Está aqui

Políticas Culturais, Direito à Cidade e Transformação Social

Que estratégias e mobilizações adoptar para a construção de novas estruturas e instituições democráticas? Que iniciativas são necessárias para a revitalização das energias cívicas tendencialmente recalcadas por lógicas de dominação e reprodução presentes nas sociedades contemporâneas?
Manifestação do Que se Lixe a Troika juntou 400 mil pessoas no Porto. Foto de Estela Silva/Lusa
Manifestação do Que se Lixe a Troika juntou 400 mil pessoas no Porto. Foto de Estela Silva/Lusa

O Bloco de Esquerda, enquanto partido inconformado com o status quo, deve ter das políticas culturais autárquicas uma visão e uma proposta que favoreça a tão necessária transformação social nas nossas cidades. Esta necessidade parte de um diagnóstico negativo das condições necessárias para o florescimento de uma democracia pluralista e participativa: 

  • . «Uma parte considerável do poder local encontra-se aprisionada por aparelhos partidários com estratégias laterais e parcelares muitas vezes distintas das que poderiam prosseguir objectivos mais colectivos (...) um débil sentido de estratégia e de planeamento pró-activo (...) o desinteresse no desenvolvimento de culturas activas de cooperação e de subsidariedade, a considerável distância face aos cidadãos e às suas formas de expressão cívica (...) a falta de espaços e de processos de participação dos cidadãos na vida da sua cidade» (João Seivas)1;
  • . «Os portugueses têm muito ou algum receio de exprimir publicamente uma opinião contrária à das autoridades políticas» (Manuel Villaverde Cabral)2;
  • .  «O panorama nacional não será portanto muito animador neste domínio, com o recalcamento da participação dos cidadãos nos assuntos da coisa pública» (Arnaldo Ribeiro)3;
  • .  «A relação com o poder toma, por consequência, um tom inevitável de uma certa submissão ou aceitação da ordem estabelecida.» (João Pissara Esteves)4;
  • .  «A pessoalização do poder acentua-se, agindo os eleitos em função de lógicas carismático- demagógicas, clientelares e partidárias e prevalecendo, por isso, uma visão paternalista.» (Maria de Lourdes Lima dos Santos)5 

Ao olharmos para a cidade e a cidadania como uma relação recíproca, teremos de reclamar o direito de nos transformarmos a nós mesmos - enquanto indivíduos e coletivos -, ao mesmo tempo que transformamos as cidades, mas tabém criticando e combatendo as forças anestesiantes, os poderes hegemónicos e as lideranças neofascistas. 

Nós, os movimentos sociais, as organizações e os atores sociais comprometidos com a defesa de uma sociedade civil plenamente desenvolvida, onde predomine uma cidadania activa, responsável e emancipada, devemos unir esforços no sentido de ampliar os mecanismos democráticos à escala municipal, debatendo e propondo medidas que visem a revitalização da participação política e cultural enquanto acção colectiva do direito à cidade. Porque, antes de ser um aglomerado de casas e ruas, a cidade é uma unidade sociocultural e política. Nesse sentido, a cidadania forma-se na vivência e na aprendizagem em conjunto, ou seja, a partir da condição política do viver em comunidade(s). Afirmar o direito à cidade equivale a afirmar o direito à cultura, o direito à participação e à construção da vida pública - fazer cidade -, pois sem cidade não há cultura, e vice-versa. 

Que estratégias e mobilizações adoptar para a construção de novas estruturas e instituições democráticas? Que iniciativas são necessárias para a revitalização das energias cívicas tendencialmente recalcadas por lógicas de dominação e reprodução presentes nas sociedades contemporâneas? Como promover e fortalecer as novas exigências de participação democrática? 

Trata-se, em primeiro lugar, de desfazer as estratégias e as ideologias dominantes difundidas na sociedade. De combater os mecanismos de normalização social que operam na cidade, que são intrínsecas à necessidade de reprodução do capitalismo e ao projecto de dominação que procura moldar os cidadãos, e portanto resulta de uma certa organização das relações de poder: «É o controlo deste ambiente urbano que visa preservar o equilíbrio precário da nossa sociedade, ao garantir que as pessoas continuam a agir como indivíduos egoístas e obedientes» (Stavros Stavrides)6. 

Urge por isso reabrir as instituições existentes e reivindicar um horizonte de novas exigências democráticas. É simples: Imagine-se as instituições públicas locais como espaços intensos para a troca e debate de ideias. É simples, mas raramente acontece. 

Na nossa atualidade pós-política, diz Chantal Mouffe, em que o discurso dominante tenta obstruir a própria possibilidade de uma alternativa à ordem mundial, todas as práticas que possam contribuir para a subversão e a desestabilização do consenso neoliberal hegemónico são bem-vindas. Neste sentido, a cultura enquanto dimensão de política pública não pode continuar a ser entendida como mero ornamento e distinção da classe dominante, nem como entretenimento ou ocupação dos tempos livres vocacionada para a distração dos cidadãos mais aborrecidos. Uma política cultural democrática e atenta aos quotidianos e às circunstâncias concretas deve, acima de tudo, entender a cultura como capacidade activa de cidadania: como conjunto de ferramentas simbólicas e conceptuais que os membros de uma comunidade necessitam para lidar com a realidade difusa do mundo contemporâneo e para elaborar novas estratégias de vida colectiva. 

  • 1  SEIXAS, João (2012, A Cidade na Encruzilhada, Edições Afrontamento)
  • 2  CABRAL, Manuel Villaverde (2001). Democracia e Participação Política. Em revista Con(m)textos de Sociologia no1, p. 13-17. Associação Portuguesa de Sociologia.
  • 3  RIBEIRO, Arnaldo (2007). Governância Municipal. Cidadania e governação nas câmaras municipais portuguesas. Viana do Castelo. CER-Centro de Estudos Regionais.
  • 4  ESTEVES, João Pissarra (2003). Espaço Público e Democracia. Lisboa. Edições Colibri.
  • 5  SANTOS, Maria de Lourdes Lima dos (coord.) (1998). As Políticas Culturais em Portugal:Relatório Nacional. Lisboa. Observatório das Actividades Culturais.
  • 6 STAVRIDES, Stavros (2016). O espaço comum como espaço-limiar: comunização urbana em lutas para uma reapropriação do espaço público. Debate - Comum. Teatro Maria Matos 

Rui Matoso 11 fev 2017 

Resto dossier

Wrapped Reichstag, obra de Christo e Jeanne-Claude em 1995, foto de Wolfgang Volz

Cidades e Culturas: Para além do betão e do presidencialismo municipalista

Em ano de eleições autárquicas, o Esquerda.net publica um conjunto de textos sobre Cidades e Culturas, dois conceitos centrais para políticas culturais que, no entanto, apresentam diferentes problemas institucionais, económicos, sociais e políticos. 

Biblioteca Nacional por André Kosters - Lusa

Bibliotecas, Arquivos, Museus: a gestão democrática e transparente de equipamentos culturais autárquicos

A cultura é o que se  serve, sim, mas também é a questão democrática de como se implementa e garante.

Manifestação do Que se Lixe a Troika juntou 400 mil pessoas no Porto. Foto de Estela Silva/Lusa

Políticas Culturais, Direito à Cidade e Transformação Social

Que estratégias e mobilizações adoptar para a construção de novas estruturas e instituições democráticas? 

Protesto Indignados em Barcelona, foto de Marta Perez, EPA/Lusa

A política da fachada ou a gestão comunitária da cultura

Reportagem do esquerda.net sobre o debate "Cultura em Comum, o caso de Barcelona", que se realizou este domingo durante o encontro "Que fazer com a cultura?".

A função da cultura na crise da Europa, por Marcelo Expósito Prieto

O deputado Marcelo Expósito Prieto, deputado espanhol eleito pelo En Comú Podem, envia este contributo para a Conferência sobre políticas municipais de cultura do próximo dia 19 de março.

Estantes de uma biblioteca pública em Boston

"A descentralização é um projeto perigoso para os serviços de cultura"

Reportagem do esquerda.net sobre o debate "Bibliotecas, arquivos e museus, uma reforma a fazer", que se realizou este domingo durante o encontro "Que fazer com a cultura?".

Embankment por Rachel Whiteread, Tate Modern Londres Abril 2006 - Foto wikimedia

Em busca de um lugar no mapa

O salto, para muitos, pode parecer mortal. Mas as regras do jogo “local/global” não implicam, fatalmente, o apagamento dos mais fracos.

A partilha de responsabilidades "desresponsabilizou o Estado central"

Reportagem do esquerda.net sobre o debate "Para acabar de vez com a Cultura?", que se realizou este domingo durante o encontro "Que fazer com a cultura?".

Palácio da Ajuda, por Tiago Petinga - Lusa

Os 4 dramas dos Museus Municipais

No âmbito da ação museológica mais contemporânea, os museus municipais têm efetivamente impacto na sociedade em que se inserem, porque fazem parte, interferem, intervêm.

Adicionar novo comentário