Está aqui

Transportes públicos: A urgência do debate

No dia 18 de janeiro, o Bloco levou os transportes públicos a debate na Assembleia da República. Urge responder ao processo de degradação do serviço prestado, que resulta da política de cortes cegos imposta por PSD e CDS. Dossier organizado por Mariana Carneiro.
Foto de Paulete Matos.

Heitor de Sousa analisa a situação atual dos transportes públicos em Lisboa e Porto e aponta escolhas estratégicas para o futuro. Revertida a privatização, José Soeiro fala sobre o que falta ainda fazer nos transportes públicos do Porto. As incertezas sobre o futuro da STCP são abordadas por José Castro e Isaque Palmas. Fernando Barbosa defende que não se pode adiar o investimento necessário no Metro do Porto. Ricardo Robles escreve sobre a emergência dos transportes públicos em Lisboa e Pedro Peres alerta para as consequências da política de desinvestimento no Metro de Lisboa. Publicamos ainda artigos sobre a situação na Carris e os perigos do CETA (Exemplo da contenda entre Portugal e mexicanos da Avanza sobre Metro).

Resto dossier

Transportes públicos: A urgência do debate

No dia 18 de janeiro, o Bloco levou os transportes públicos a debate na Assembleia da República. Urge responder ao processo de degradação do serviço prestado, que resulta da política de cortes cegos imposta por PSD e CDS. Dossier organizado por Mariana Carneiro.

Carris: É preciso voltar a apostar no transporte público

Desde 2011 que a Carris perde passageiros, perde trabalhadores qualificados, perde qualidade no serviço que presta à população da área metropolitana de Lisboa e a todos os que a visitam.

A emergência dos transportes públicos em Lisboa

Lisboa é hoje vítima das piores escolhas em matéria de urbanismo e mobilidade assumidas nas últimas quatro décadas. Por Ricardo Robles.

Transportes em Lisboa e no Porto: sobrelotação conjuga com protestos populares

No próximo dia 18 de janeiro, o Bloco de Esquerda leva os transportes ao debate na Assembleia da República: saiba porquê. Por Heitor de Sousa.

Revertida a privatização, que fazer nos transportes públicos do Porto?

A reversão da privatização dos transportes no Porto, que a Direita queria entregar a uma empresa estrangeira, foi uma vitória de todos os que se mobilizaram. Mas desde então, o que mudou? E o que falta fazer? Por José Soeiro.

No Metro de Lisboa falta tudo

A política de desinvestimento que foi iniciada pelo anterior Governo e a preparação da Empresa para a concessão a privados, levou o Metropolitano a um nível de degradação, nunca antes sentido. Por Pedro Peres.

Perigos do CETA: Exemplo da contenda entre Portugal e mexicanos da Avanza sobre Metro

Críticos internacionais do CETA apontam litigância entre Portugal e Avanza na reversão da privatização do Metro de Lisboa como bom exemplo dos perigos do acordo. Governo anunciou que rejeita levar litígio para tribunal arbitral nos EUA.

Para onde vai a STCP?

Com o novo governo e após a reversão do processo de privatização, deu-se uma grande mudança para melhor, mas ainda há muito para fazer. Por José Castro.

Não queremos uma STCP reduzida ao mínimo

Ganhar a luta pela reversão da privatização da STCP criou uma grande expectativa. A essa expectativa têm-se seguido muitas preocupações com o futuro da empresa. Por Isaque Palmas.

Não se pode adiar mais o investimento necessário no Metro do Porto

O investimento de hoje, que pode parecer um enorme encargo financeiro a curto prazo, quando eficaz e bem gerido, terá um retorno enorme a médio e longo prazo. Por Fernando Barbosa.

Comentários

Em pleno centro de Gaia andam a circular autocarros, que eu costumo chamar de carroças, todos a desfazerem-se, com carneiros amontoados de qualquer maneira, muito frescos de inverno e quentinhos no verão. Ainda não percebi, como é que aqueles machimbombos passam na inspeção, mas dá para ter uma ideia. Naquela rua com uma descida bem acentuada que vai até à rotunda de Santo Ovídio, e que nas horas de ponta demora quase meia hora a chegar à rotunda, um dia alguma dessas carroças vai lá chegar bem depressa e vai levar à frente todas as pessoas que saem na paragem acima e vão a pé, porque chegam ao metro muito antes que o monte de sucata. Eu costumo ver na televisão autocarros daqueles nas terriolas de alguns países como Índia, Bangladesch, Etiópia, Sudão, etc. Mas o que é preciso é aumentar os passes, o dinheiro vai para algum lado, mas não é para comprar autocarros novos, deve ser para alguém comprar carros de luxo! Ou outras mordomias.

Adicionar novo comentário