Está aqui

Herança da mais brutal exploração colonial da história

Um terramoto com a intensidade daquele que, em 12 de Janeiro, atingiu a capital do Haiti teria causado enormes danos em qualquer cidade do mundo. Não é contudo por acaso que uma parte tão considerável de Port-au-Prince pareça agora uma zona de guerra. Boa parte da devastação causada pelo mais recente e calamitoso desastre natural é facilmente compreensível como mais uma consequência de uma horrível sequência histórica, tipicamente um produto da acção humana.

O país teve mais do que a sua quota de catástrofes. O grande sismo de 7 de Maio de 1842 matou mais de 10 mil pessoas, só na cidade de Cap Haïtien, na costa norte. Os ciclones fustigam regularmente a ilha, os mais recentes em 2004 e 2008. As tempestades de Setembro de 2008 causaram inundações na cidade de Gonaïves e destruíram boa parte das suas deficientes infra-estruturas, matando mais de mil pessoas e destruindo muitos milhares de casas. A amplitude total da destruição resultante deste terramoto só deverá ser conhecida daqui a várias semanas. Mesmo pequenas obras vão demorar anos a ficarem prontas, e o impacto a longo prazo é incalculável.

No entanto, é já muito claro que este impacto resultou de uma ainda mais longa história de empobrecimento deliberado e perda de poder. O Haiti é geralmente descrito como o "país mais pobre do hemisfério ocidental". Essa pobreza é uma herança directa daquele que talvez tenha sido o mais brutal sistema de exploração colonial da história mundial, combinado com décadas de opressão pós-colonial sistemática.

A nobre "comunidade internacional", que hoje se apressa a mandar "ajuda humanitária" para o Haiti, é largamente responsável pela dimensão do sofrimento que agora pretende reduzir. Desde que os EUA invadiram e ocuparam o país, em 1915, todas as tentativas no sentido de permitir que a população do Haiti passasse "da miséria absoluta a uma pobreza digna" (segundo as palavras do antigo Presidente Jean-Bertrand Aristide) foram violenta e deliberadamente bloqueadas pelo governo dos EUA e alguns dos seus aliados.

O próprio Governo de Aristide (eleito por cerca de 75% do eleitorado) foi a última vítima desta interferência, quando foi deposto, em 2004, por um golpe de estado, patrocinado internacionalmente, que matou vários milhares de pessoas e causou o ressentimento da maioria da população. Depois dele, a ONU tem mantido no país uma vasta força de estabilização e pacificação, cujos custos são enormes.

Hoje, o Haiti é um país onde, segundo o melhor estudo disponível, cerca de 75% da população "vive com menos de dois dólares (1,40 euros) por dia e 56% - 4,5 milhões de pessoas - com menos de um dólar (68 cêntimos) por dia". Décadas de "ajuste" neoliberal e de intervenção neo-imperial retiraram ao seu governo qualquer capacidade de investir no seu povo ou de regular a sua economia. Acordos comerciais e financeiros internacionais punitivos garantem que essa destituição e essa impotência continuarão, no futuro previsível, a ser um facto estrutural da vida no Haiti.

São essa pobreza e essa fragilidade que estão na origem da enorme escala do horror que hoje se vive em Port-au-Prince. Desde finais dos anos 1970, os ataques neoliberais à economia rural do Haiti empurraram dezenas de milhar de pequenos agricultores para subúrbios urbanos sobrepovoados. Embora não haja estatísticas fiáveis, centenas de milhar de residentes de Port-au-Prince vivem em habitações clandestinas sem o mínimo de condições, muitas delas empoleiradas em ravinas desflorestadas. A mistura de pessoas que vivem nesses locais e nessas condições não é, em si mesma, mais "natural" ou acidental do que a amplitude dos danos que sofreram.

Como destaca Brian Concannon, director do Instituto para a Justiça e a Democracia no Haiti: "Estas pessoas foram para lá porque os pais foram intencionalmente expulsos do campo devido a políticas de ajuda e de comércio especificamente destinadas a criar uma enorme força de trabalho cativa - e portanto explorável - nas cidades; por definição, são pessoas que não teriam dinheiro para construir casas resistentes a terramotos." As infra-estruturas básicas da cidade - água corrente, electricidade, estradas, etc. - continuam a ser tristemente inadequadas e, em muitos casos, inexistentes. A capacidade do governo de mobilizar qualquer ajuda para as vítimas é quase nula.

Na prática, a comunidade internacional tem governado de facto o Haiti desde o golpe de 2004. Os países que agora se apressam a enviar ajuda de emergência são os mesmos que, nos últimos cinco anos, têm persistentemente votado contra o alargamento do mandato da missão da ONU para além da sua finalidade militar imediata. As propostas no sentido de canalizar parte deste "investimento" para a redução da pobreza ou para o desenvolvimento rural têm sido bloqueadas, em conformidade com os velhos padrões que continuam a modelar a distribuição da "ajuda" internacional.

As mesmas tempestades que mataram tantos em 2008 atingiram Cuba com a mesma intensidade mas mataram apenas quatro pessoas. Cuba escapou aos piores efeitos da "reforma" neoliberal, e o seu governo mantém a sua capacidade de defender o seu povo dos desastres. Se quisermos mesmo ajudar o Haiti a sair desta mais recente crise, teremos de ter em conta este ponto de comparação. Além de enviarmos ajuda de emergência, devemos perguntar-nos o que podemos fazer para facilitar a capacitação da população e das instituições públicas do Haiti. Se quisermos mesmo ajudar, temos de deixar de tentar controlar o governo do Haiti, de pacificar os seus cidadãos e de explorar a sua economia. Depois, temos de começar a pagar, pelo menos por alguns dos danos que já provocámos.

13 de Janeiro de 2010

Peter Hallward é especialista em filosofia francesa contemporânea e um dos mais importantes intérpretes de Alain Badiou. É também autor de um livro sobre Deleuze (Out of this World), e de um estudo sobre o pós-colonial. Paralelamente ao trabalho mais teórico, tem escrito regularmente sobre política haitiana, tendo publicado em 2007 o livro Damming the Flood: Haiti, Aristide, and the Politcs of Containment, onde expõe o esforço do movimento popular Lavalas, e de Jean-Bertrand Aristide, para libertar o Haiti de uma ditadura apoiada pelos Estados Unidos.

Sobre o/a autor(a)

Professor de Filosofia Europeia Moderna na Middlesex University e autor do livro Damming the Flood: Haiti, Aristide, and the Politics of Containment

Resto dossier

"Agora só há um lugar seguro para os bandidos: o céu"

O director da principal companhia de segurança privada do Haiti justifica as execuções de delinquentes em plena rua face à inoperância policial e à perigosidade dos bandidos. Há 20 companhias privadas de segurança a operar no país.

A revolução escrava do Haiti

A Revolução Haitiana (1791-1803) corresponde a um período de violentos conflitos na colónia francesa de Saint-Domingue que levou à eliminação da escravatura e ao estabelecimento do Haiti como a primeira república governada por um descendente africano. Apesar das centenas de rebeliões ocorridas no Novo Mundo, durante os séculos da escravatura, apenas a revolta de Saint-Domingue, que começou em 1791, foi bem sucedida no sentido da libertação definitiva e é considerada como um momento decisivo na história dos africanos no continente americano. 

A Economia Política do desastre no Haiti

O desastre no Haiti deve ser visto como o reflexo macabro das consequências irresponsáveis da implementação de políticas liberais num contexto de extrema desigualdade e pobreza.

Porque razão os Estado Unidos devem milhares de milhões ao Haiti

Estamos em dívida para com o Haiti. Não é caridade, mas sim uma questão de justiça. Os EUA devem milhares de milhões ao Haiti - com M grande.

Defender a democracia

Aristide quer retornar ao seu país, algo que a maioria dos haitianos reivindica desde o seu derrube. Mas os EUA não o querem ali. E o governo Preval, que é completamente dependente de Washington, decidiu que o partido de Aristide - o maior do Haiti - não será autorizado a concorrer às próximas eleições.

Publicado originalmente na Folha de S. Paulo

Herança da mais brutal exploração colonial da história

Se quisermos ajudar seriamente este devastado país, temos de desistir de controlá-lo e de explorá-lo.

Publicado originalmente no Guardian

E o futuro do Haiti?

E politicamente, o que acontecerá ao Haiti? Pode parecer preocupação excessiva pensar isso agora, mas não é…

Ajuda humanitária ou ocupação militar?

Ashley Smith explica porque é que a ajuda não chegou à maior parte das vítimas do terramoto de Haiti - porque a prioridade do governo dos Estados Unidos é impor o seu controlo.

As Empresas de "Segurança" dos EUA oferecem "serviços"

O grupo mercenário orwellianamente baptizado de Associação Internacional de Operações de Paz (AIOP), não esperou muito tempo até oferecer os "serviços" das suas empresas-membros para irem para o Haiti e lucrar com a assistência humanitária.

O holocausto haitiano

O terramoto tirou a vida a 200 mil pessoas, mas a catástrofe é também consequência de séculos de exploração colonial - é o que mostra este dossier.

História de um Holocausto

Para Robert Gates, secretário da Defesa de Obama, trata-se da segurança em primeiro lugar. Foi essa a sua lição depois do furacão Katrina. Primeiro os militares, depois a água. Blackwater antes da água potável

Adicionar novo comentário