Está aqui

Os refugiados e os interesses que os aprisionam

O ano que agora termina continuou a ser marcado pela crise dos refugiados, vítimas de um complexo de jogo de interesses que continuou a desprezar os Direitos Humanos daqueles que fogem do terrorismo e da guerra.
 Estima-se que quatro milhões de sírios tenham fugido do país. Foto Obvius
Estima-se que quatro milhões de sírios tenham fugido do país. Foto Obvius

Os conflitos bélicos com particular destaque para a guerra na Síria mas também a fome, as perseguições e as alterações climáticas, foram responsáveis pela fuga de milhares de pessoas que em condições de extrema precariedade continuaram a tentar chegar à Europa. Muitas perderam a vida e outras continuam à espera de uma solução que lhes proporcione condições de segurança e dignidade.

A Europa respondeu a esta crise humanitária fechando-se sobre si própria numa demonstração cabal de que não esteve à altura das vítimas.

Optou por seguir a política do ódio, dos discursos marcados pela demagogia e que serviram de justificação para a construção nas suas fronteiras de muros e de barreiras de arame farpado.

Num balanço divulgado em meados de dezembro, a Organização Mundial das Migrações (OIM) tornou público que a travessia do Mediterrâneo tinha custado - até ao momento – a vida a cerca de 7200 refugiados, número que representa um aumento de 20 por cento em relação ao ano anterior.

De acordo com a OIM, este números significam que, em média, 20 pessoas por dia perderam a vida deixando ainda o alerta que este número tenderá a aumentar em mais 200 ou 300 mortes até ao final do ano.

Embora os refugiados não sejam apenas oriundos da Síria, a verdade é que a guerra que grassa naquele país desde 2011 revela números impressionantes: até ao momento já causou a morte a 500 mil pessoas e 12 milhões de deslocados.

Esta guerra - que contribuiu de uma forma muito significativa para o agravamento da desestabilização em todo o Médio Oriente - originou ainda a fuga de mais de quatro milhões de pessoas que procuraram noutras latitudes a possibilidade de refazer a vida destruída pelo conflito.

Vencer o medo

Independentemente das críticas e dos apelos das organizações internacionais, a União Europeia (UE) não alterou a sua estratégia em relação aos refugiados e, desta forma, abriu ainda mais o caminho à construção de muros, à militarização das fronteiras, dando assim suporte a políticas securitárias que explorando o medo de muitos cidadãos europeus levaram a extrema-direita a ganhar um novo fôlego político suscetível de num futuro próximo poder vir a pôr em causa a democracia e a liberdade que caracterizaram a maioria dos regimes do continente europeu após a última Guerra Mundial.

Hoje em dia há milhares de pessoas nos chamados abrigos temporários, que na verdade não passam de campos de concentração onde milhares de homens, mulheres e crianças têm as vidas suspensas à espera de apoio para darem um novo curso às suas vidas.

A indiferença perante o sofrimento e a morte tem sido justificada pela hipocrisia dos discursos dos responsáveis políticos que reiteradamente manifestam a sua "impotência" para resolver um problema cuja dimensão atingiu já proporções catastróficas e que a curto prazo poderá ficar sem controlo.

O silêncio tem sido muitas vezes a arma daqueles que deviam estar na primeira linha a delinear estratégias para resolver este drama, mas vai deixando que o medo alastre e estigmatize estes homens e mulheres muitas vezes acusados de querer apenas usufruir dos benefícios socais dos países para onde pretendem ir, ou até para organizar células terroristas e realizar atentados.

É preciso vencer o medo que tomou conta de muitas pessoas e que por esta razão foram atrás daqueles que falam na necessidade de impedir a colonização da Europa.

Segundo o diretor da agência de refugiados da ONU na Grécia, Philipe Leclerc, entre 6 de junho e 30 de junho, o pré-registo de pedidos de asilo abrangeu 27.592 pessoas o que constituiu um novo recorde mundial.

Este números levaram o ministro grego para as Migrações, Yannis Mouzalas, a fazer uma chamada de atenção para as consequências de um eventual colapso do acordo firmado entre a UE e a Turquia.

É preciso vencer o medo que tomou conta de muitas pessoas e que por esta razão foram atrás daqueles que falam na necessidade de impedir a colonização da Europa.

Yannis Mouzalas, chegou mesmo a pedir um Plano B, ante as sucessivas ameaças do governo turco em cancelar o acordo se a União Europeia não suprir a exigência de vistos para os turcos que queiram viajar para o continente europeu.

É preciso ter em conta que a Europa deixou a Grécia, um dos países mais pobres do continente, a gerir sózinha uma crise humanitária de proporções gigantescas.

Percebe-se assim de uma forma inequívoca que esta crise acabou enredada numa teia de interesses políticos que, longe de se direcionarem para a resolução do problema, tem sido usada como arma de arremesso para garantir outros objetivos que se prendem com os interesses particulares dos vários países envolvidos na resolução desta crise.

A problemática dos refugiados não atinge exclusivamente o continente europeu se tivermos em linha de conta que dos 21 milhões de refugiados existentes no mundo, 12 milhões foram acolhidos por 10 países que se situam no Médio Oriente e no continente africano, de acordo com a Amnistia Internacional (AI).

Estes países repartem entre si apenas 2,5 do PIB mundial e fazem ainda fronteira com outros países em guerra o que para a organização significa que muitas vezes não têm condições para acolher os refugiados não lhes podendo proporcionar horizontes de futuro o que os leva a ter de partir de novo à procura de melhores condições de vida.

Para o secretário-geral da AI, Salill Shetty “está na hora dos líderes realizarem um debate sério e construtivo acerca de como as nossas sociedades irão ajudar as pessoas que são forçadas a abandonar as suas casas por causa da guerra e da perseguição."

Para aquele responsável “eles os líderes mundiais precisam de explicar como é que o mundo consegue resgatar bancos, desenvolver tecnologias e travar guerras, mas não consegue encontrar locais seguros para os 21 milhões de refugiados, ou seja, apenas 0,3 por cento da população mundial”.


"Está na hora de realizar um debate sério e construtivo sobre o drama dos refugiados", afirma o secretário-geral da Amnistia Internacional, Salill Shetty. Foto de A. D'Amato/ ACNUR
 

Resto dossier

Os temas de 2016

Neste ano em que todos os perigos se adensaram no mundo e em que a Europa falhou no principal, Portugal conseguiu provar que a política de austeridade não é inevitável e deu esperança na luta pela mudança social em defesa dos mais pobres e do trabalho. Veja aqui uma seleção de alguns temas que marcaram o ano de 2016 em Portugal e no mundo.

Um ano de acordo à esquerda

O ano ficou marcado pela reversão de medidas do anterior governo PSD/CDS e pela recuperação de rendimentos. O acordo que viabiliza o atual executivo do PS veio provar que era possível outro caminho. É preciso ir ainda mais longe, nomeadamente no combate à precariedade, e não aceitar recuos na defesa dos direitos.

Donald Trump na série Simpsons

Donald Trump, de farsa a ameaça global

A eleição de Donald Trump para Presidente dos EUA é um elemento central no movimento de extrema-direita internacional.

Urso polar num iceberg a derreter.

2016, o ano mais quente de sempre que já não é notícia

Dos 17 anos mais quentes desde que há registos, só um não pertenceu ao século XXI. Alterações climáticas são a constante mais evidente num tempo de instabilidade fortemente associada à crescente degradação material do planeta. Por João Camargo.

Presidenciais: a eleição de Marcelo e o resultado histórico de Marisa

Com a maior abstenção de sempre em eleições sem recandidaturas presidenciais, a vitória de Marcelo acabou por se traduzir na pior votação do atual Presidente, comparando com os seus antecessores. Com mais de 10% dos votos, Marisa Matias conseguiu superar o melhor resultado da área do Bloco e tornou-se a mulher mais votada de sempre para a Presidência.

 

X Convenção do Bloco

Convenção do Bloco com mira apontada às ameaças de Bruxelas

A X Convenção do Bloco foi a primeira realizada num contexto político em que o Bloco integra a maioria parlamentar que afastou a direita do poder. As principais críticas foram dirigidas a Bruxelas e às ameaças de sanções a Portugal.

As principais vítimas desta deriva punitiva são os países do sul, vergados a políticas de austeridade extremas que provocaram uma regressão social devastadora.

Sanções: O rolo compressor da chantagem política

Quando a Comissão Europeia (CE) “aprovou” o Orçamento do Estado de Portugal para 2017, embora com avisos de que iria manter uma vigilância apertada sobre o mesmo, já tinha deixado um historial de ameaças sobre imposições de sanções que acabaram por se tornar num dos assunto do ano.

Golpe e contragolpe na Turquia

A madrugada de 15 de julho ficou marcada pela tentativa de golpe militar na Turquia. Mas as tropas fieis ao presidente Erdogan conseguiram travar o golpe. Em seguida, Erdogan declarou o estado de emergência e deu início a uma caça às bruxas que ainda decorre, com o objetivo de consolidar o poder absoluto no país.

11 dos 17 ativistas angolanos que foram julgados.

Repressão em Angola

Os 17 jovens ativistas angolanos foram acusados de “atos preparatórios de rebelião e associação de malfeitores” e condenados a penas entre os dois e os oito anos, apesar de depois terem recebido uma amnistia. Eduardo dos Santos foi reeleito presidente do MPLA por 99.6% dos votos e prepara sucessão.

 Estima-se que quatro milhões de sírios tenham fugido do país. Foto Obvius

Os refugiados e os interesses que os aprisionam

O ano que agora termina continuou a ser marcado pela crise dos refugiados, vítimas de um complexo de jogo de interesses que continuou a desprezar os Direitos Humanos daqueles que fogem do terrorismo e da guerra.

Durão Barroso

Durão Barroso contratado pela Goldman Sachs

As aventuras e desventuras de Durão não se esgotaram na Comissão Europeia. Menos de dois anos depois de terminar o seu mandato foi contratado pelo banco de investimento mais agressivo do Mundo, com quem já tinha uma longa parceria.

Logotipos da Monsanto e da Bayer.

Bayer compra Monsanto

Farmacêutica comprou multinacional produtora de sementes geneticamente modificadas e de pesticidas, entre os quais o glifosato. Grupo resultante será o maior do ramo e representará um desastre para a nutrição global.

A seleção portuguesa soube interpretar o realismo tático definido por Fernando Santos. Foto Fragmentos

Euro 2016: Os méritos de um campeão improvável

Apesar de ter vários jogadores de craveira internacional, Portugal acabou por ser um campeão europeu improvável, sobretudo se tivermos em linha de conta que jogou a final contra a França, país organizador do Europeu. Por Pedro Ferreira.

Manifestações em São Paulo contra Michel Temer. Foto de Sebastiao Moreira/EPA/Lusa

Brasil: 2016 marcou o fim da hegemonia do PT

O ano marcado pelo afastamento de Dilma Rousseff e pelo fim dos governos hegemonizados pelo PT termina com mais incógnitas que certezas. Por Luis Leiria, no Rio de Janeiro.

Adicionar novo comentário