Está aqui

História: Os Jogos Olímpicos da Antiguidade

Os Jogos Olímpicos originais duraram mais de mil anos, de 776 antes de Cristo a 395 depois de Cristo. Mesmo antes disso já existiam competições parecidas, mas só a partir de 776 a.C. há registo oficial dos jogos. Assim como a imitação moderna, as Olimpíadas, os jogos eram realizados de quatro em quatro anos. Uma diferença com os jogos de hoje é que antigamente o local era sempre o mesmo: a cidade de Olímpia, na Grécia.

Retirado do site brasileiro Opinião e Notícia

Desde os tempos pré-históricos, esse local era considerado sagrado, e quem passava deixava uma oferenda para os deuses. Aos poucos começou a predominar ali a adoração a Zeus, que era o principal deus grego, e alguns altares foram sendo construídos. Existem lendas que explicam porque os jogos foram iniciados e porque aconteceram em Olímpia, mas não se conhece as razões reais.

Os desportos, na sua origem, eram parte do treino para soldados. Corridas, saltos, lutas, arremesso de dardo ou martelo, tudo isso tem a ver com a guerra. Mesmo a ginástica olímpica tem origem militar. Não é por acaso que uma das modalidades, aquela em que o ginasta fica a girar sobre as mãos em cima de um cavalete, chama-se "cavalo". Era treino para soldados de cavalaria adquirirem mais agilidade em cima dos seus animais.

Ao mesmo tempo, havia um lado religioso nos jogos. Existe uma crença grega que diz que o corpo tem tanta importância quanto o intelecto e o espírito, e que a melhor maneira de honrar a Zeus é cuidar dos dois aspectos, o físico e o espiritual. Olímpia tornou-se uma cidade sagrada, assim como hoje Jerusalém, ou Meca, e a ida aos jogos era tanto um divertimento quanto uma peregrinação religiosa. É um pouco difícil de entender, porque na nossa cultura, desporto e religião são totalmente separados. No entanto, para o grego daquele tempo, Olímpia seria uma espécie de Vaticano, onde também estivesse o estádio do Maracanã.

Existem ruínas de Olímpia, e descrições antigas, que dão uma ideia do que era esse complexo desportivo-religioso, com vários estádios e templos. No principal templo, o de Zeus, havia uma estátua de marfim e ouro representando esse deus, estátua essa que media 13 metros de altura e era considerada uma das sete maravilhas do mundo antigo.

Embora viajar, naquele tempo, fosse tão mais difícil do que hoje, vinham milhares de pessoas, por terra e por mar, para assistir aos jogos. Até de colónias gregas distantes, como a África ou a Espanha, vinham viajantes. Um contemporâneo disse que "você vai a Olímpia e morre de calor, é amassado pela multidão, passa fome e sede, toma chuva e morre de frio, mas apesar disso vale a pena ir para ver espectáculos tão bonitos."

A Grécia não existia como país - era apenas uma região com cultura comum, mas com cidades independentes entre si. Essas cidades viviam em guerra entre si, mas durante o período dos Jogos havia uma trégua, respeitada por todos. A cada quatro anos, assim que se determinava a data do início dos jogos (que era baseada na lua cheia), emissários saiam de cidade em cidade, a divulgar a data. Inicialmente a trégua era de um mês, mas depois foi aumentada para dois meses, e mais tarde três, para proteger os viajantes que tinham de vir de longe.

Só homens podiam competir nos Jogos antigos. Para evitar que alguma mulher se fingisse de homem para competir - o que podia acontecer, pois nalgumas das cidades gregas mulheres eram soldados - deu-se uma solução simples: todo mundo nu. Todos competiam nus, em todas as modalidades de competição. Mulher podia, no máximo, assistir aos jogos. E isso se fosse solteira. Mulher casada não podia nem assistir. Houve um caso de uma mulher, viúva de um antigo campeão, que trouxe o seu filho para competir, fingindo-se de treinador. O filho ganhou e a mãe, entusiasmada, pulou a cerca da pista para abraçar o seu filho.

Foi reconhecida como mulher, mas não foi castigada em homenagem ao falecido marido. Para evitar novos acontecimentos desse tipo, a partir desse dia também os treinadores tinham de estar nus.

Aparentemente, a razão para essa discriminação contra as mulheres casadas era ligada ao aspecto dos jogos como ritual religioso de fertilidade. Só as virgens eram consideradas suficientemente puras para estar presentes.

Os jogos

Embora os jogos durassem só cinco dias, os preparativos começavam um ano antes. As pistas tinham de ser niveladas, os templos e estádios tinham sempre pequenas reparações a ser feitas. Os juízes eram escolhidos dez meses antes e começavam a planear tudo. Os candidatos a atletas assumiam o compromisso de, dez meses antes, começar a treinar intensivamente. Um mês antes do início dos jogos, juízes e atletas tinham de ir para a cidade de Elis, que dominava os jogos. Ali os atletas tinham de treinar sob a supervisão dos juízes, que desclassificavam os que não estivessem em boa forma física.

Poucos dias antes do início, começava a chegar a multidão. Príncipes italianos vinham em lindos barcos, subindo o rio que passava perto. Viajantes em carruagens ou a cavalo, os pobres em carroças, jumentos, ou mesmo a pé. Vendedores ambulantes, vendedores de comida e bebida, comerciantes em geral, todos vinham aproveitar a oportunidade de vender os seus produtos.

Os jogos eram abertos com desfiles dos atletas e juramentos aos deuses. Havia festas e bebedeiras todas as noites. No terceiro dia, que coincidia com a lua cheia, era feito o grande sacrifício a Zeus. Cem bois, doados pela cidade de Elis, eram sacrificados. As suas pernas eram cortadas e queimadas em homenagem ao deus, que se alimentava com o fumo. A carne era usada para um grande churrasco no final do dia. No fim do quinto dia, os prémios eram entregues, e havia mais festas e comemorações.

As modalidades

Nas primeiras vezes em que se realizaram os jogos, havia uma única competição, que era a corrida curta. Este seria o equivalente aos 100m de hoje, só que naquele tempo a distância era de 192 metros. A pista tinha esse comprimento e era recta. Quando mais tarde se adicionaram corridas maiores, corria-se ida e volta nessa mesma pista. A lenda diz que essa distância foi determinada por Hércules, fundador mítico dos jogos, e que essa era a distância que ele conseguia correr de um só fôlego, prendendo a respiração.

Depois da corrida curta foi criada a dupla, ida e volta, e depois a de 24 vezes a pista. Mais tarde veio a corrida com armadura, em que os atletas corriam usando capacete, protector metálico nas pernas, e carregavam um escudo redondo. Escritores da época dizem que era muito engraçado ver aqueles homenzarrões a correr com toda essa parafernália... e nus. Muito mais tarde criou-se uma corrida de revezamento em que cada corredor, ao acabar o seu trecho, passava ao seu companheiro de equipe uma tocha acesa. O vencedor tinha a honra de acender a fogueira do altar de sacrifícios. Essa ideia foi usada para a abertura dos jogos de hoje, em que um corredor chega no estádio com uma tocha e acende uma chama simbólica.

O pentatlo era outra competição importante, introduzida em 708 a.C. Os cinco eventos eram arremesso de disco, salto, arremesso de dardo, corrida e luta. Todos se realizavam numa mesma tarde. Os dois últimos também aconteciam separadamente, mas os três primeiros só existiam dentro do pentatlo. O salto era em distância, o único salto que os gregos praticavam. Esse salto era dado de uma posição parada, sem corrida para tomar impulso. Em vez disso usavam dois pesos, um em cada mão, que eram jogados para frente para dar impulso. Esses pesos se chamavam "halteres".

Um pouco mais tarde foram introduzidas as corridas de carros puxados por dois e quatro cavalos e logo, também, a corrida de cavalos como a conhecemos hoje, com o cavaleiro cavalgando o cavalo.

Fim dos jogos antigos

Com o passar dos séculos, os jogos perderam gradualmente o seu significado religioso, e com a conquista da Grécia pelos romanos esse processo continuou. Os romanos chegaram a saquear alguns dos templos para financiar as suas guerras, e o imperador Calígula tentou levar a estátua de Zeus para Roma. Em 267 d.C. uma tribo de bárbaros vindos de onde é hoje a Rússia invadiu Olímpia e destruiu parte dos edifícios. Em 393 d.C., o imperador romano Teodósio, o primeiro imperador cristão de Roma, proibiu todos os ritos pagãos. Em 426 d.C., o templo de Zeus foi destruído por um incêndio, possivelmente por ordem de Roma. Novas invasões, dos Visigodos, vândalos e outras tribos bárbaras, foram acontecendo e a cada uma mais um pouco era destruído.

No século V, um terremoto, seguido de uma inundação, destruiu o que restava e cobriu as ruínas com uma camada de vários metros de lama. A localização do santuário, com o tempo, foi esquecida. Só mais de mil anos depois, em 1766, depois de séculos de esquecimento, o local foi descoberto. A partir de 1875 foi empreendida uma escavação em grande escala. Até os dias de hoje os trabalhos de pesquisa continuam, tentando descobrir mais e mais sobre Olímpia.

Resto dossier

Jogos Olímpicos

Com os Jogos Olímpicos de Pequim, o governo chinês quer mostrar ao mundo que o país entrou definitivamente na categoria das superpotências. Mas não está a conseguir livrar-se das acusações de violações de direitos humanos e de aplicar o capitalismo mais selvagem, que já criou 250 mil milionários, mas onde 700 milhões vivem com menos de dois euros por dia. No dossier, além dos artigos sobre os Jogos de 2008, passamos em revista a história das Olimpíadas da Era Antiga e da Era Moderna, e lembramos dois episódios em especial: a manipulação fracassada de Hitler em 1936, e o protesto dos negros dos EUA em 1968.

A segurança, a imagem e a Revolução Cultural Olímpica

O excesso de zelo com a imagem da China e as medidas de segurança extremas adoptadas em Pequim correm o risco de transformar estas Olimpíadas na mais sem graça, reprimida e tensa competição da História dos Jogos Olímpicos, ainda que o porta-voz do Comando de Segurança do Comité Organizador dos Jogos de Pequim (Bocog, da sigla em inglês), Liu Shaowu, garanta que o governo chinês está a dar o melhor de si para conciliar diversão e tranquilidade.

História: Os Jogos Olímpicos da Era Moderna

As escavações que começaram em 1875 em Olímpia excitaram a imaginação de muita gente na Europa. O ideal grego de perfeição física e espiritual andava esquecido e o conhecimento sobre os Jogos Olímpicos era quase nulo, a ponto de o assunto ser tratado como uma lenda.

Durante os Jogos, os peticionários não são benvindos

É uma das raras tradições que Pequim não deseja apresentar ao mundo durante os Jogos Olímpicos: os rios de peticionários que afluem à capital para obter justiça. Este sistema, herdado da época imperial, permite que os habitantes das províncias se dirijam ao "centro" se se considerarem vítimas de injustiça, desvendando assim a face sombria da China.

História: Os Jogos Olímpicos da Antiguidade

Os Jogos Olímpicos originais duraram mais de mil anos, de 776 antes de Cristo a 395 depois de Cristo. Mesmo antes disso já existiam competições parecidas, mas só a partir de 776 a.C. há registo oficial dos jogos. Assim como a imitação moderna, as Olimpíadas, os jogos eram realizados de quatro em quatro anos. Uma diferença com os jogos de hoje é que antigamente o local era sempre o mesmo: a cidade de Olímpia, na Grécia.

As muitas faces de uma Olimpíada chinesa

Interior do estádio olímpico de Pequim, o Apesar dos apelos feitos na semana passada pelo presidente da China, Hu Jintao, para que o mundo encare as Olimpíadas de Pequim como um espectáculo meramente desportivo - no que faz coro com o presidente do Comité Olímpico Internacional, Jacques Rogge - estes Jogos começam como uma das mais politizadas Olimpíadas da História. E a culpa, diga-se de passagem, é da própria China.

1968: A luta contra o racismo irrompe nas Olimpíadas

Os Jogos Olímpicos de 1968, na Cidade do México, ficaram famosos pelos protestos inéditos contra o racismo protagonizados por atletas afro-americanos. Nesta entrevista, Lee Evans, medalha de ouro nos 400 metros em 68 e membro do Projecto Olímpico Pelos Direitos Humanos, esclarece ao pormenor como tudo se passou, desde as estratégias para lidar com os media até à forma como conseguiram contornar os imprevistos de última hora.

Jogos em Pequim

Jogos em Pequim Com o lema "Um Mundo, Um Sonho", os Jogos Olímpicos de Pequim deveriam oferecer aos dirigentes chineses, de 8 a 24 de Agosto, a oportunidade para uma reabilitação internacional depois da condenação mundial que sofreram após a matança na Praça de Tiananmen em 1989. Por isso o êxito das Olimpíadas é tão primordial para eles e o primeiro-ministro Wen Jiabao insiste nas consignas de "harmonia" e de "estabilidade".

1936: Quando Hitler usou os Jogos para a propaganda do Reich

No dia 1 de Agosto de 1936, ditador nazi Adolf Hitler abria oficialmente os Jogos Olímpicos de Berlim. Com a economia recuperada depois da derrota na Primeira Guerra Mundial, Hitler convencera os membros do Comité Olímpico Internacional (COI) de que Berlim seria ideal para a realização da Olimpíada daquele ano.

Adicionar novo comentário