Está aqui

O destino desta "festa" encontra-se no Reino do Petróleo

Temo que o destino deste movimento festivo na história do Médio Oriente a que temos vindo a assistir venha a ser decidido na Arábia Saudita, reino do petróleo, dos lugares sagrados e da corrupção.
Rei Abdullah da Arábia Saudita. Agora os sauditas julgam-se os últimos muçulmanos ainda capazes de combater um mundo que se ilumina.

O terramoto das últimas cinco semanas no Médio Oriente foi a experiência mais tumultuosa, estilhaçadora e atordoante da história daquela região desde a queda do Império Otomano. Desta vez, "choque e constrangimento" são expressões adequadas à realidade. Os dóceis, exagerada e impenitentemente servis árabes descritos pelo orientalismo, transformaram-se nos lutadores pela liberdade e pela dignidade que nós, os ocidentais, sempre presumimos ser nosso e único papel no mundo. Um após outro, os sátrapas caiem, e a gente a quem pagávamos para controlarem está a fazer a sua própria história; o direito a metermo-nos nas suas vidas (que obviamente continuamos a querer exercer) está definitivamente limitado.

As placas tectónicas continuam a deslocar-se, com resultados trágicos, corajosos, ou até mesmo marcados por um certo humor negro. São inúmeras as potências árabes que alegam sempre ter querido a democracia no Médio Oriente. O rei Bashar da Síria vai melhorar os salários dos funcionários públicos. O rei Bouteflika da Argélia apressou-se a declarar o fim do estado de emergência no país. O rei Harmad do Barhrein abriu as portas das suas prisões. O rei Bashir do Sudão, afinal já não se vai recandidatar ao lugar de presidente. O rei Abdullah da Jordânia está a estudar a hipótese de uma monarquia constitucional. E a Al Qaeda tem-se mantido bastante mais silenciosa.

Quem acreditaria que o velho haveria de sair da caverna, caminhando pelo seu próprio pé para a saída, encandeado e cego pela luz do sol da liberdade, deixando para trás a escuridão maniqueísta a que os seus olhos já se tinham acostumado. Houve muitos mártires no mundo muçulmano, mas não há nem uma só bandeira islamita à vista. Os jovens homens e mulheres a quererem pôr um fim ao tormento das ditaduras podem até ser na sua maioria muçulmanos, mas o espírito humano é maior do que o desejo de morrer. São Fiéis, sim, mas primeiro vieram aqui derrubar Mubarak, enquanto os seguidores de Bin Laden ainda continuam a clamar pelo seu derrube, em vídeos completamente fora de moda.

Mas agora uma advertência. Isto ainda não terminou. Estamos a experimentar hoje aquela sensação cálida e ligeiramente húmida, que se sente antes de surgirem os trovões e os relâmpagos. O último filme de terror de Khadafi ainda está para acabar, embora provavelmente com essa mistura terrível de farsa e de sangue que estamos acostumados a ver no Médio Oriente. E a sua queda iminente, escusado será dizer, põe ainda mais em evidência a vil bajulação das nossas próprias potências. Berlusconi, que em muitos aspectos é já uma farsa fantasmagórica do próprio Khadafi, Sarkozy e Lorde Blair de Isfahan, estão a sofrer uma degradação ainda maior do que pensávamos. Os seus olhares fundados apenas na fé abençoaram Kahadafi, o assassino. Escrevi há tempos que Blair e Straw tinham descurado o factor "surpresa", a realidade de que esta estranha "luminária" líbia está absolutamente louca e que sem dúvida poderia cometer mais alguma atrocidade para vergonha dos nossos chefes.

Toda a gente diz agora ao Egipto para seguir o "modelo turco" que parece conter um agradável cocktail de democracia e Islão, cuidadosamente controlado. Mas se isso for assim, a verdade é que o exército egípcio irá manter um indesejado não democrático controlo sobre o povo, nas próximas décadas. Na sua qualidade de advogado, Ali Fzzatyar assinalou: "Os líderes militares do Egipto falaram de ameaças 'à forma de vida egípcia'… uma referência pouco subtil, às ameaças dos Irmãos Muçulmanos. E isso pode ser visto como cópia de uma página retirada de um manual de estratégia turco". O exército turco foi, por quatro vezes na história turca recente, um fazedor de reis. Ora, e quem senão o exército egípcio, criador de Nasser, construtor de Sadat, se livrou do ex-general do exército Mubarak quando o jogo chegou ao fim? E a democracia - a real sem restrições, imperfeita mas em versão rosa que nós no Ocidente temos cultivado tão terna e correctamente - não vai poder crescer feliz no mundo árabe devido ao pernicioso comportamento de Israel para com os palestinianos e ao roubo das terras na Cisjordânia. Ao aperceber-se que deixara de ser "a única democracia no Médio Oriente", Israel alega desesperadamente - na companhia da Arábia Saudita, graças aos céus - que é necessário manter a tirania de Mubarak. Voltou a bater na tecla dos Irmãos Muçulmanos e, em Washington, serviu-se do habitual, do quotidiano medo do lobby judeu, para tentar fazer descarrilar Obama e a seguir a senhora Clinton. Confrontados com manifestantes pró-democracia em terras de opressão, voltaram a apoiar os opressores antes que se fizesse demasiado tarde.

Já, no Bahrein, tive uma experiência deprimente. O rei Hamad e o príncipe Salman andaram a curvar-se diante da sua população, setenta por cento xiita (80%?), abrindo as portas das prisões, prometendo reformas constitucionais. De tal forma, que perguntei a um funcionário do governo em Manama, se isso seria realmente possível. Porque não ter um primeiro-ministro eleito em vez de um membro da família real, os Khalifa? Respondeu com um estalo de língua . "Impossível", disse. "o CCG nunca poderia permitir isso". Onde ele referiu CCG - Conselho de Cooperação do Golfo - leia-se Arábia Saudita. E aqui, temo, a nossa história começa a escurecer.

Prestámos muito pouca atenção a esse bando autocrático de príncipes ladrões; pensamos que são arcaicos, iletrados em política moderna, ricos (sim, "muito além dos sonhos de Creso1, etc.) e rimos quando o rei Abdullah se ofereceu para compensar o Egipto da perda do apoio financeiro de Washigton ao regime de Mubarak; rimos agora quando o velho rei prometeu aos seus cidadãos 36 mil milhões para se manterem de boca calada. Mas este não é assunto para rir. A revolta árabe que permitiu finalmente livrar o mundo árabe dos Otomanos começou nos desertos da Arábia, com os líderes tribais a confiarem em Lawrence McMahon e no resto da nossa pandilha. E da Arábia veio o Wahabismo, a poção forte e inebriante - espuma branca sobre substância negra - cujo horrível simplismo atrai cada possível islamita e bombista suicida do mundo muçulmano sunita.

Os sauditas acolheram Osama Bin Laden e a Al Quaeda e os Taliban. Já para não dizer que "contribuíram" com a maioria dos comandos suicidas do 11 de Setembro. E agora os sauditas julgam-se os últimos muçulmanos ainda capazes de combater um mundo que se ilumina. Temo que o destino deste movimento festivo na história do Médio Oriente a que temos vindo a assistir venha a ser decidido no reino do petróleo, dos lugares sagrados e da corrupção. Estejam alerta.

Mas uma nota mais alegre. Tenho andado a recolher citações memoráveis da revolução árabe. Já tivemos "Volte, Senhor Presidente, estávamos só a brincar" de um manifestante anti-Mubarak. E temos tido, Saif el-Islam e o discurso, à la Goebbels, de Khadafi: "Esqueçam o petróleo, esqueçam o gás - vai haver guerra civil". Mas a minha citação preferida, egoísta e pessoal, surgiu quando o meu velho amigo Tom Friedman do The New York Yimes se juntou a mim, com um sorriso desarmante, à mesa de um pequeno almoço no Cairo: "Fisky", disse ele, “um egípcio veio ter comigo, ontem, na Praça Tahir e perguntou-me se eu era Robert Fisk!" É o que considero agora uma revolução.

Publicado no The Independent. Especial para o Página 12.

Tradução de Natércia Coimbra para o Esquerda.net

1 Creso, último rei da Lídia, organizou um expedição para impôr o império Lídio aos persas mas foi vencido pelas forças do rei Ciro da Pérsia na batalha do rio Hális, Timbra, em 547 a.c. Ciro, no entanto, foi condescendente, concedendo-lhe honras e a oportunidade de viver na corte persa. Creso fora famoso pela sua riqueza, a qual foi atribuída à exploração das areias auríferas do Pactolo, rio afluente do Hermo onde, segundo a lenda, se banhara o Rei Midas.

Sobre o/a autor(a)

Jornalista inglês, correspondente do jornal “The Independent” no Médio Oriente. Vive em Beirute, há mais de 30 anos

Resto dossier

Revolução no Mundo Árabe

A revolução que começou na Tunísia e que já derrubou as ditaduras deste país e do Egipto, avança com dificuldades na Líbia e espalha-se em toda a região, começando mesmo a fazer tremer o mais importante aliado dos EUA, a Arábia Saudita. Neste dossier, reunimos artigos para fazer o ponto da situação desta revolução que abala todo o mundo árabe.

Entrevista com um socialista egípcio

Sameh Naguib é dirigente dos Socialistas Revolucionários egípcios e teve uma conversa com Mostafa Omar, no Cairo, a propósito da dinâmica revolucionária no Egipto e do futuro político e social do país. Por Mostafa Omar, publicado no Socialist Worker.

Egipto: A revolta da população trabalhadora ignorada pelos meios de comunicação ocidentais

A revolução começou muito antes das manifestações na Praça Tahrir, e continuará durante muito tempo. Os trabalhadores estão a revoltar-se contra as miseráveis condições de vida, contra uns salários de escravos e contra as “privatizações”, a jóia da coroa do neoliberalismo. Por Mike Whitney

A razão de Washington nunca ter percebido a revolução egípcia

Os 18 tumultuados dias no Egipto apanharam os Estados Unidos desprevenidos. O governo americano exerceu pouca influência no regime de Mubarak e menos ainda nos milhões de egípcios que o fizeram cair do poder. Por Graham Usher, Al Ahram

Tunísia: porque se demitiu Ghannouchi?

Foi mais uma vitória da revolução tunisina. O homem que foi o artífice do capitalismo neoliberal na Tunísia foi expulso do poder pela pressão popular. Por Fathi Chamkhi, cadtm.org.

O Labirinto Líbio

No início, o regime de Khadafi impulsionou as transformações da sociedade líbia. Mas após o 11 de Setembro, Khadafi ofereceu de imediato o seu apoio aos EUA. Antes, já começara as privatizações e o neoliberalismo. Por Vijay Prashad, Counterpunch

Khadafi, neoliberalismo, o FMI e os governos supostamente defensores dos direitos humanos

O Khadafi que derrubou a monarquia em 1969 e promoveu nacionalizações e reforma agrária deu depois uma viragem de 180 graus para ser o Khadafi privatizador, neoliberal e amigo de Bush.

Será preciso intervir militarmente na Líbia?

As imagens provenientes da Líbia são terríveis. Mas quem pediu uma intervenção militar do Ocidente quando os aviões israelitas bombardeavam Gaza durante a operação 'Chumbo Fundido'? Ou durante os bombardeamentos da NATO no Afeganistão? Por Alain Gresh

Khadafi resiste cruelmente, mas esta revolução árabe democrática está longe de ter acabado

Trata-se de um processo globalmente árabe, democrático e duplamente revolucionário. Por David Hirst, The Guardian

O destino desta "festa" encontra-se no Reino do Petróleo

Temo que o destino deste movimento festivo na história do Médio Oriente a que temos vindo a assistir venha a ser decidido na Arábia Saudita, reino do petróleo, dos lugares sagrados e da corrupção.

Omã: Não tirem os olhos do Golfo

Imaginem um paraíso feudal ou neo-medieval, lar do legendário Sindbad, o Marinheiro, onde reina, absoluto, um septuagenário solteiro, magro, que toca alaúde e escolheu viver em paz no seu palácio, o sultão Qabus bin Sa’id, paradigma da discrição. Em poucas linhas, eis Omã. Por Pepe Escobar.

Bahrein e o “Contágio da Liberdade”

A revolta do Bahrein está a ser liderada pela pobre maioria xiita muçulmana do país. A agitação no reino da pequena ilha de apenas 530 mil cidadãos representa uma ameaça à Arábia Saudita e à sua própria considerável minoria xiita impaciente. Por Rannie Amiri, Counterpunch

Adicionar novo comentário