Está aqui

Macron, o blairista tardio

Entre empresas de comunicação, nomes da finança, donos de grupos de comunicação social e as maiores fortunas de França, todos se encontram reunidos em torno de Macron.
Emmanuel Macron, EPA/Lusa
Emmanuel Macron, EPA/Lusa

Emmanuel Macron diz-se de esquerda mas, também de direita. Resultado, radicalmente ao centro? Com o seu slogan En Marche! (Em Marcha! gratuitamente sugestivo da marselhesa na psique francesa), Macron dá a sensação de um vinil da terceira via blairista em suporte digital. 

De 39 anos e ex-ministro da economia, Macron é um produto tanto da elite técnico-burocrática francesa proveniente de Sciences Po e da École Nationale d’Administration, como do mundo financeiro onde trabalhou como gestor de fundos de investimento na Rothschild, trabalho de onde salta para assessor de Hollande em 2012, então recém-eleito como nova esperança e futura desilusão do socialismo europeu, entre outras coisas precisamente por escolher Macron em 2014 para ministro da economia num alinhamento a favor da política de austeridade alemã. 

Programaticamente é o protótipo neoliberal do consenso europeu: pró-“reformas”, a começar pela flexibilização do mercado laboral, avançou durante a sua passagem pelo governo com uma lei laboral de tal forma impopular no próprio Partido Socialista Francês que, para evitar uma derrota no parlamento, Emmanuel Valls, então primeiro-ministro, se viu obrigado a promulgar a lei por decreto, algo de inédito na democracia francesa.

Entre outras coisas, a lei Macron como ficou conhecida, propunha colocar França a crescer economicamente através da facilitação dos despedimentos coletivos, da reestruturação das empresas, da privatização dos aeroportos de Nice e de Lyon (este último foi para a Vinci, que também comprou os aeroportos de Portugal), da liberalização do trabalho ao domingo e à noite, o que motivou uma greve geral ainda em 2015. 

O facto da sua passagem pela Rothschild lhe ter rendido cerca de €2 milhões ainda não tinha 30 anos não parece impedi-lo de se declarar um rebelde contra o “establishment político” e um sistema que “deixou de proteger aqueles que devia proteger”. 

A mensagem parece estar a ressoar no eleitorado, com as mais recentes sondagens pós Penelopegate a entregar-lhe um primeiro lugar na primeira volta das presidenciais. Considerando que o candidato socialista, Benoit Hamon, recupera as intenções de voto do PSF na mesma sondagem, a mensagem de Macron parece ressoar sobretudo no eleitorado do Partido Republicano incapaz de suster a hemorragia de Fillon. 

Mas de onde vêm os recursos e a organização que permite a Macron colocar-se à frente nas sondagens com um movimento que não fez sequer um ano?

O polvo de dinheiro que organiza o En Marche! 

Lançado em Abril de 2016, o movimento que sustenta a candidatura de Macron não é propriamente inovador. Declara-se cidadão, independente, sem dogmas programáticos nem militantes no sentido clássico, bastando a inscrição no site e a assinatura de uma “carta de princípios” para fazer parte da organização.

Sem qualquer órgão eleito, o movimento não esconde o seu caráter absolutamente instrumental, organizando-se apenas em torno de Macron numa marcha unipessoal. Mas isso não chega para explicar os comícios de 12 mil pessoas que se viram esta semana em Paris. 

Na verdade, o En Marche! começa a ser preparado desde 2015 por militantes do próprio PSF, alguns dos quais ex-deputados que fizeram parte da equipa de Macron no governo (como é o caso de Richard Ferrand). A estratégia deste grupo, dentro dos quais se contam vários ex-apoiantes de Strauss-Khan e Ségolène Royal, sustentava-se sobretudo na ideia de Hollande não concorrer e de Emmanuel Valls perder as primárias do PSF, deixando teoricamente o centro-esquerda liberto para outra candidatura, o que se verificou. 

Macron também recebe apoios do Partido Republicano e do Modem de François Bayrou. Após a vitória de Fillon, pelo menos 150 militantes de Juppé transferiram-se para a campanha de Macron. Corine Lepage, antiga ministra do ambiente de Jacques Chirac, apoiantes de Bayrou em 2007 e de Hollande em 2012, já anunciou o seu apoio a Macron, bem como o eurodeputado do Modem Jean-Marie Cavada. 

O porta-voz do En Marche!, Benjamin Griveaux, é um ex-assessor de Dominique Strauss-Kahn e foi diretor da Unibail-Rodamco, a maior imobiliária comercial do continente europeu. O diretor de comunicação, Philippe Grangeon, vem da Cap Gemini, e Mounir Mahjoubi, ex-diretor de campanha de Ségolène Royal em 2007 e presidente do Conseil du numérique está responsável pelas redes sociais.

Mas o estilo do site do En Marche!, polido, apolítico e marqueteiro, denuncia a presença de profissionais de comunicação e, sobretudo, de agências de comunicação. 

O quartel-general do En Marche! é dominado por um grupo que se auto-denomina de requins trentenaires, ou "tubarões trintões", numa referência ao programa televisivo que sintetiza uma filosofia particular de empreendedorismo. Este “tubarões” são consultores de duas agências de comunicação: a Liegey Muller Pons, responsáveis pela importação das técnicas de Obama para a campanha de Hollande em 2012, que organizaram agora um diagnóstico às predisposições eleitorais dos franceses com base em técnicas de marketing; e a Jésus et Gabriel, trata da estratégia de comunicação. 

Outros membros do quartel-general incluem Christian Dargnat, responsável financeiro e ex-patrão da Asset Management da BNP Paribas (até hoje a campanha de Macron recusa revelar os donativos que recebeu e a sua origem). Um especialista de sondagens, Daniel Delmas, ex-patrão da TNS Sofres, uma empresa de sondagens de influência do PSF. E o economista Jean Pisani-Ferry, antigo presidente do think-tank neoliberal Bruegel (financiada por corporações como a Shell, a Amazon, o BBCA, a BlackRock, o DeutscheBank, a Google, Microsoft, a Moody’s MorganStanley, etc.). 

A rede de interesses à volta de Macron não termina aqui. Reúne em particular extensos apoios tanto de startups como de corporações históricas que fazem parte do CAC40 - o índice bolsista francês. E, crucialmente, de grupos de comunicação social. 

O seu principal conselheiro pessoal, Marc Simoncini, é o criador do Meetic, uma plataforma de dating matchmaking com receitas de 164 milhões de euros em 2012. Outro amigo de Macron, Xavier Niel, dono da Free, é também co-proprietário do grupo Le Monde e filho de Bernard Arnault, o homem mais rico de França. 

Claude Bébéar, o dono da Axa que muitos chamam de “pai do capitalismo francês”, também é amigo de Macron; e Martin Bouygues, dono da revista de economia Challenges, é apoiante assumido de Macron. 

Bem analisada, a rede de influências em torno de Macron tem todos ingredientes necessários para uma campanha mediática de sucesso. Reúne a confiança de grupos financeiros, seguradoras, grupos de comunicação social, membros tanto do PSF como do Partido Republicano, e partilha da agenda neoliberal das instituições europeias. Resta saber se isso será suficiente para convencer o eleitorado francês. 

Resto dossier

Carnaval francês, foto de Sebastien Nogier, EPA/Lusa

França 2017: Quem vai enfrentar Marine Le Pen?

A primeira volta das Presidenciais em França realiza-se a 23 de abril, com as sondagens unanimamente a darem uma vitória a Marine Le Pen na primeira volta, mas derrota na segunda. No entanto, com três meses de campanha por realizar, tudo pode ainda mudar.

Emmanuel Macron, EPA/Lusa

Macron, o blairista tardio

Emmanuel Macron define-se como uma candidatura cidadã e independente, mas uma análise à sua rede de apoios revela para quem trabalha. 

Marine Le Pen, foto de Arnold Jerocki, EPA/Lusa

Fillon, Marine Le Pen e a Cristofobia

Apesar de programas económicos diametralmente opostos, Fillon e Marine Le Pen comungam da mesma mensagem sobre a França. 

Jean-Luc Mélenchon

Hamon e Mélenchon, a disputa programática

Os programas de Jean-Luc Mélenchon e Benoît Hamon revelam linhas com alguns pontos de contacto, mas diferenças cruciais. 

Torre Eiffel, foto de Etienne Laurent, EPA/Lusa

Presidenciais em Abril, Legislativas em Junho - as instituições da Vª República

Após as Presidenciais, cuja segunda volta está marcada para 7 de maio, decorrem ainda as eleições legislativas para a Assembleia Nacional, câmara baixa do Parlamento francês. 

Um mapa para as esquerdas

O extenso panorama partidário à esquerda é aqui clarificado de forma a entender as diferentes coligações e origens históricas. 

Adicionar novo comentário