Está aqui

Hackers decapitados

O FBI efetuou uma onda de prisões de hackers próximos aos Anonymous. Elas foram possíveis graças a um dos hackers, há alguns meses, ter mudado de lado. Ele foi infiltrado, já a serviço da polícia, no grupo Anonymous para conduzir operações de intrusão, especialmente contra a Stratfor. Por Pierre Alonso e Guillaume Ledit, Owni.

"Cortámos a cabeça do LulzSec." Um porta-voz do FBI congratulou-se, em 6 de março, com uma onda de prisões de hackers levadas a efeito nos Estados Unidos e na Grã-Bretanha. Teve como alvo três grupos de hackers: LulzSec, grupo que nasceu do coletivo informal Anonymous, Antisec que reivindicou a pirataria da empresa privada de informação Stratfor, e Internet Feds.

O infiltrado

Este golpe de asa foi possível graças à confissão de Sabu, nome de código de Hector Xavier Monsegur. Este nova-iorquino de 28 anos recolheu, durante meses, informações para o FBI, de acordo com a Fox News, que revelou a história. Um importante meio de comunicação, porque Sabu era acusado de "participar num ataque cibernético contra os computadores da Fox", de acordo com a acusação feita pelo promotor de Nova York, Preet Bharara.

Nesse documento, as alegações detêm-se bruscamente em 7 de junho de 2011, quando Sabu foi preso pelas autoridades norte-americanas. A 15 de agosto, declarou-se culpado de doze acusações. O FBI substituiu o seu laptop por outro que foi mantido sob vigilância.

"Membro influente de três organizações de hackers", foi acusado de ter participado em atividades ilegais dentro de três coletivos: Anonymous, LulzSec e Internet Fed. Aos dois últimos grupos pertencem alguns dos membros presos recentemente.

"Não foi fácil", disse à Fox News um agente do FBI que participou na confissão de Sabu. "Conseguimos graças aos seus filhos. Ele não queria ir para a cadeia e separar-se deles. Foi assim que conseguimos."

A acusação detalha as operações em que Sabu participou. Primeiro dentro dos Anonymous, durante as revoltas árabes. É acusado de ter atacado sites governamentais na Argélia e na Tunísia, e de ter identificado e testado, sem autorização, falhas de segurança em servidores do Iémene e do Zimbabué. Com o coletivo Internet Feds, terá participado nas piratarias de HBGary, de The Tribune e de Fox.

No que respeita aos ataques realizados com LulzSec, a lista é mais longa e os alvos mais graves: o Senado dos EUA, a estação de rádio americana PBS, uma sucursal de uma empresa dos EUA a trabalhar com o FBI, InfraGard-Atlanta, Sony, Nintendo e Bethesda Softworks.

Pirataria da Stratfor

"Eu sei que um dos membros da LulzSec ("CW-1 ") foi preso pelas autoridades e concordou em cooperar com o governo na esperança de obter uma redução da pena. CW-1 declarou-se culpado de acusações diversas (...). De acordo com a minha pesquisa, as informações fornecidas pelo CW-1 são fiáveis e corretas, e foram corroboradas por outras informações obtidas no âmbito desta investigação."

Esta declaração, que aponta Sabu sem o nomear, vem do agente especial do FBI Milan Patel. Ela consta na acusação do procurador contra Jeremy Hammond, preso segunda-feira em Chicago. É um dos arquitetos do ataque à Stratfor, empresa de espionagem privada da qual a Wikileaks publica as trocas internas de mails desde 27 de fevereiro. A pirataria das caixas de correio da empresa é reivindicada pelo AntiSec, um grupo de hackers criado em junho de 2011, composto por "vários membros da LulzSec", de acordo com o agente especial do FBI.

Os serviços federais seguem a pirataria à Stratfor através do acesso aberto por Sabu. Os hackers utilizam protocolos seguros para a troca de conversas e documentos. Armazenam dados roubados da Stratfor em servidores ocultos (.onion) acessíveis usando Tor, um software para tornar anónima a navegação na internet.

No momento de piratear, o FBI pede a Sabu para fornecer aos hackers da AntiSec um servidor para armazenar os dados. O agente especial Milan Patel autentica-os, comparando-os com os disponíveis no servidor oculto (.onion). As discussões em tempo real entre Sabu e Jeremy Hammond são criptografadas, mas o agente do FBI recebe uma cópia. A partir de 6 de dezembro, Jeremy Hammond diz ter escolhido um novo alvo, a Stratfor. Poucos dias depois, em 19 de dezembro, ele anuncia que todas as mensagens internas da empresa de inteligência privada foram copiadas.

Tradução de Deolinda Peralta para o Esquerda.net

Publicado por Owni.

Resto dossier

Guerra suja contra a Wikileaks e o ciberativismo

É iminente a decisão do Supremo Tribunal do Reino Unido sobre se Julian Assange será ou não deportado para a Suécia, de onde poderá ser levado para os EUA. Ao mesmo tempo, decorre a acusação de Bradley Manning, a alegada fonte dos telegramas da Wikileaks. Ações policiais têm sido dirigidas contra ciberativistas, como os Anonymous. Neste dossier, coordenado por Luis Leiria, passamos em revista esta ofensiva.

Assange: “Os ataques contra nós são reveladores”

Julian Assange fala sobre os ataques dos EUA à WikiLeaks, a liberdade de imprensa, e a decisão iminente do Supremo Tribunal Britânico sobre o seu recurso contra a extradição para a Suécia. Por Richard Phillips, World Socialist Web Site

A guerra suja contra a Wikileaks

As difamações dos média sugerem a cumplicidade da Suécia com um esforço impulsionado por Washington para punir Julian Assange. Por John Pilger.

Nos bastidores do processo contra a Wikileaks

Nesta entrevista, Michael Ratner, advogado da Wikileaks nos EUA, estabelece os nexos entre a acusação a Bradley Manning e a batalha jurídica contra a extradição de Julian Assange. Entrevista a Paul Jay, The Real News Network, publicada em Outras Palavras

Hackers decapitados

O FBI efetuou uma onda de prisões de hackers próximos aos Anonymous. Elas foram possíveis graças a um dos hackers, há alguns meses, ter mudado de lado. Ele foi infiltrado, já a serviço da polícia, no grupo Anonymous para conduzir operações de intrusão, especialmente contra a Stratfor. Por Pierre Alonso e Guillaume Ledit, Owni.

Plano da Polícia para Invadir o Pirate Bay

Pode estar iminente uma invasão ao mais conhecido e antigo site de partilha do mundo. Mas é pouco provável que a repressão consiga tirar o site do ar por mais que algumas horas.

Responsável pelo TugaLeaks constituído arguido

Rui Cruz, responsável pelo site Tugaleaks, foi constituído arguido e afirma não perceber de que está a ser acusado. Por Pedro Pinto, publicado no Pplware

Anonymous e a guerra de informação digital

Um católico que, no dia 5 de novembro de 1605, quase conseguiu fazer voar pelos ares o Parlamento inglês com 30 quilos de pólvora, com o rei James I dentro, é o rosto oficial de uma nova revolta ocidental. Sem se encaixar num rótulo tradicional, Anonymous realiza à sua maneira o desejo não confesso de muitos cidadãos do planeta. Artigo de Eduardo Febbro.

Adicionar novo comentário