Está aqui

O movimento LGBTI em Portugal: datas e factos

Esta cronologia, preparada por Bruno Maia, João Carlos Louçã e Sérgio Vitorino, mostra as datas mais importantes para o movimento LGBTI em Portugal nos últimos 114 anos. Só em 1982 se dá a descriminalização da homossexualidade e é em 1999 que Lei das Uniões de Facto passa a aplicar-se também aos casais homossexuais, apesar de ainda carecer de regulamentação. Pelo meio, ficam inúmeras episódios de homofobia e discriminação, mas também a criação de movimentos que vieram dar visibilidade à luta LGBTI.
Sylvia Rivera, ladeada por duas ativistas.

Esta cronologia, preparada por Bruno Maia, João Carlos Louçã e Sérgio Vitorino, mostra as datas mais importantes para o movimento LGBTQI em Portugal nos últimos 114 anos. Só em 1982 se dá a descriminalização da homossexualidade e é em 1999 que Lei das Uniões de Facto passa a aplicar-se também aos casais homossexuais, apesar de ainda carecer de regulamentação. Pelo meio, ficam inúmeras episódios de homofobia e discriminação, mas também a criação de movimentos que vieram dar visibilidade à luta LGBTQI.  

1902 - No segundo volume da publicação "Pathologia", Egas Moniz ( prémio Nobel da Medicina), defende a visão da homossexualidade como doença e perversão, que irá perdurar ao longo do séc. XX e servir de base à criminalização legal desses comportamentos.

28 de Agosto de 1960 - O dirigente do PCP Júlio Fogaça é preso pela PIDE numa pensão onde estava acompanhado por um homem, com quem mantinha uma relação. Pouco depois, Fogaça é expulso do PCP, sendo publicada uma nota publicada no "Militante", alegando razões de natureza moral e irregularidades relacionadas com fundos.

13 de Maio de 1974 - O "Diário de Lisboa" publica o manifesto do Movimento de Acção dos Homossexuais Revolucionários "MAHR", com reacção violenta de Galvão Melo, membro do Conselho da Revolução. No Porto e em Olhão manifestações de homossexuais reclamavam liberdade.

1974 - Criado o Movimento de Libertação da Mulher "MLM", grupo que envolve activistas lésbicas. Os grupos feministas funcionam como meio para que estas se encontrem no contexto militante.

Agosto de 1980 - Primeira tentativa visível de activismo homossexual com o nascimento do Colectivo de Homossexuais Revolucionários "CHOR", incluindo pessoas como João Grosso, Fernando Cascais ou José Calisto. Em Novembro organiza um encontro público com cerca de 300 pessoas na "II Feira da Arte do Desenrasca". No ano seguinte os activistas do CHOR desfilam com cartazes na manifestação do 1º de Maio em Lisboa. Extingue-se em 1981.

Maio de 1982 - O Centro Nacional de Cultura organiza os Encontros "Ser (Homo)sexual". O evento é organizado por Isabel Leiria, José Calisto e Helena Vaz da Silva. Participam Afonso de Albuquerque, Natália Correia, Guilherme de Melo e Guilherme d'Oliveira Martins.

1982 - Revisão do Código Penal, que remete a homossexualidade "entre adultos, livremente exercida e em recato", para domínio dos actos não puníveis. Surge então um novo crime previsto no artigo 207 (homossexualidade com menores), nos quais as penalizações para a prática de actos homossexuais ou heterossexuais com adolescentes eram diferentes. Em 1995, a homossexualidade passou a ser referida no artigo 175.

Maio de 1991 - Surge dentro do Partido Socialista Revolucionário "PSR" um Grupo de Trabalho Homossexual "GTH-PSR" que manterá actividade regular até 2003. No 1º de Maio o GTH-PSR marcha com uma faixa no desfile da CGTP. Os jornais relatam que a central sindical "ficou embaraçada".

1991 - É publicada a 1ª revista Lésbica em Portugal "Organa". Criou ainda a primeira linha de atendimento para a homossexualidade.

Março de 1993 - Um colectivo de 6 mulheres funda a "Lilás", revista lésbica publicada até 2002.

Maio de 1993 - Um psiquiatra da Carris recusa atendimento a um membro do GTH-PSR, enquanto este não aceitasse "tratar a sua homossexualidade", uma "subversão da ordem humana" e "uma afronta à vida". A ordem dos médicos censura a atitude do psiquiatra.

Julho de 1994 - João Mouta, pai homossexual, consegue em Tribunal de Família que lhe seja confiado o poder paternal da filha menor. A mãe recorre da sentença e em Janeiro de 1996, o Tribunal da Relação retira o exercício do poder paternal a João Mouta. Em Dezembro de 1999, após queixa feita ao Tribunal Europeu dos Direitos Humanos, o Estado Português é condenado ao pagamento de uma indemnização a João Mouta.

28 de Junho de 1995 - Um grupo de activistas homossexuais com o apoio do GTH-PSR organiza a primeira comemoração pública do dia do orgulho, na discoteca "Climacz" em Lisboa, com impacto nos meios de comunicação social. Al Berto lê poemas por entre espectáculos de transvestismo.

Fevereiro de 1996 - O GTH-PSR inicia uma campanha contra a discriminação nos dicionários, com uma manifestação em frente à sede da Porto Editora, no Porto.

Abril de 1996 - É fundada a ILGA-Portugal, por um grupo da activistas homossexuais vindos da luta contra a sida.

1996 - Surge um novo grupo lésbico, com a fundação em Aveiro do Clube Safo, que pretende romper o isolamento de muitas lésbicas, através de encontros regulares e combater a discriminação a que as lésbicas são votadas.

1996 - É criado o portal PortugalGay.pt, o primeiro portal para a comunidade LGBT em Portugal.

Maio de 1997 - A ILGA abre o Centro Comunitário Gay e Lésbico de Lisboa com o apoio da CML. Com esta base logística, a associação passa a oferecer serviços de apoio psicológico, jurídico, um centro de documentação, publicações temáticas, debates, festas e convívios.

28 de Junho de 1997 - É realizado o 1º Arraial Pride pela ILGA no Prícipe Real em Lisboa, na mais massiva comemoração, feita pela primeira vez na rua. Participam o Clube Safo, o GTH-PSR e bares gays e lésbicos do Príncipe Real. No mesmo dia a associação Opus Gay aproveita para apresentar o seu manifesto de fundação.

Junho de 1997 - A imprensa anuncia que a Juventude Socialista prepara uma lei sobre Uniões de Facto que incluiria casais do mesmo sexo. Ao excluir explicitamente da possibilidade de adopção os unidos de facto do mesmo sexo, o projecto da JS tornava claro que o resto do projecto-lei incluía os homossexuais. Este anúncio provocou tal polémica que o projecto não chegou a dar entrada na mesa do parlamento.

Setembro de 1997 - É realizado o 1º Festival de Cinema Gay e Lésbico de Lisboa, uma iniciativa da ILGA com o apoio da CML e da Cinemateca. Este festival tem-se realizado todos os anos, sendo actualmente organizado pela Associação Cultural Janela Indiscreta.

Maio de 1998 - A JS apresenta um projecto-lei de Uniões de Facto que excluía casais do mesmo sexo. Acabou por ser aprovado em Julho de 99, obviamente discriminando os homossexuais. As associações homossexuais protestam com uma manifestação à porta do Parlamento. Nas galerias vários homossexuais voltam ostensivamente as costas aos deputados durante a votação e são expulsos da sala. ILGA, Clube Safo, Opus Gay, GTH-PSR e Lilás iniciam uma campanha pública que exige o fim da discriminação introduzida pela lei das Uniões de facto.

Junho de 1998 - Durante o 2º Arraial Pride realizado de novo no Prícipe Real, as associações LGBT divulgam pela 1ª vez um manifesto conjunto. Subscreviam o GTH-PSR, ILGA, Opus Gay e ABRAÇO

1998 - A revisão do Código Penal dará uma nova redacção aos artigos 174 e 175, estabelecendo diferentes idades de consentimento sexual: 14 anos para actos heterossexuais e 16 anos para actos homossexuais.

Janeiro de 1999 - A Classificação Nacional das Deficiências, publicada no Diário da República inclui nas "deficiências psicológicas" o termo "deficiência da função heterossexual". A tabela que se baseia numa listagem desactualizada da OMS, de 1976 é da responsabilidade do Conselho Superior de Estatística (INE) no qual têm lugar representantes de todos os ministérios e que responde perante o Conselho de Ministros. O caso é denunciado pelo GTH-PSR em frente ao Ministério da Solidariedade Social. O Secretário de Estado da Inserção Social pede ao Conselho a revogação do documento.

Personalidades públicas subscrevem um abaixo-assinado em Portugal e em França contra a classificação. O GTH-PSR e a ILGA entregam queixa na Provedoria da Justiça. O Bastonário da Ordem dos Médicos critica publicamente a tabela. Três meses depois esta acabaria por ser revogada.

Junho de 1999 - GTH-PSR e ILGA realizam uma acção junto ao posto-móvel de doação de sangue em Lisboa, para questionar os critérios preconceituosos que continuavam a excluir os gays da doação. Face à pressão o responsável do Instituto Nacional do Sangue garante que os critérios vão ser alterados.

26 de Junho de 1999 - No 3º Arraial Pride, na Praça do Município é divulgado o manifesto reivindicativo que integra pela 1ª vez questões relativas a transsexuais e trangenders. Subscrito por ILGA, GTH-PSR, Lilás, Clube Safo e Opus Gay.

Outubro de 1999 - Com a nova legislatura, Verdes, BE, PS e PCP apresentam projectos-lei para resolver a discriminação introduzida pela lei das Uniões de Facto.

Junho de 2000 - Realiza-se a 1ª Marcha do Orgulho LGBT em Lisboa.

2000 - No Porto surge o "Nós", Movimento Universitário pela Liberdade Sexual e em Torres Vedras o Grupo Oeste Gay "GOG".

2000 - O grupo de mulheres da ILGA e o Clube Safo participam nas iniciativas da Marcha Mundial de Mulheres, estabelecendo desde então um contacto estreito com organizações feministas.

2001 - Em Março, os 4 projectos sobre Uniões de Facto baixam à especialidade sem votação na Assembleia da República, voltando um mês depois ao plenário 2 projectos que reúnem o consenso da esquerda: um de Uniões de Facto e um de Economia Comum. Ambos seriam aprovados com os votos contra da direita e de um grupo de deputados católicos do PS. O movimento LGBT tinha finalmente conquistado a sua grande vitória legal em Portugal, num tema que lhe havia sido imposto pelo jogo partidário 3 anos antes.

Julho de 2001 - É realizado a 1ª edição do Porto Pride, o primeiro evento com visibilidade na cidade.

Fevereiro de 2002 - É fundada na cidade de Coimbra, a associação "Não te prives" -Grupo de defesa dos direitos sexuais. Esta associação viria a ter um papel fundamental na campanha que trouxe o "Borndiep" (Barco do aborto, da Women on Waves) a Portugal, em 2004.

5 de Abril de 2003 - É fundada a rede ex aequo, associação de âmbito nacional destinada a jovens lésbicas, gays, bissexuais, transgéneros e simpatizantes entre os 16 e os 30 anos, cujo objectivo é reivindicar a não discriminação e a integração na sociedade dos jovens LGBT, assim como o reconhecimento das suas necessidades, particularidades e especificidades.

Junho de 2003 - É realizado o 1º Fórum Social Português, no qual participam activamente todas as associações LGBT, entrando pela 1ª vez em contacto com muitas outras organizações sociais. Na sua sequência, a CGTP participa pela 1ª vez na Marcha do Orgulho LGBT.

Dezembro de 2003 - Apesar de o Código de Trabalho de Bagão Félix aprovado pela então maioria PSD-PP, introduzir o princípio da não-discriminação pela orientação sexual, as associações LGBT apoiam a convocação da Greve Geral de 10 de Dezembro contra o Código de Trabalho, uma vez que este paralelamente destruía as garantias de defesa dos trabalhadores face às mesmas situações de discriminação.

Janeiro de 2004 - No 10º Congresso da CGTP é aprovada uma declaração de princípios e um programa de acção que inclui pela primeira vez, as questões da orientação sexual.

Janeiro de 2004 - Num caso de discriminação por parte da CML na atribuição de Habitação Social a um casal de lésbicas, um punhado de activistas, que viriam a constituir as Panteras Rosa, colocou-se entre as máquinas da Câmara Municipal de Lisboa e a habitação que estas viriam a demolir.

Fevereiro de 2004 - É fundado o grupo "Panteras Rosa - Frente de combate à Homofobia", um grupo de acção directa, com uma perspectiva radical sobre os direitos sexuais que organiza activistas de forma transversal ao conjunto do associativismo para a visibilização da discriminação e para combatê-la nas suas expressões concretas.

2004 - É aprovada na Assembleia da República a alteração ao artigo 13º da Constituição da República Portuguesa que passa a incluir a orientação sexual como factor de não-discriminação.

Maio de 2005 - Um acórdão do Tribunal Constitucional, a propósito de um caso que decorria na Justiça, pronuncia-se no sentido da inconstitucionalidade do artigo 175 do Código Penal, que distingue os "actos homossexuais com menores" dos restantes crimes sexuais praticados sobre menores.

Maio de 2005 - Mais de 300 pessoas ocuparam as ruas de Viseu a 15 de Maio de 2005 numa manifestação destinada a condenar agressões organizadas a homossexuais naquela cidade. A acção, que partiu das Panteras Rosa, foi amplamente convocada por associações lgbt e outras organizações sociais e constituiu a primeira manifestação nacional contra a homofobia.

Setembro de 2005 - O Partido Nacional Renovador convoca uma manifestação contra o "lobby gay", associando abusivamente a homossexualidade à pedofilia. As Panteras Rosa, Clube Safo e Não te prives, encheram a cidade de Lisboa de cartazes anti-nazis.

Outubro de 2005 - O namoro entre duas jovens alunas gerou polémica na Escola Secundária António Sérgio, de Gaia. Ambas tinham sido repreendidas pelo conselho executivo da Escola, por manifestações de homossexualidade, o que levou a AE da Escola a contestar essa posição, alegando que não há nada nos regulamentos que proíba os estudantes de se beijarem.

2006 - O Parlamento português aprova uma lei que regulamenta a Procriação Medicamente Assistida, deixando de fora mulheres solteiras e casais de lésbicas.

Fevereiro de 2006 - Um casal de lésbicas, Teresa e Helena, dirigiram-se à conservatória do Registo Civil em Lisboa para se casarem. A recusa da Conservatória levou-as a interpor recurso no Tribunal da Relação e em Maio de 2007 apelaram ao Tribunal Constitucional.

Fevereiro de 2006 - Gisberta, uma transsexual do Porto, foi barbaramente agredida e torturada até à morte por um bando de miúdos entregues aos cuidados de uma instituição católica. Este caso teve impacto na comunicação social e tornou-se um símbolo da violência extrema a que a discriminação pode levar revelando também o esquecimento a que a população trans sempre esteve votada, mesmo no seio do movimento LGBT.

Julho de 2006 - É realizada a 1ª Marcha do Orgulho LGBT no Porto.

11 de Fevereiro de 2007 - No referendo à "despenalização do aborto", a vitória do SIM contou com o apoio de várias associações LGBT.

Abril de 2008 - É encontrado num contentor de entulho, na região de Lisboa, o corpo de Luna, transexual brasileira que se prostituia no Conde Redondo. As circunstâncias do crime não foram até hoje esclarecidas.

Maio/Junho 2008 - O Bloco de Esquerda organiza as primeiras Jornadas contra a Homofobia, com diversas sessões publicas em diversos pontos do país e uma conferência em Lisboa com convidados internacionais. Os órgãos de comunicação social ignoraram a iniciativa que juntou um grande número de activistas LGBT.

28 de Junho 2008 -  A Marcha do Orgulho LGBT de Lisboa, realiza-se pela primeira vez com a participação activa na sua organização de associações não-LGBT: SOS Racismo, Associação para o Planeamento da Familia - APF e Médicos Pela Escolha. Apesar da ausência de apoios públicos (Câmara de Lisboa, Comissão da Igualdade de Género e IPJ) a Marcha é um sucesso de participação e visibilidade. No final uma mensagem do secretário-geral da CGTP é lida aos participantes.

Julho 2008 - Realiza-se a terceira Marcha LGBT no Porto

Outubro de 2008 - Sob proposta do Bloco de Esquerda, a Assembleia da República discute dois projectos-lei, do Bloco de Esquerda e de "Os Verdes", que visam a legalização do casamento entre pessoas do mesmo sexo.

16 de setembro de 2009 - Introdução da orientação sexual e identidade de género como agravantes por crimes de ódio, foi a 29ª alteração ao Código Penal.

8 de janeiro 2010 - É aprovado no parlamento a lei que permite o casamento civil entre pessoas do mesmo sexo, depois dos Países Baixos, Espanha, Bélgica, África do Sul, Canadá, Noruega e Suécia, Portugal foi o oitavo país a permitir o casamento, mas excluindo a adoção. A lei foi aprovada com os votos do PS, Bloco, PCP e Verdes e os votos contra do PSD e CDS.

17 de maio de 2010 - Primeira marcha da luta contra a homofobia e a transfobia de Coimbra.

17 de fevereiro de 2011 - Aprovação da lei da identidade de género, que cria não cria qualquer procedimento de mudança de sexo, só a alteração de nome no registo civil  e de nome próprio no registo civil, mediante apresentação de um requerimento próprio, acompanhado por um relatório médico assinado por dois profissionais.  Uma lista da Ordem dos Médicos, dos profissionais autorizados a intervir nestes processos, limita o acesso a este direito e dificulta a mudança de nome.

Abril de 2011 - Inauguração do Checkpointlx, centro de rastreio comunitário do VIH para homens que têm sexo com homens (HSH). É o primeiro em Portugal dirigido especificamente a HSH. Três meses mais tarde, o mesmo centro abre uma consulta de infeções sexualmente transmissíveis (ISTs), também dirigida a HSH e que passa a oferecer rastreio, diagnóstico e tratamento de todas as ISTs.

7 de fevereiro de 2012 - Surge o grupo ativista Exército de Dumbledore, que realiza a sua primeira ação no metro de Lisboa com afixação de cartazes contra a homofobia e a homonormatividade, dentro das carruagens.

1 de setembro de 2012 - Primeira marcha do orgulho LGBTS de Ponta Delgada.

2013 - O ECDC (European Centre for Disease Prevention and Control - Centro Europeu para o Controlo e Prevenção de Doenças) usa o CheckpointLX como exemplo de "boas práticas" a implementar no rastreio do VIH em toda a Europa.

17 de maio de 2013 - aprovada a lei da co-adoção, para que homossexuais possam co-adotar os filhos adotivos ou biológicos dos parceiros. O projeto de lei foi apresentado pelo PS e votaram a favor as bancadas do Bloco, PCP, Verdes, a maioria dos deputados do PS e 16 deputados do PSD. Abstiveram-se três deputados do PS, três do PSD e três do CDS-PP e votaram contra a maioria das bancadas do PSD e do CDS-PP e dois deputados do PS.

13 de julho de 2013 - Primeira marcha pelos direitos LGBT de Braga. Surge a associação Braga Fora do Armário.

17 de janeiro de 2014 - Aprovado referendo à co-adoção e adoção, apresentado pela JSD aprovado pelo PSD sozinho. O partido impôs disciplina de voto e a vice-presidente do grupo parlamentar, Teresa Leal Coelho, não esteve presente no momento da votação, e apresentou a demissão do cargo.

19 de fevereiro de 2014 - Chumbo do Tribunal Constitucional à proposta de referendo à co-adoção e adoção por casais do mesmo sexo.

Maio de 2014 - Surge a Lóbula, colectivo de intervenção cultural e política de linha trans*, queer & feminista.

2015 - A Organização Mundial de Saúde lista o CheckpointLX como um dos exemplos de centro de rastreio do VIH no Mundo.

6 de fevereiro de 2015 - Parlamento chumba projetos de lei do Bloco e do PS para alargar a Procriação Medicamente Assistida (PMA) a todas as mulheres, eliminando restrições em função do estado civil e orientação sexual. Votaram contra o PSD, PCP e CDS, com quatro votos favoráveis do PSD.

Março de 2015 - Surge a API - Ação Pela Identidade, associação pessoas trans e intersexo.

5 de maio de 2015 - O Bloco de Esquerda promove uma audição na Assembleia da República, "PESSOAS TRANS E INTERSEXO: que reconhecimento e que novos direitos?" Juntou ativistas e investigadores da área com a presenças internacionais de relevo.

20 de junho de 2015 - Pela primeira vez há um bloco trans na Marcha do Orgulho LGBT, em Lisboa.

Agosto de 2015 - Morre Santiago Martinez, homem trans de 30 anos, assassinado por transfobia, pela ignorância e os preconceitos transfóbicos da sociedade em que vivia.

27 de novembro de 2015 - Projetos de lei do PS, Bloco, Verdes e PAN sobre alargamento da PMA e de barrigas de aluguer são discutidas no parlamento e baixam a comissão sem votação.

18 de dezembro de 2015 - Aprovada a adoção por casais homossexuais. O texto juntava os  projetos de lei do PS, Bloco, Verdes e PAN e foi aprovado com os votos contra das bancadas do PSD e do CDS. Paulo Portas não se encontrava na sala, PS, Bloco, PCP, Verdes e PAN votaram a favor, tal como 17 deputados do PSD.

25 de janeiro de 2016 - Cavaco Silva veta lei de adoção por casais homossexuais e a alteração à lei do aborto.

10 de fevereiro de 2016 - Parlamento confirma leis de adoção por casais homossexuais e a alteração à lei do aborto, que são reenviadas para Belém.

19 de fevereiro de 2016 – A lei da adoção é finalmente promulgada e encerra esse capítulo de discriminação na lei portyuguesa.

 


Cronologia atualizada para este dossier por Joana Campos a partir da elaborada para o dossier LGBT no esquerda.net em 2007 por Bruno Maia, João Carlos Louçã e Sérgio Vitorino.

Comentários (2)

Resto dossier

10 anos sem Gisberta, o que mudou

A 22 de Fevereiro de 2006 o país acordou com a notícia da morte de Gisberta Salce Junior, encontrada assassinada num poço depois de três dias de tortura. O crime de ódio alertou a sociedade que fingia ignorar a fragilidade das vidas de tantas pessoas trans, a quem era negado o direito à identidade, ao acesso ao trabalho e a cuidados de saúde, expondo-as à violência gratuita. 10 anos passaram, o que mudou entretanto? Dossier organizado por Joana Campos.

Uma década depois, teria a vida de Gisberta sido diferente?

Nos últimos anos, a apropriação pelos média mainstream têm banalizado as identidades, vidas e vivências trans. Mas será que o dia a dia das pessoas melhorou? Por Joana Campos.

Gisberta

Este ano já foram assassinadas cerca de 300 pessoas transexuais em todo o Mundo, vítimas de crimes de ódio. Quantas mais Gisbertas precisam de morrer?

“Em Portugal há pessoas trans a morrer na indiferença geral”

A última entrevista que publicamos no dossier de homenagem à Gisberta foi feita a Sacha Touilh, de 30 anos, ativista trans francês. Por Joana Campos.

"Muito cedo percebi que as questões pessoais são necessariamente políticas"

O esquerda.net entrevistou Alice Cunha, de 19 anos, ativista trans dos coletivos Lóbula e Panteras Rosa. Por Joana Campos.

"O problema é não atribuirmos a autodeterminação às pessoas"

esquerda.net entrevistou Gabriela Moita sobre a lei da identidade de género, o acesso que a ela têm as pessoas e de que forma deveria ser melhorada, os problemas que enfrentam as pessoas que queiram fazer uma transição e as diferentes etapas do processo. Por Joana Campos.

“Não queria que ninguém passasse pelo que eu passei por ser trans”

Entrevista a Duarte Gaio sobre as reivindicações da comunidade, a importância do ativismo trans e o que mudou dez anos depois do assassinato de Gisberta. Por Joana Campos.

Agenda das homenagens a Gisberta

Calendário e descrição dos eventos marcados em homenagem à Gisberta.

O movimento LGBTI em Portugal: datas e factos

Esta cronologia, preparada por Bruno Maia, João Carlos Louçã e Sérgio Vitorino, mostra as datas mais importantes para o movimento LGBTI em Portugal nos últimos 114 anos. Só em 1982 se dá a descriminalização da homossexualidade e é em 1999 que Lei das Uniões de Facto passa a aplicar-se também aos casais homossexuais, apesar de ainda carecer de regulamentação. Pelo meio, ficam inúmeras episódios de homofobia e discriminação, mas também a criação de movimentos que vieram dar visibilidade à luta LGBTI. 

Glossário Trans

O que significa gender bender, género não binário, transmisoginia ou MTF?

Da Gisberta ao que está por fazer: memória e futuro de uma luta

Não me esqueço que, no início da primavera de 2006, alguma imprensa continuava a falar da Gisberta como “o travesti assassinado”, mesmo depois de saberem que a Gisberta era uma mulher trans. Não me esqueço dos debates e da resistência de alguns ativistas em falar em transfobia, palavra desconhecida e que foi preciso incluir no vocabulário da luta. Artigo de José Soeiro.

Geração Gisberta

Vale a pena analisar em detalhe cada uma das consequências que atribuímos ao “caso Gisberta”, os seus avanços, percalços, insuficiências, as resistências que se exerceram (inclusivamente a partir de dentro do movimento), bem como reconhecer que cada uma das transformações que refiro encerra, em si, contradições profundas. Artigo de Sérgio Vitorino.

Pessoas trans e intersexo: quem nos silencia?

As pessoas trans e intersexo sabem e podem falar por elas próprias.

LGBTI: O que é Intersexo?

A natureza não decide onde a categoria "masculina" termina e a categoria "intersexo" começa ou onde a categoria "intersexo" termina e a categoria "feminina" começa. Os seres humanos é que decidem. Por Sociedade Intersexual Norte Americana.