Está aqui

Privatizações dos transportes: é bom para quem?

O atual Governo tem prosseguido uma política de destruição dos transportes públicos.
Impõe-se que o processo de privatização dos transportes em Lisboa e no Porto seja imediatamente suspenso e que o Governo negoceie a transferência da gestão e propriedade. Foto de Michael Day

Transportes em debate: transferência para os Municípios ou para os Privados?

A Assembleia Municipal de Lisboa concluiu, no mês de junho, um ciclo de debates sobre os transportes na cidade, o último dos quais sobre “Os desafios para Lisboa”. Falar de desafios é falar do futuro. E considerando as circunstâncias que atualmente rodeiam a questão, a clarificação tem de ser agora porque amanhã já será tarde.

O atual Governo tem prosseguido uma política de destruição dos transportes públicos. Os resultados estão à vista: na Carris, no final de 2013, havia -26,5% de passageiros transportados, -20,7% de kms percorridos, -19% de efetivos, -15 carreiras de autocarros, -120 autocarros e elétricos. A tudo isso a CML disse que sim, embora, em alguns casos (poucos), o cenário podia ainda ser pior (Ex: a supressão da carreira 18 de elétricos).

Por outro lado, a receita média por passageiro (incluindo subsídios à exploração), subiu +54,8% nos autocarros e +107,1% nos elétricos. Com isto, o Governo conseguiu o “sucesso” de um Resultado Operacional (RO) positivo: +1 de M€ na Carris (com 18,6 Milhões de Indemnizações Compensatórias). No Metro, foi parecido: RO de +22,6 M€ (com 44 Milhões de IC).

Defender que a Câmara Municipal seja parte determinante da gestão dos transportes é quase uma dedução lógica. Impõe-se que o processo de privatização dos transportes em Lisboa e no Porto seja imediatamente suspenso e que o Governo negoceie a transferência da gestão e propriedade

Porém, os Resultados Líquidos saíram furados: -7,6 M€ na Carris; -15,3 M€ no ML. Erro na “magia”? Não, efeito SWAP. Como se sabe, as operações SWAP, foram decisões dos anteriores Governos PS e PSD/CDS, apoiado no seu exército de gestores “muito modernos”. Alguns desses “gestores” foram “premiados” e são ministros e/ou secretários de estado. Com exceção de alguns “peões”, nenhuma responsabilidade foi apurada.

Mesmo assim, o Governo não desistiu de enganar os incautos, sustentando que “optou pela concessão das empresas porque era uma questão de sobrevivência”. Nada mais falso. Os SWAPs provam o contrário.

Outra falsidade: “as ICs vão desaparecer com a concessão a privados”. Esta anedota, digna de uma “stand-up comedy”, não resiste um parágrafo.

As ICs nos transportes não são caso único. O Governo gere mais de uma dúzia de “grandes projetos”, gordos de ICs. As “rendas” que são pagas à EDP para cobrir o alegado “défice tarifário” ou as que o Estado entrega às PPPs rodoviárias, mais não são do que ICs com outro nome. Acontece o mesmo noutros setores: energias renováveis, hospitais, escolas, segurança, etc, uma floresta de negociatas que tornaram Portugal campeão das PPPs. Na essência, todas iguais: saque dos dinheiros públicos e garantia de um pinga-pinga sem riscos, aos privados.

Nos últimos 3 anos, as fortunas dos mais ricos aumentaram +19,5%. Mas o rendimento da maioria recuou 20 anos, o desemprego ultrapassou 1,5 milhões e a emigração 300.000. Mesmo assim, o Governo não desiste da austeridade infinita para reduzir o valor do trabalho e favorecer a nova ganância - os capitais rentistas.

Esta “narrativa” sobre as ICs nos transportes tem uma razão: é o que falta para desmantelar o serviço público, pois quase tudo já foi privatizado ou está a caminho.

Surpreende que António Costa não responda ao senhor SET quando este diz que “a proposta da câmara tem de ser mais vantajosa que o privado”. É normal que a Câmara seja comparada com os 13 concorrentes que estão em linha para a concessão? Cremos que não. Nesta matéria, a verdadeira escolha é entre democracia e mercado. O Governo olha para essa escolha do lado do “mercado”, ou seja, do “quem dá mais”. António Costa deveria responder que a democracia está em primeiro lugar. Isso significa que, quando se pensa e decide sobre uma cidade, deve-se incluir o acesso dos cidadãos aos transportes, pelo que a questão essencial não é de dinheiro mas sim de direitos.

O dinheiro é importante “para o equilíbrio das empresas”? Sem dúvida. Por isso, é decisivo encontrar outras formas de financiamento sem ser à custa de aumentos nas tarifas. António Costa já exibe algumas melhorias nesta questão, reconhecendo, por exemplo, que o IMI pode servir para financiar os transportes, especialmente os investimentos. Essa ideia é defendida pelo Bloco de Esquerda há mais de 10 anos. Essa, e não só. Uma parte das mais-valias, liquidada nas transações imobiliárias, associadas à proximidade dos transportes, devia ser canalizada para o sistema. Parte das receitas de estacionamento, também. As empresas (públicas e privadas), que têm parques no centro da cidade, deviam pagar. O mesmo se devia aplicar a uma parte do imposto sobre os produtos petrolíferos, coletado na venda de combustíveis nos concelhos da AML.

No fim da linha do financiamento estão as tarifas. Se forem necessárias, sublinhe-se. Há cidades e regiões, em várias partes do mundo, onde os transportes têm “Tarifa Zero”: Talin (Estónia), Zagreb (Croácia), Sydney (Austrália), Hasselt (Bélgica), Cardiff (País de Gales), Sheffield (Inglaterra), Pays d’Aubgne et de l’Étoile (França), Miami, Salt Lake City, Seattle (EUA), Calgary (Canadá), Bangkok (Tailândia), são alguns exemplos. Aqui, os transportes servem a mobilidade das pessoas e não a rentabilidade das empresas. Este é o debate essencial: devemos olhar para as pessoas ou para os mercados?

Defender que a Câmara Municipal seja parte determinante da gestão dos transportes é quase uma dedução lógica. Impõe-se que o processo de privatização dos transportes em Lisboa e no Porto seja imediatamente suspenso e que o Governo negoceie a transferência da gestão e propriedade. O formato de parceria pública-pública, conjugando a presença do Estado, Câmara e, no futuro, da Região, abrirá um novo caminho para um serviço público de qualidade, em linha com as opções de desenvolvimento e ordenamento das cidades e da região.

Para alguns, deve continuar a ser o Estado, centralista, a tutelar as empresas. Mas num momento em que o Governo defende a concessão a privados, a oposição do PCP à passagem da gestão para as Câmaras, funciona como um “empurrão” às posições do Governo, que este agradece. Mesmo que seja o contrário do que se defende noutras autarquias: a provisão pública do transporte.

Artigo publicado (parcialmente) no jornal “Público.

Sobre o/a autor(a)

Deputado e dirigente do Bloco de Esquerda, economista.

Resto dossier

Fórum Socialismo 2014

O Fórum Socialismo 2014 – Debates para a Alternativa reuniu 320 pessoas em Évora, entre os dias 29 e 31 de agosto, que participaram em cerca de 40 sessões plenárias, mesas redondas, painéis e conversas. 

Impõe-se que o processo de privatização dos transportes em Lisboa e no Porto seja imediatamente suspenso e que o Governo negoceie a transferência da gestão e propriedade. Foto de Michael Day

Privatizações dos transportes: é bom para quem?

O atual Governo tem prosseguido uma política de destruição dos transportes públicos.

Thomas Piketty. Foto de Sue Gardner

O que há de novo em Thomas Piketty?

É indisfarçável o incómodo dos economistas liberais com o Capital no Século XXI. Atribuiem à obra um fundamentalismo ideológico, esgravatam para desmentir a realidade dos dados, convidam-no a estudar as experiências soviéticas. Por Gonçalo Pessa.

Foto de Paulete Matos

De que é a esquerda não pode abdicar?

A esquerda tem a obrigação de quebrar o “monopólio dos profissionais” políticos, em que a uns é dada a função de fazer a política e a outros é dada a possibilidade de os seguir ou apoiar. A esquerda deve ser capaz de envolver todos e todas, deve ser inclusiva, pedagógica. Basta lembrar os tempos do PREC, as canções do GAC ou os cadernos de educação popular, para perceber que uma verdadeira esquerda quer – autenticamente – que todos as pessoas se assumam como atores políticos. Por Inês Barbosa, Investigadora, do movimento de cidadãos de Braga.

Catarina Martins: “Nós já pagamos, só nos falta mandar”. Foto de Paulete Matos

Bloco contra a reprivatização do Novo Banco e pelo controlo público da banca

Catarina Martins afirma que o Estado “não pode limpar um banco sistémico e devolvê-lo, limpinho, a banqueiros privados que provaram não ter vocação para gerir bancos”. Considerando que esta intervenção deve ter retorno para os contribuintes, a coordenadora do Bloco defende o controlo público sobre todo o sistema bancário.  

Semedo: Bloco defende convergência, mas não uma mera alternância

O coordenador do Bloco de Esquerda afirmou na abertura do Fórum Socialismo 2014 que da disputa interna no PS não vai nascer uma alternativa de esquerda. João Semedo sublinhou que o Bloco defende “a convergência, o diálogo e a aproximação”, mas não está disponível “para dar o braço a quem faz da política uma simples rotação”.

 Foto de Paulete Matos

Francisco Louçã: Portugal precisa de união muito forte contra a austeridade

No Fórum Socialismo 2014, Francisco Louçã defendeu a necessidade de “uma união muito forte” em Portugal contra a austeridade, alertando que o país tem “20 anos de protetorado pela frente”, o que o torna numa “democracia pequenina”.

João Ferreira do Amaral foi entrevistado pelo Esquerda.net

“É benéfico para Portugal sair do euro”

O economista João Ferreira do Amaral defendeu no Fórum Socialismo 2014 que Portugal não tem sustentabilidade na zona euro, e que a saída seria fundamentalmente a forma de reforçar o crescimento económico e alterar a estrutura produtiva do país no sentido de uma melhor inserção na globalização.

Pedro Filipe Soares: BES foi alvo de gestão danosa pela família que o detinha e objeto de um saque.

BES: “Maioria governamental não pode ser força de bloqueio em comissão de inquérito”

Num debate no Fórum Socialismo 2014, Pedro Filipe Soares salientou também: “O Governo tinha prometido que nem um cêntimo dos contribuintes ficaria em risco. O que vemos agora é que não são cêntimos, são centenas de milhões que poderão estar em causa com esta solução”.

Marc Blyth

Austeridade: História de uma ideia perigosa

Apresentação de Mariana Mortágua sobre a história da austeridade com base no livro de Marc Blyth Austerity: "The History of a Dangerous Idea".

“Por uma Europa dos povos e dos direitos sociais, contra a que aniquila o Estado social”

No Fórum Socialismo 2014, Marisa Matias salientou que os casos da Grécia e de Espanha, dão “esperança” numa “Europa que volte a ser a Europa dos povos e dos direitos sociais. Miguel Urban, do partido espanhol Podemos, afirmou que “não democratizar a Europa” será “o pior” que se pode “fazer aos povos europeus e o melhor aliado” para a extrema-direita.

Apesar do seu louvor ao campo e às ‘alegrias do trabalho agrícola’, nem Salazar nem Cavaco Silva delinearam estratégias para desenvolver esta atividade e o mundo rural em Portugal.

‘Old Wine in New Bottles’?

O que (não) há de novo no horizonte (2020) para o desenvolvimento rural e a agricultura em Portugal. Por Elisabete Figueiredo.

A crítica à presença exagerada do futebol nos media deve ser realizada a partir da vontade de conhecer o fenómeno, tanto do ponto de vista histórico, como a partir da sua inscrição social contemporânea.

Futebol: o ópio do povo?

Apresentamos aqui os pontos de vista de Óscar Mascarenhas e de Nuno Domingos sobre o mais popular desporto de Portugal.

A regressão social que vivemos, com o desmantelamento do Estado Social e com a redução de salários e de direitos, faz aparecer alternativas que fogem ao confronto com o capitalismo. Foto de Paulete Matos

Rendimento Básico Incondicional (1)

A mesa redonda sobre o Rendimento Básico Incondicional apresentou dois pontos de vista. Pra Adriano Campos e Ricardo Moreira, desistir da exigência do pleno emprego é anunciar a morte do direito ao trabalho.

As políticas redistributivas, além de se terem revelado ineficazes, têm também provocado nas pessoas uma atitude de desconfiança em relação ao Estado social. Foto de Paulete Matos

Rendimento Básico Incondicional (2)

A mesa redonda sobre o Rendimento Básico Incondicional apresentou dois pontos de vista. Neste artigo, Roberto Merrill examina a crítica ao RBI que considera a mais pertinente – a “objeção da exploração”.  

Trabalhos de casa

Trabalhos de casa: são uma seca? (1)

Na mesa redonda sobre os TPC apresentaram-se dois pontos de vista diferentes. Aqui, o texto “'Trabalhos de Casa' uma questão na ordem do dia ”, de Maria José Araújo.

Falta tempo às crianças para brincar e para interagir com os seus pares. Os tempos livres foram capturados.

"Trabalhos de casa": são uma seca? (2)

Na mesa redonda sobre os TPC apresentaram-se dois pontos de vista diferentes. Aqui, o texto de Serafim Duarte.

Fotogaleria do Socialismo 2014

Acompanhe o olhar da fotógrafa Paulete Matos, que acompanhou o Fórum Socialismo 2014 - Debates da Alternativa.

Em setembro de 2012, mais de cem mil pessoas manifestaram-se em Paris contra o Tratado Orçamental que Hollande ratificou. Foto André Fernandes

O que é o Tratado Orçamental?

Porque é que é irrealista cumprir este Tratado? Os dados históricos revelam-nos que os saldos orçamentais estruturais, mesmo os dos países do centro da UE, muito raramente cumprem os requisitos estipulados no Tratado. Por Samuel Cardoso.

Neoliberalismo, fetichismo técnico-cientificista e ciência

As instituições académicas e científicas têm perdido autonomia relativa face aos imperativos dos mercados e da lógica capitalista, o que, no momento atual, parece desfazer o ganho e a construção histórica e institucional do campo científico e académico como campo semi-autónomo de poder e de construção de conhecimento amplamente útil, crítico e reflexivo. Por Tiago Lapa

Etiquetas do movimento Open Data. Foto de Jonathan Gray

Dados e transparência para um ativismo esclarecido

Os movimentos "open data" são um desenvolvimento recente e localizado de luta pelo acesso à informação pública, e têm vindo a obter frutos em vários países, incluindo a UE, incentivando os governos e agentes políticos a publicar livremente a informação pública. Por Ricardo Lafuente

"O casamento para todos é agora": manifestação em França

O reconhecimento da identidade de género como processo emancipatório: percursos legais

Nos últimos anos os movimentos trans (transexuais e transgénero) têm vindo a confluir numa reivindicação base muito concreta, mas nem por isso tão fácil de colocar em prática: o reconhecimento legal da identidade de género. Por Júlia Mendes Pereira

Os drones criam uma “mentalidade de Playstation” nos pilotos, que têm tendência a encarar a sua atividade como um jogo de guerra e não como uma guerra real

Drones: a guerra no joystick

Os drones estão a ajudar à criação de um estado de guerra permanente, banalizando o uso da força letal e erodindo os direitos humanos, facilitando a escalada da guerra.  

Adicionar novo comentário