando que a fuga de capitais, a fraude e o pagamento da dívida externa constituem a causa da brutal austeridade imposta pelo governo de Nicolás Maduro, desde 2014. Por Heiber Barreto Sánchez

Venezuela: Os riscos da violência e da guerra civil

As próximas semanas na Venezuela serão o tempo de todos os perigos e a situação poderá continuar ainda a agravar-se. O país não tem Orçamento do Estado conhecido, a inflação foi de 200% no primeiro semestre, faltam alimentos e medicamentos. O Presidente e o governo não reconhecem o parlamento e querem submeter todos os poderes ao executivo – a Constituinte é para ser a última peça nesse processo. Por Carlos Santos

Bairro 23 enero, Caracas, Venezuela

Venezuela: porque não “descem” das colinas?

O investigador Alejandro Velasco analisa o papel dos setores populares nos protestos na Venezuela, que já duram há cerca de 100 dias, com dezenas de mortos e centenas de feridos, no quadro de uma multiplicidade de crises. Entrevista exclusiva realizada por Pablo Stefanoni, junho 2017

Venezuela, meu amor

A esquerda de que faço parte nunca foi ambígua sobre a condenação de regimes que oprimem o povo e sufocam a democracia. Isso vale para Angola e para o regime venezuelano. Artigo de Joana Mortágua

Académicos, intelectuais e ativistas sociais apelam, à escala latino-americana e internacional, ao fim da violência e ao “diálogo político e social” na Venezuela

Apelo Internacional ao fim da escalada de violência na Venezuela

Académicos, intelectuais e ativistas sociais estão a impulsionar uma iniciativa para juntar vontades à escala latino-americana e internacional, apelando ao fim da violência e ao “diálogo político e social”.

Para esta resposta ao “Apelo Internacional urgente para deter a escalada de violência na Venezuela”, os subscritores desse apelo sofrem da “ótica de intelectuais propensos a descrever 'défice' democrático nestas latitudes, sempre a partir de concepções eurocêntricas e consideradas 'universais? sobre o que deve ser democrático”

Venezuela: Quem acusará os acusadores?

Publicamos aqui, na íntegra, uma resposta ao “Apelo Internacional urgente para deter a escalada de violência na Venezuela”. Esta resposta recolheu subscritores a nível internacional, defende o governo de Nicolás Maduro e do PSUV e acusa o apelo de ser “contra o processo bolivariano na Venezuela”.

Edgardo Lander aponta que a situação na Venezuela pode entrar “num ponto de não retorno” em poucas semanas, “com uma ordem constitucional manipulada e autoritária”

“A Constituinte leva-nos a um ponto sem retorno”

O sociólogo Edgardo Lander aponta que a situação na Venezuela pode entrar “num ponto de não retorno” em poucas semanas, “com uma ordem constitucional manipulada e autoritária” e alerta que “há setores que procuram a violência como objetivo”. A entrevista foi realizada no final de maio de 2017, conduzida por Carlos Carcione e publicada em aporrea.org

Plataforma Cidadã em Defesa da Constituição da Venezuela exige ao CNE que o povo possa decidir se quer ou não uma Assembleia Constituinte através de um referendo revogatório do decreto do presidente Maduro

Plataforma cidadã exige referendo à convocação da Assembleia Constituinte

A Plataforma Cidadã em Defesa da Constituição da Venezuela exige ao CNE que o povo possa decidir se quer ou não uma Assembleia Constituinte através de um referendo revogatório do decreto do presidente Maduro. A Plataforma propõe ao povo o uso generalizado do “luto consciente”.

Adicionar novo comentário