Está aqui

Orçamento federal não é como o das famílias

Já todos ouvimos o argumento dos políticos da austeridade acerca do défice, comparando o orçamento de Estado com o de cada família. Neste artigo, o economista Randall Wray olha para a história económica dos EUA para mostrar que essa é uma comparação sem sentido.

O Orçamento Federal NÃO é como um Orçamento Familiar: Eis porquê

Quando um demagogo pretende agitar a histeria acerca dos deficits do orçamento federal, ele ou ela iniciam invariavelmente uma analogia com um orçamento familiar: “Nenhuma família pode gastar continuadamente mais do que ganha, e o mesmo se aplica ao governo federal.” Superficialmente, até parece ser sensato; mas vamos mais fundo e veremos que não faz qualquer sentido. Um governo soberano não tem qualquer semelhança com um governo familiar. Senão façamos uma lista de algumas das diferenças relevantes.

1. O governo federal dos Estados Unidos tem 221 anos, se considerarmos a sua fundação a partir da adopção da Constituição. Indiscutivelmente, esta é mais ou menos a melhor data que encontramos, uma vez que a Constituição estabeleceu o mercado comum nos Estados Unidos, proibiu estados de interferirem no comércio de outros estados (por exemplo, através da introdução de taxas), concedeu poder ao governo federal de cobrar e receber impostos, e reservou ao governo federal o poder de fazer o dinheiro, regulamentar o seu valor, e fixar standards de peso e medida – desde que a nossa unidade monetária, o dólar, entrou em circulação. Não conheço nenhum chefe de família com um tão indefinidamente longo tempo de vida. Talvez pareça irrelevante, mas não é. Quando morremos, as nossas dívidas e os nossos bens precisam ser assumidos e resolvidos. Não existe nenhum “dia de julgamento”, nenhuma data limite para pagamento das dívidas para o governo soberano. Nem tão pouco conheço nenhum chefe de família com autoridade para colectar impostos ou dar nome – e emitir – a moeda que utilizamos, e exigir que esses impostos sejam pagos na moeda em que são emitidos.

2. Com uma pequena excepção, o governo federal tem estado endividado ano após ano desde 1776. Em Janeiro de 1835, pela primeira e única vez na história dos Estados Unidos, a dívida pública foi retirada, e o excedente orçamental manteve-se durante os dois anos seguintes de modo a acumular aquilo a que o Secretário do Tesouro Levi Woodbury classificou como “um fundo para alcançar deficits futuros.” Em 1837 a economia teve um colapso que resultou numa depressão profunda e conduziu o orçamento a um deficit, e desde então, o governo federal tem estado em dívida permanente. Desde 1776 houve exactamente sete períodos de substanciais excedentes orçamentais e uma redução significativa da dívida. A partir de 1817 até 1821 a dívida nacional caiu 29 por cento; de 1823 a 1836 foi eliminada (esforço de Jackson); de 1852 a 1857 caiu 59 por cento, de 1867 a 1873 em 27 por cento, de 1880 a 1893 caiu mais 50 por cento e de 1920 a 1930 em cerca de 25 por cento. Claro que a última vez que gerimos um excedente orçamental foi durante os anos de Clinton. Não conheço nenhum chefe de família que tenha sido capaz de gerir deficits orçamentais em aproximadamente 190 dos 230 - anos ímpares e acumular dívidas quase sistematicamente desde 1837.

3. Os Estados Unidos também experimentaram 6 períodos de depressão que começaram em 1819, 1837, 1857, 1873, 1893 e 1929. (Consegue ver algum padrão? Olhe para as datas mencionadas acima). Com a excepção dos excedentes orçamentais de Clinton, toda as reduções significativas da dívida foram seguidas de uma depressão, e cada depressão precedida de uma significativa redução da dívida. Ao excedentário de Clinton seguiu-se a recessão de Bush, uma euforia especulativa, e depois o colapso em que nos encontramos agora. O júri ainda tem dúvidas se vamos transformar esta situação numa outra grande depressão. Enquanto não conseguirmos excluir as coincidências, sete excedentes seguidos de seis depressões e meia (com alguma possibilidade de se tornar na perfeita sétima) pode fazer levantar alguns sobrolhos. E, a propósito, as nossas recessões menos significativas têm quase sempre sido precedidas de reduções de deficits dos orçamentos federais. Não conheço nenhum caso de uma depressão nacional causada por um excedente num orçamento familiar.
 
 
4. O governo federal é o emissor da nossa moeda corrente. Os seus IOUs (vales) são sempre aceites como pagamento. Actualmente o governo gasta creditando depósitos bancários (e credita as reservas desses bancos); se não quiser um depósito bancário, o governo dá-lhe dinheiro; se não quiser dinheiro, então dá-lhe obrigações do tesouro. As pessoas trabalham, vendem, mendigam, mentem, enganam, roubam e até matam para conseguirem os dólares do governo. Quem me dera que os meus IOUs (vales) fossem assim tão desejados. Não conheço nenhum chefe de família que consiga gastar creditando depósitos e reservas bancárias, ou emitindo dinheiro. OK, alguns falsificadores tentam, mas vão para a prisão.

5. Alguns reclamam que se o governo continuar a gerir deficits, um dia destes o valor do dólar cairá devido à inflação; ou então o seu valor será depreciado em relação às moedas estrangeiras. Mas só um parvo se recusa a aceitar dólares hoje em dia, acreditando que numa data desconhecida e num futuro hipotético e distante o seu valor será inferior ao valor de hoje. Se tiver dólares que não queira, por favor envie-mos. Note-se que mesmo que aceitemos que os deficits orçamentais podem levar à desvalorização da moeda, esta é uma outra característica distinta e óbvia: o meu gasto excessivo em relação ao ganho do orçamento familiar, não vai reduzir o poder de compra do dólar em nenhum montante.

Se pensarmos bem neste assunto, vamos com certeza encontrar outras diferenças. Eu sei que distinguir entre um governo soberano e um governo familiar não acaba com todos os medos dos deficits. Mas como esta analogia é tantas vezes invocada, espero que da próxima vez que a ouvir, possa desafiar o seu interlocutor a explicar exactamente porque é que o orçamento governativo é igual ao orçamento familiar. Se o interlocutor disser que os deficits orçamentais são insustentáveis, que o governo necessita pagar toda aquela dívida, pergunte-lhe a ele ou ela porque conseguimos evitar retirar dívida desde 1837 – que tem 173 longos anos, o suficiente para estabelecer um modelo “sustentável”?


L. Randall Wray é Professor de Economia na Universidade de Missouri-Kansas City.

Traduzido para o Esquerda.net por Noémia Oliveira.

Artigo publicado no New Deal 2.0

Resto dossier

Crise económica - nova fase

Um leque de artigos sobre a crise económica internacional. Opiniões e análises alternativas às que todos os dias saem nos órgãos de comunicação social 'mainstream'. Actualizado permanentemente. 

Paul Krugman alerta para terceira depressão

O mundo pode estar nos primeiros estágios de uma terceira depressão, com o custo de milhões de vidas arruinadas pela falta de empregos, alerta o prémio Nobel Paul Krugman

Crise: Quais as respostas progressistas?

É preciso esmagar as desigualdades: por um lado, pelo aumento da massa salarial e, por outro, pela reforma fiscal. Por Michel Husson, Os novos tempos. 

Um furacão de austeridade paira sobre a Europa

O Fundo Monetário Internacional, depois de impor durante anos medidas duras de ajustamento das contas públicas aos países do sul, impõe agora as suas receitas neoliberais na Europa, diminuindo os direitos laborais em favor de políticas liberais que perpetuam o sistema capitalista. Por Jérôme Duval, Damien Millet e Sophie Perchellet, do Comité para a Anulação da Dívida do Terceiro Mundo (CADTM).

Não são os mercados, mas os bancos que dominam a UE

Este artigo documenta o enorme poder e influência que a banca dos países do centro da UE têm sobre o Conselho Europeu, a Comissão Europeia e o Banco Central Europeu.

EUA: a hipocrisia dos "falcões do défice"

O mais revoltante é que, depois de terem sido os maiores beneficiários da magnanimidade do governo nos últimos anos, são precisamente as elites de Walll Street que agora atacam a política fiscal do governo como “irresponsável” e “insustentável”. Por Marshall Auerback, new deal 2.0

"Somos todos trabalhadores gregos"

As Attac na Europa estão solidárias com o povo grego e exigem verdadeiras soluções para a crise do euro.

A guerra de classes moderna

A Grécia é um microcosmo de uma guerra de classes moderna que é raramente relatada como tal e que é combatida com toda a urgência do pânico entre os ricos imperiais. Por John Pilger

“A zona euro está um despenhadeiro”

Em entrevista ao jornal Washington Post, o economista norte-americano James K. Galbraith critica a receita ortodoxa que recomenda o corte de gastos públicos como maneira de enfrentar a crise. Para ele, o que está a acontecer na Europa é desolador.

Crise do euro: precisamos sair de cabeça erguida!

A pretexto da dívida pública, o neoliberalismo tem uma ocasião sem precedentes para impor a sua lógica derradeira: transferir uma parte cada vez maior dos rendimentos dos assalariados, dos reformados e dos desempregados para os grandes detentores do capital. Por Dominique Plihon e Aurélie Trouvé, publicado no Le monde.fr

Que mercados financeiros?

Na realidade, os mal denominados mercados têm muito pouco de mercado. São bancos com muito lucro e poucos riscos. Se os mercados financeiros fossem mercados de verdade, os bancos teriam de absorver as perdas em investimentos financeiros falidos.

Salvar os bancos até quando?

Até os mais consistentes e autorizados comentadores se aperceberam que as enormes somas reunidas com dificuldade para «salvar a Grécia» são efectivamente destinadas a salvar.... os investidores: bancos, fundos e outros credores internacionais. Por Frédéric Lordon

As políticas promovidas pela União Europeia são ineficazes e injustas

É fácil demonstrar que a causa dos problemas dos países com grandes dificuldades não é a despesa pública excessiva. Na realidade, todos eles (Grécia, Portugal, Espanha e Irlanda) têm, em percentagem do PIB, uma despesa pública mais baixa que a média da União Europeia dos Quinze.

Crime organizado contra a Grécia

O “plano de salvamento” adoptado pela União Europeia (UE) e pelo FMI impede os debates e medidas democráticas que há que impor na Grécia e em toda a Europa: abertura dos livros de contas (dos estados, dos bancos, das empresas) e balanço do fracasso da UE neoliberal como atesta o recurso ao FMI. Artigo de Hugo Harari-Kermadec, Catherine Samary

"O povo grego está a lutar por toda a Europa.”

Nesta entrevista da Democracy Now, Amy Goodman convidou Tariq Ali e Mark Weisbrot para debater a crise e a resposta popular na Grécia.   

Espanha: Governo baixa salários e corta no investimento público

Zapatero anunciou, entre outras medidas de redução de despesas, a baixa de 5% dos salários dos funcionários públicos em 2010. As centrais sindicais opõem-se e falam de contestação nas ruas. 

UE aprova pacote de 750 mil milhões

Na madrugada desta segunda-feira os ministros das Finanças da União Europeia aprovaram a criação de um novo “mecanismo de estabilização financeira”. 

A Eurolândia arde

No caso grego quem está no banco dos réus não são os bancos freneticamente especulativos, mas os Estados sociais. A falência pública grega beneficiaria a quem? Por Michael Kratke.   

Europa Oriental: Desempregados como os pais

Uma geração de meninos e meninas da Europa oriental será pobre quando chegar à idade adulta devido ao prolongado desemprego dos seus pais. Por Pavol Stracansky, da IPS. 

Europa: as guerras da dívida que se aproximam

A dívida pública na Grécia foi a primeira de uma série de bombas que estão prontas a explodir na Europa. Para as nações relutantes a saldar a dívida em euros, as nações credoras tem os seus "músculos" preparados: as agências de rating. Por Michael Hudson

Orçamento federal não é como o das famílias

Já todos ouvimos o argumento dos políticos da austeridade acerca do défice, comparando o orçamento de Estado com o de cada família. Neste artigo, o economista Randall Wray olha para a história económica dos EUA para mostrar que essa é uma comparação sem sentido.

Adicionar novo comentário